Pular para o conteúdo principal

Auditoria Independente do Transporte Público

atualizado em 21/12/2018 | 11:52

Depois de seis meses de trabalho e a análise de mais de 104 mil documentos, a empresa Maciel Consultores, responsável pela auditoria e verificação independente das contas das empresas de transporte de passageiros por ônibus de Belo Horizonte, apresentou os resultados.

 

COMO FOI FEITA A AUDITORIA

A auditoria fez a verificação contábil das quatro concessionárias do serviço de transporte público de Belo Horizonte com extensão ao TRANSFÁCIL, abrangendo os últimos quatro anos, de 2013 a 2016. Foi analisado o fluxo de caixa para os 20 anos de contrato com avaliação da Taxa Interna de Retorno (TIR) das concessões, a partir de custos, receitas e investimentos apurados mês a mês, demonstrando seu impacto na tarifa. Foi feita também uma avaliação dos atuais instrumentos de controle utilizados pela BHTRANS e Prefeitura com propostas de melhorias. 

 

DOCUMENTOS ANALISADOS

Entre os mais de 104 mil documentos analisados estão:

Contratos de concessão

Balancetes

Extratos Bancários,

Notas fiscais de bens patrimoniais,

Repasse de adiantamentos,

Relatórios de comercialização,

Notas fiscais de compra de pneus,

Recapagem combustíveis e frotas,

Laudos de garagem,

Acordos coletivos

IPVAs,

Contratos de Seguros, entre outros.

 

O trabalho verificou as notas fiscais apresentadas pelos concessionários e sua relação com a produção de transporte. Comparou, por exemplo a quantidade de litros de óleo diesel com a quilometragem percorrida pelos ônibus, considerando o perfil da frota e os coeficientes de consumo.

 

ETAPAS DO TRABALHO DA AUDITORIA

 

ETAPA 1: Planejamento das atividades

ETAPA 2: Auditoria independente contábil dos 4 Consórcios e Transfácil

Produção de um relatório de verificação independente sobre as receitas, custos e investimentos referentes ao período de 2013 a 2016. E o relatório de diagnóstico contábil referentes ao mesmo período, contendo todas as faltas de controles juntamente com as recomendações de melhoria.

ETAPA 3: Apuração do Demonstrativo de Resultado (DRE) e do Fator X

Produção de um relatório para apurar as Demonstrações de Resultado do Exercício (DRE) do quadriênio de 2013 a 2016 nas concessionárias. O objetivo é ter um único demonstrativo, a ser utilizado no cálculo do Fator X. A partir do fator X é possível determinar os ganhos de produtividade obtidos, pelas concessionárias e pelo sistema, através da racionalização dos custos operacionais, eficiência gerencial, aumento das receitas alternativas, entre outros.

ETAPA 4: Fluxo de Caixa e avaliação da Taxa Interna de Retorno.

Construção do fluxo de caixa das concessões, mês a mês para o período de 20 anos de vigência dos contratos. Obtenção da TIR, Taxa Interna de Retorno, de cada empresa e também do conjunto de todo o sistema. de transporte público coletivo por ônibus de Belo Horizonte. O objetivo foi apurar o impacto de todas variantes na composição da tarifa.

ETAPA 5: Padronização do Plano de Contas

Proposta de uniformizar o plano de contas entre as concessionárias e consorciadas com intuito de facilitar a troca de informações.

ETAPA 6: Auditoria e Avaliação dos atuais controles das concessões realizados pela BHTRANS e Prefeitura.

Análise dos processos e procedimentos utilizados pela BHTRANS e Prefeitura para as verificações e controle das concessões e atendimento às necessidades das obrigações contratuais, apontando possíveis deficiências e as respectivas melhorias de Procedimentos.

ETAPA 7: Finalização das Atividades

ETAPA 8: Reuniões de acompanhamento