Pular para o conteúdo principal

Leishmaniose Visceral Humana

atualizado em 12/06/2019 | 11:22

Introdução     

A leishmaniose visceral (LV) é uma doença vetorial grave que apresenta um ciclo biológico complexo e que se não tratada pode evoluir para óbito em mais de 90% dos casos. O Programa de Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral (PVC-LV), do Ministério da Saúde, prevê a realização, de forma integrada, de medidas de controle que visam o diagnóstico precoce e tratamento adequado dos casos humanos, o controle do reservatório canino e do vetor, associadas a atividades de educação em saúde.
 

A Prefeitura de Belo Horizonte possui equipes específicas de controle da LV, com distribuição de Agentes de Combate a Endemias (ACE) em todas as regionais. As ações são direcionadas de acordo com a realidade epidemiológica existente, com realização de coleta de sangue canino, controle químico do vetor e repasse de informações sobre a prevenção da doença, priorizando as áreas de maior ocorrência de casos humanos e com maiores índices de positividade canina.
 

As ações sistemáticas de controle da LV ocorrem em Belo Horizonte desde 1994. Nos últimos anos, entre 2008 e 2014, vivenciamos uma redução drástica do número de casos humanos de LV (161 para 41) e de óbitos (18 para 5). No mesmo período houve expansão qualitativa e quantitativa das ações de controle no município, que realizou, no ano 2012, exame de leishmaniose visceral em 70,0% da população canina do município (202.896 coletas). Foram registrados casos novos e óbitos prevalentes nos anos subsequentes, conforme dados epidemiológicos.
 

Além da complexidade do controle da LV nas áreas urbanas, a incidência da doença pode estar associada a condições climáticas favoráveis ao aumento da população do vetor, Lutzomyia longipalpis, conhecido popularmente como mosquito palha, assim como a existência de ambientes propícios para formação de seus criadouros. Nesse sentido, é indispensável a participação da população, que deve manter os ambientes limpos, com a retirada de folhas, troncos, fezes de animais, e outros tipos de matéria orgânica, além de fazer o acondicionamento correto do lixo.
 

O que é?  

Leishmaniose Visceral (LV) é uma doença crônica, sistêmica, caracterizada por febre de longa duração, aumento do fígado e baço, perda de peso, fraqueza, redução da força muscular, anemia e outras manifestações.
 

As pessoas residentes em áreas onde ocorrem casos de LV, como o município de Belo Horizonte, ao apresentarem alguns desses sintomas, devem procurar o serviço de saúde mais próximo o quanto antes, pois o diagnóstico e o tratamento precoce evitam o agravamento da doença, que pode ser fatal se não for tratada.
 

Como ocorre a transmissão?

 

Os transmissores da LV são insetos denominados flebotomíneos, conhecidos popularmente como mosquito palha. No Brasil, a principal espécie envolvida é a Lutzomyia longipalpis e o agente causador da doença o protozoário Leishmania infantum. A transmissão acontece por meio da picada de fêmeas de flebotomíneos infectados que ingerem o parasito ao picar cães ou outros animais infectados e depois picam o homem transmitindo o parasito. Na área urbana o cão é o principal reservatório da doença, e no meio silvestre, as raposas e os marsupiais (gambás). Não ocorre transmissão da LV de pessoa para pessoa.

 

 

Como fazer o diagnóstico da leishmaniose visceral?

 

Para o diagnóstico precoce, deve-se estar sempre atento às manifestações clínicas da doença, tanto em crianças quanto em adultos, e sempre incluir a leishmaniose visceral no diagnóstico diferencial de quadros clínicos com esplenomegalia e/ou com febre de longa duração, realizando exame sorológico.
 

O exame a ser realizado é o Teste Rápido para LV (TR_LV), o paciente quando atendido nos Centros de Saúde deverá ser encaminhado à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) onde fará o teste. O TR_LV está disponível em alguns hospitais de referência para tratamento da LV.
 

Em casos em que o TR_LV for negativo e/ou haja necessidade de diagnóstico diferencial com outras doenças, deverá ser solicitada a realização do exame de Aspirado Medular e/ou PCR (Reação em Cadeia de Polimerase).

 

Quais são as referências para atendimento e/ou internação de casos suspeitos?

 

Referências ambulatoriais:

Ambulatório do Hospital Eduardo de Menezes: 3328-5055. Av Dr. Cristiano de Resende, 2213 – Bonsucesso.

Centro de Pesquisas Rene Rachou: 3349-7700. Av. Augusto de Lima, 1715 – Barro Preto.

Referências Hospitalares

Hospital Eduardo de Menezes: 3328-5000. Av Dr. Cristiano de Resende, 2213 – Bonsucesso.

