Pular para o conteúdo principal

Central de Internação

atualizado em 30/09/2019 | 10:12

A Central de Internação – CINT foi criada pelo inciso II do art. 1º do Decreto n.º8.984, de 11 de novembro de 1996. É unidade gerencial da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte, vinculada à Diretoria de Regulação de Média e Alta Complexidade – DRMAC. Classificada como uma unidade de urgência e emergência de acordo om o estabelecido no Decreto 12.925 de 1º de novembro de 2007, funciona ininterruptamente nas 24 horas dos sete dias da semana, inclusive feriados.

A CINT é um instrumento de regulação centralizado do processo de produção de internações da cidade de Belo Horizonte, contribuindo para o acesso aos procedimentos eletivos e de urgência e, portanto, colaborando para a garantia da equidade aos usuários do SUS.

A CINT desenvolve três grandes processos de trabalho:
• Autorização de todas as internações que acontecem no Município, aproximadamente 264.000 por ano;
• Transferência de pacientes de serviços de saúde, principalmente portas de urgência, para leitos de retaguarda ou outros serviços de urgência de maior complexidade, elegendo prioridades para nortear esta atividade;
• Recebimento, priorização e gerenciamento das filas de espera de cirurgias eletivas, cerca de 55.000 novos pedidos por ano.

A CINT também alimenta a gestão de saúde municipal com informações para decisões sobre abertura de novos leitos, monitoramento da contratualização dos hospitais, rediscussão de tabela específica de eletivas, monitoramento de epidemias a partir das internações, etc.

A CINT faz parte da rede de regulação estadual, recebendo casos de todos os municípios, tanto no fluxo eletivo como de urgência. Esta ligação é feita através de sistemas informatizados, seguindo-se as referências regionais e pactuações entre os gestores de saúde (PPI). Para exercer suas atividades a CINT conta com uma equipe de plantão e de retaguarda.

Para o plantão a composição são 2 médicos, 1 enfermeiro e 17 teledigifonistas por turno (reduzida para 10 teledigifonistas à noite). Há uma retaguarda de médicos, enfermeiros, teledigifonistas e pessoal administrativo para atividades de regulação de cirurgias eletivas, acompanhamento de filas prioritárias de urgência e marcações de consultas e exames visando a diminuir a necessidade de internações.