Pular para o conteúdo principal

EBOLA

atualizado em 09/05/2018 | 13:53

A doença do vírus Ebola, conhecida anteriormente como febre hemorrágica Ebola, é uma doença grave, muitas vezes fatal, com taxa de letalidade que pode chegar até os 90%. A doença afeta os seres humanos e primatas não-humanos, como macacos, gorilas e chimpanzés. Não há registro de casos de ebola no Brasil.

A transmissão do Ebola se dá pelo contato de mucosas ou pele não-íntegra com secreções
corpóreas de um paciente que já apresenta sintomas: sangue, fezes, urina, vômito, suor, secreções respiratórias que constituem risco. Não há transmissão por via respiratória, mas há risco se houver contato da saliva com mucosas ou pele não-íntegra. Há transmissão também pelo contato com sangue, secreções, tecidos ou carcaças de animais silvestres (principalmente primatas não-humanos e morcegos), contato com materiais contaminados com secreções (agulhas, peças de vestuário), contato com cadáveres ou animais mortos previamente infectados.

O período de incubação, ou o intervalo de tempo entre a infecção e o início dos sintomas, pode variar de um até 21 dias. Os pacientes tornam-se contagiosos apenas quando começam a apresentar os sintomas, portanto não são contagiosos durante o período de incubação. A confirmação dos casos de Ebola é feita por exames laboratoriais específicos e a coleta deve ser realizada apenas no hospital de referência.

O quadro clínico é assim descrito: febre, fraqueza, mialgias, cefaleia, dor de garganta, dor abdominal, vômitos, diarreia, podendo evoluir com erupção cutânea, dispnéia, disfunção hepática e renal e hemorragias em vários sítios.

Atualmente, não há vacina para a doença do vírus Ebola. Diversas vacinas estão sendo testadas, mas nenhuma delas está disponível para uso clínico, no momento. 

O serviço de saúde público ou privado que atender um caso suspeito de Ebola deverá isolar o paciente, adotar os procedimentos de biossegurança e notificar imediatamente o CIEVS-BH (por meio do distrito sanitário de referência de 8 às 18h; ou diretamente pelo telefone 98835-3120 no período noturno, finais de semana e feriados) para orientações e instituição das medidas pertinentes. 

Para maiores informações, acesse os materiais abaixo.
 

cartaz-ebola-fluxo-profissional-2014.jpg

cartilha_ebola_medidas_prevencao_controle_2014.jpg

protocolo-ebola-vigilancia_manejo_DVE.jpg

 

nota_tecnica_ebola_jan_2014.jpg