Hospital Infantil João Paulo II: 3239-9074 – Alameda Ezequiel Dias, 345 - Santa Efigênia

Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais: 3409-9327. Av. Prof. Alfredo Balena,  110 – Santa Efigênia

 

Tratamento da Leishmaniose Visceral Humana

 

Apesar de grave, a LV tem tratamento e cura para os humanos. Os medicamentos específicos estão disponíveis na rede de serviços do Sistema Único de Saúde (SUS) e baseia-se na utilização de três fármacos a depender da indicação médica: o antimoniato de N-metil glucamina (Glucantime®), a anfotericina B e a anfotericina B lipossomal.

 

Recomenda-se o antimoniato de N-metil glucamina como fármaco de primeira escolha para o tratamento da LV, exceto em algumas situações, nas quais se recomenda o uso da anfotericina B, prioritariamente em sua formulação lipossomal.

A lista de indicações para utilização da anfotericina B lipossomal inclui pacientes que atendam a pelo menos um dos critérios abaixo:

  • Idade menor de 1 ano;
  • Idade maior que 50 anos;
  • Escore de gravidade: clínico >4 ou clínico-laboratorial >6;
  • Insuficiência renal;
  • Insuficiência hepática;
  • Insuficiência cardíaca;
  • Intervalo QT corrigido maior que 450ms;
  • Uso concomitante de medicamentos que alteram o intervalo QT;
  • Hipersensibilidade ao antimonial pentavalente ou a outros medicamentos utilizados para o tratamento da LV;
  • Infecção pelo HIV;
  • Comorbidades que comprometem a imunidade;
  • Uso de medicação imunossupressora;
  • Falha terapêutica ao antimonial pentavalente ou a outros medicamentos utilizados para o tratamento da LV;
  • Gestantes.

 

Nas situações em que o paciente apresente hipersensibilidade ou falha terapêutica ao antimonial pentavalente e não se enquadre em nenhum dos critérios de indicação para utilização da anfotericina B lipossomal, poderá ser adotado como alternativa terapêutica o desoxicolato da anfotericina B.

 

 

Como obter o Glucantime para tratamento?

O Glucantime é distribuído aos hospitais, tanto público quanto privados e aos Centros de Saúde através das farmácias distritais da Secretaria Municipal de Saúde, mediante receita médica e ficha de notificação.

 

 

Quando usar e como obter a Anfotericina B lipossomal?

A anfotericina B lipossomal apresenta custo elevado, o que restringe seu uso. De acordo com o Ministério da Saúde, esta medicação deve ser usada em pacientes com Leishmaniose Visceral Grave que apresentem falha terapêutica ou toxicidade ao desoxicolato de anfotericina. A anfotericina B lipossomal deve ser usada como primeira escolha em Leishmaniose Visceral Grave apenas para pacientes transplantados renais ou com insuficiência renal documentada (taxa de filtração glomerular menor que 60mL/min/1,73m2). A dose preconizada é de 3mg/kg/dia, durante sete dias ou 4mg/kg/dia, durante cinco dias por infusão venosa, em dose única diária.
 

A anfotericina B lipossomal é liberada pelo Centro de Informação Estratégica em Vigilância em Saúde (CIEVS-BH) para todos os casos que preencham os critérios padronizados pelo Ministério da Saúde. Os casos são discutidos entre o médico assistente e a médica plantonista do CIEVS-BH. Se os critérios forem preenchidos, o CIEVS entra em contato com a Farmácia Distrital Oeste informando sobre a liberação e a instituição se responsabiliza por retirar o medicamento entregando os formulários exigidos.

 

 

Referências Bibliográficas

 

Orientações mais detalhadas em relação à assistência ao paciente podem ser consultadas nos documentos e sites:

1 - “Recomendações para o manejo clínico da leishmaniose tegumentar e visceral” que está disponível no portal da saúde da PBH (www.pbh.gov.br)
2 - “Leishmaniose Visceral Grave - Normas e Condutas” disponível no portal do Ministério da Saúde (http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/manual_lv_grave_nc.pdf).
3 - “Manual de Vigilância e Controle da Leishmaniose Visceral” ( http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/manual_leish_visceral2006.pdf )
4 - Guia de Vigilância em Saúde – Ministério da Saúde – Volume 3 – Brasilia/DF - 2017
 

Dados Epidemiológicos da LVH
 

DADOS DA LEISHMANIOSE VISCERAL HUMANA NO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE, PERÍODO 2008-2019

DADOS DA LEISHMANIOSE VISCERAL HUMANA NO MUNICÍPIO DE BELO HORIZONTE, PERÍODO 1994-2007


 

Boletim

Boletim da Vigilância em Saúde / Setembro de 2013

 

Clique aqui para acessar informações sobre Leishmaniose Visceral Canina – Controle de Zoonoses

 

Ouça este conteúdo