Pular para o conteúdo principal

Febre Amarela

criado em 01/02/2018 - atualizado em 08/10/2021 | 09:32

BANNER SITE 2 .png

 

A Prefeitura de Belo Horizonte tem executado medidas preventivas para proteger a população e minimizar o risco de transmissão da doença na capital. É importante informar que não há casos de febre amarela com transmissão ocorrida em Belo Horizonte. Os últimos casos confirmados em Belo Horizonte ocorreram em 2018, todos com história de viagem para outros municípios.

A vacinação ocorre em todos os 152 Centros de Saúde da capital assim como a intensificação das ações de combate ao mosquito Aedes aegypti, que pode transmitir a febre amarela em ambiente urbano. Além disso, a Prefeitura mantém o monitoramento da ocorrência de casos suspeitos da doença e de epizootias (morte de macacos), com a adoção imediata de medidas de controle. Diante de um caso suspeito ou ocorrência de morte de macaco, são intensificadas as ações de combate ao mosquito e realizada atualização do cartão de vacinação das pessoas que residem próximo ao local da ocorrência.

Vacina

A vacina é a principal forma de proteção contra a febre amarela e está disponível em todos os 152 Centros de Saúde de Belo Horizonte. Para ser vacinado é necessário apresentar documento de identificação e, se possível, o cartão de vacinação. Para crianças de 9 meses a 4 anos de idade são necessárias duas doses de vacina. Crianças entre 5 e 6 anos de idade que receberam uma dose da vacina antes de completarem 5 anos de idade deverão receber uma dose de reforço, respeitando o intervalo mínimo de 30 dias entre as doses. Para pessoas acima de 7 anos de idade e não vacinadas previamente, é necessária a administração de uma única dose da vacina.


 

Confira AQUI os endereços dos Centros de Saúde.

 


Quem deve se vacinar

A vacina é recomendada para pessoas a partir dos 9 meses de idade e que ainda não tenham recebido nenhuma dose. Atualmente a vacina também é recomendada para pessoas acima de 60 anos, gestantes e lactantes.


A vacina é contraindicada nesses casos:

  • Crianças menores de 9 meses de vida;
  • Pessoas com alergia grave ao ovo ou outro componente da vacina;
  • Portadores de imunossupressão grave;
  • Pessoas em uso de corticóide em doses elevadas;
  • Portadores das seguintes doenças: lúpus, artrite reumatoide, doenças de Addison e do Timo (miastenia gravis, timona).

 

Passeios em áreas verdes

Ao frequentar ambientes de mata e áreas verdes como parques ou reservas ecológicas, é necessário estar vacinado contra a febre amarela. Uma dose da vacina é o suficiente para se proteger da doença. Se você ainda não recebeu a vacina, é importante procurar o Centro de Saúde mais próximo e se imunizar 10 dias antes de frequentar áreas verdes.

 

Primatas não humanos (macacos)

Os primatas não humanos (macacos) não transmitem a febre amarela e não apresentam riscos para a população. Os animais doentes ou mortos que são encontrados, consiste em um evento sentinela, ou seja, fato precursor de grande valor para que as ações de intervenção na vigilância da febre amarela sejam implementadas. Caso o morador encontre um macaco morto próximo da sua residência ou trabalho, deve ser feito o pedido de recolhimento à gerência de zoonoses das regionais, nos seguintes telefones:
 

Gerência de Zoonoses

 Telefone

Centro-Sul

 3277-6357

Barreiro

 3277-5917 / 5920

Nordeste

 3277-6234 / 6226

Leste

 3277-4313 / 9732

Norte

 3277-7382 / 7967

Noroeste

 3277-7648 / 4583

Pampulha

  3277-7919

Oeste

 3277-7021 / 6853

Venda Nova

 3277-5446 / 5538

 

Nota Técnica 04/2017: Fluxo Assistencial de Pessoa com Suspeita de Febre Amarela na Rede SUS-BH

Nota Técnica 05/2017: Atualização da Indicação de Vacina de Febre Amarela para Residentes de Belo Horizonte