Pular para o conteúdo principal

Projeto para construção da política de logística urbana

atualizado em 06/02/2018 | 10:38

Para concretizar o atendimento ao decreto que instituiu o PlanMob-BH e também a Lei Federal da Mobilidade 12.587, que instituiu as Diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana e determinou que os Planos de Mobilidade Urbana sejam integrados e compatíveis com os respectivos planos diretores das cidades, em outubro de 2014, a BHTRANS constituiu um grupo de estudos formado por funcionários de diversas áreas da empresa para estudar e elaborar a Política de Logística Urbana de Belo Horizonte,  como ação do Projeto Política de Logística Urbana.

 

O objetivo deste projeto é resgatar o conhecimento desenvolvido pela BHTRANS e parceiros em estudos anteriores na área de logística urbana, assim como fazer uma revisão dos estudos mais recentes disponíveis na bibliografia nacional e internacional, a fim de analisar e rever as políticas praticadas atualmente, propor soluções inovadoras para discussão e articulação com os agentes da cadeia de abastecimento e identificar estudos a serem produzidos para desenvolver o banco de dados que possibilitem decisões cada vez mais acertadas sobre o tema.

 

macro diagrama com as etapas do projeto de logística urbana.
Macro diagrama com as etapas do projeto de logística urbana.

 

As propostas contidas no documento preliminar foram apresentadas no Workshop Internacional de Mobilidade Urbana, que ocorreu em março de 2015. Este evento foi viabilizado pelo Projeto Solutions, que tem como objetivo promover o intercâmbio de experiências entre Bremen, na Alemanha, e Belo Horizonte, Minas Gerais, e que, dentre outras áreas da mobilidade urbana, trata também da logística urbana.

 

Estamos na fase da consulta pública, na qual a sua colaboração e opinião são muito importantes para a elaboração de uma política eficaz que atenda todos os agentes da cadeia de abastecimento.

 

Em paralelo a esta etapa, estamos visitando instituições e empresas tentando incentivar a participação na consulta pública para que, nas câmaras temáticas (próximo passo), possamos refletir sobre o seu resultado e, em conjunto com os agentes da cadeia de abastecimento, elaborar uma carta de compromisso com as diretrizes acordadas.