Pular para o conteúdo principal

Mirante do Mangabeiras

criado em 25/02/2018 - atualizado em 25/08/2022 | 11:19
Mirante do Mangabeiras
Orientações

1. O Mirante do Mangabeiras funciona de terça-feira a domingo, das 9h às 18, podendo, excepcionalmente, sofrer alterações a critério da Fundação de Parques Municipais e Zoobotânica (FPMZB).



2. Fora do horário estabelecido no item anterior somente será permitido o ingresso no Mirante:

a) de autoridades civis e militares desde que previamente autorizados;

b) de servidores lotados ou contratados na FPMZB, desde que no desempenho de suas funções e identificados;

c) de pesquisadores, acadêmicos, organizadores de eventos ou seus contratados, que exerçam no Mirante atividades temporárias, desde que previamente autorizados pela FPMZB.



3. A entrada e permanência no estacionamento é permitida somente para veículos com idosos e pessoas com necessidades especiais, devidamente credenciados pela BHTRANS, conforme Lei Federal n.º 9.503 (Resolução 123456/07).

ATENÇÃO: O bom senso deverá prevalecer nos casos de pessoas que visivelmente tenham alguma dificuldade de locomoção (grávidas, idosos ou alguma imobilidade temporária – fraturas) e que não possuem a credencial. Nesses casos pode-se autorizar a entrada para embarque/desembarque no interior do Mirante desde que o condutor não estacione o veículo no local. 



4. É proibido, a qualquer tempo, o ingresso ou permanência de vendedores, camelôs, ambulantes ou qualquer pessoa que pretenda ingressar no Mirante para praticar qualquer tipo de comércio.



5. É permitida a entrada de bicicletas, skates e patins, mas não é permitido o uso dentro do Mirante.



6. É permitida a entrada de cães e gatos somente com coleira e guia.

ATENÇÃO: o proprietário é responsável pelo recolhimento dos dejetos de seus animais e pelo seu descarte nas lixeiras.



7. No interior do Mirante do Mangabeiras, NÃO É PERMITIDO:

a. Estacionar motocicletas;

b. Colher flores, mudas ou plantas em geral, capturar insetos e outros animais;

c. Usar alto falantes ou outros aparelhos para amplificação de som, excetuando rádios e gravadores portáteis, desde que sua utilização não incomode os demais usuários;

d. Realizar eventos ou filmagens para fins publicitários ou comerciais sem autorização. As solicitações devem ser feitas pelo e-mail: usopublicoparques@pbh.gov.br.


e. Comercializar qualquer mercadoria;

f. Acender fogueiras, churrasqueiras ou soltar fogos de artifício (devido ao risco de incêndios florestais);

g. Veicular ou distribuir material publicitário sem autorização expressa da FPM

Histórico

O Mirante do Mangabeiras surgiu sem a proposta de ser um ponto turístico. Localizado na praça Ephigenio Salles, numa área obtida pelo jornalista Acílio Lara Resende, em regime de comodato com Companhia de Desenvolvimento Urbano de Belo Horizonte (Codeurb), que pertencia ao Estado, dona do terreno, o espaço era apenas uma rua sem saída, onde, em 1976, foi implantada a Rádio Jornal do Brasil, a primeira emissora FM, ou seja, com frequência modulada, de Belo Horizonte. O prédio da rádio foi edificado pela Construtora Walter Coscarelli. O responsável técnico pelas instalações da emissora foi o engenheiro português Carlos Barradas. O engenheiro responsável aqui, a partir do seu funcionamento, era também português e se chamava Eduardo Matos Corrêa. Ao lado do prédio da Rádio, foi instalada, também, uma estação de meteorologia, que ficou também bastante conhecida. A “pracinha” do Mirante (assim era chamada) foi feita por Acílio Lara Resende, mas sob a orientação de Achiles Paz, já falecido, que, sentado ao lado do tratorista, ia dando as coordenadas.


Aos poucos funcionários da emissora encantados com a vista foram apresentando aos parentes e amigos, e o espaço foi reconhecido como atração turística da Cidade. Durante muito tempo, o Mirante foi chamado de “Alto das Mangabeiras”. Depois, “Mirante do Mangabeiras”.


No começo da década de 80, o Grupo JB criou a Rádio Cidade, dedicada ao público jovem, e, apesar do grande sucesso, a Rádio Jornal do Brasil de Belo Horizonte transformou-se em Rádio Cidade. Por este motivo, o Mirante também ficou conhecido por Praça Rádio Jornal do Brasil e Mirante da Rádio Cidade.


Em 1988, um projeto premiado pela Associação Brasileira de Ensino em Arquitetura, propunha a revalorização do mirante com a construção de um restaurante panorâmico.


Em 1991 foi realizada uma licitação entre nove grupos de arquitetos, o projeto selecionado tinha como proposta oferecer aos visitantes “uma perfeita contemplação da cidade”. O projeto faria referências a atrativos turísticos da cidade e estava previsto para três etapas: a recuperação da praça existente (Praça Rádio Jornal do Brasil), construção de uma lanchonete e construção de uma segunda praça, atrás da Rádio Cidade, que terminaria com um deck.


No ano de 1992, os ambulantes com o apoio dos visitantes elaboraram, em vão, um abaixo-assinado solicitando a instalação de banheiros químicos pelo menos nos finais de semana.


A primeira reforma do Mirante ocorreu em junho de 1994, onde a prefeitura reconstruiu os pisos, passeios, instalou lixeiras e colocou revestimentos de cerâmica nos balcões de proteção. A reforma foi realizada pela empreiteira Itamaracá, vencedora do processo de licitação.


Em 2006, o prédio da emissora foi demolido.


Em 2012, a Fundação de Parques Municipais passou a administrar este espaço e promoveu sua requalificação, reabrindo-o no dia 20 de outubro.

Contato
Mirante das Mangabeiras

 

Rua Pedro José Pardo, 1.000/ Mangabeiras

Contato: 3277-8277

Visita virtual

Não pode vir ao Mirante do Mangabeiras ? Não tem problema. Você também pode conhecer este espaço de forma virtual, no Portal Minas Gerais. Confira!

 

*Material cedido pela Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais


 

REGULAMENTO DE USO