Pular para o conteúdo principal

CHIKUNGUNYA

atualizado em 14/03/2018 | 17:36

A Febre de Chikungunya é uma arbovirose causada por um vírus RNA que pertence ao gênero Alphavirus da família Togaviridae. O nome Chikungunya significa “aqueles que se dobram”, descrevendo a aparência encurvada dos pacientes que desenvolvem artralgia intensa. O vírus foi isolado pela primeira vez em humanos na epidemia da Tanzânia em 1952-1953. Outros surtos ocorreram na África e na Ásia durante as décadas de 60 e 70.

O vírus Chikungunya teve a capacidade de emergir em novas áreas muito rapidamente devido à presença de mosquitos vetores competentes e hospedeiros susceptíveis, o que aumentou o risco de transmissão endêmica do vírus nas Américas, chegando ao Brasil no ano de 2014, onde foi detectada a circulação autóctone em três Unidades Federativas do país.
Em dois estados ocorreram surtos da doença, no Amapá e na Bahia, e em Mato Grosso do Sul houve detecção do vírus de forma autóctone, mas com menor intensidade. 

Em Belo Horizonte, o primeiro caso confirmado importado da Febre de Chikungunya ocorreu no ano de 2014. Já os primeiros casos registrados autóctones ocorreram em 2016. Entre os anos de 2014 a 2017 foram notificados 469 casos suspeitos da doença, desses foram confirmados 159 casos (33,9%), sendo 83 importados, com história de viagem no período de 15 dias que antecederam o início dos sintomas e 76 casos autóctones, que se infectaram no município. Os outros 310 casos (66,1%) foram descartados após investigação.

Para mais informações, acesse os materiais abaixo.

Informe Técnico para Profissionais de Saúde Chikungunya
Folder Chikungunya
Cartaz Fluxograma Chikungunya