Pular para o conteúdo principal

Jardim de flores e cores

atualizado em 27/03/2018 | 08:48

jardim_de_flores.jpg

Este jardim é composto por espécies herbáceas, arbustivas e arbóreas que florescem em diferentes períodos do ano. Os maciços de flores de ciclos de vida curtos são trocados periodicamente a fim de apresentar ao público diferentes combinações de cores e formatos. As plantas aí cultivadas têm origem em várias partes do mundo e geralmente são conhecidas por serem utilizadas em jardins residenciais e públicos. São plantas cuja reprodução se dá por sementes, bulbos, estacas ou divisão de touceiras e que atraem borboletas, besouros, beija-flores e outros animais polinizadores.

 

Algumas das espécies ocorrentes:

 

 

Petúnia

petunia.jpg

Nome científico: Petunia x hybrida (P. axillaris x P. integrifolia – ambas da Argentina), Solanaceae
Origem: Argentina
Descrição: Ervas muito floríferas de variados tons e formas (anãs ou compactas). Podem ser cultivadas a pleno sol formando maciços ou em vasos e jardineiras. Aprecia o frio mas se adapta bem ao clima mais tropical. Sua reprodução se dá por sementes e podem ser cultivadas durante todo o ano.

 

 

Cravo de defunto


cravo.jpg

Nome científico: Tagetes erecta, Asteraceae
Origem: México
Erva de cheiro forte, característico, com flores de cores intensas que vão do amarelo ao alaranjado, lembrando cravos. Muito rústica, pode ser cultivada em todo tipo de clima sendo também considerada nematicida. (combate nematóides)

 

 

Sálvia


salvia.jpg

Nome científico: Salvia splendens, Lamiaceae
Origem: Brasil
Descrição: Erva extremamente decorativa, de flores vermelhas reunidas em espigas terminais. Ótima para formar bordaduras ou maciços a pleno sol. Pode ser podada para revigorar a planta e torná-la mais durável.

 

 

Agapanto


agapanto.jpg

Nome científico: Agapanthus africanus, Agapanthaceae
Origem: África do Sul
Erva de folhas laminares e inflorescências globosas e altas de cor lilás a brancas, muito usadas como flor de corte pela sua durabilidade. 



Zínia


zinia.jpg

Nome científico: Zinnia peruviana, Asteraceae
Origem: Argentina, Bolívia, Equador, Guatemala e México
Erva anual de folhas simples e flores de diversas cores, simples ou dobradas. Geralmente cultivada para flor de corte, embora também seja adequada para maciços e bordaduras a pleno sol. Multiplica-se por sementes.

 



Verbena


verbena.jpg

Nome científico: Verbena hybrida, Verbenaceae
Origem: América do Sul
Grupo de herbáceas produzidas por hibridação entre várias espécies. Possuem flolhas denteadas e inflorescencias terminais vermelhas, roxas, brancas ou listradas produzidas durante todo o ano. Podem ser cultivados a pleno sol, compondo maciços ou bordaduras de canteiros.

 

Sanvitália, margaridinha

Nome científico: Sanvitalia procumbens, Asteraceae
Origem: México
Erva rasteira que produz ao longo de todo o ano muitas flores pequenas, amarelas com o centro enegrecido. Adequada para formar bordaduras, esta erva se reproduz facilmente por estacas ou sementes. Sua rusticidade permite que seja cultivada em todo o tipo de clima.

 

Quaresmeira

Nome científico: Tibouchina granulosa, Melastomataceae
Origem: Brasil
Descrição: Árvore característica da Mata Atlântica de tamanho moderado. Suas folhas são verde escuras, um pouco ásperas e com nervação em curva como é padrão para esta famílila botânica. As flores, de um roxo intenso, podem surgir durante todo o ano, mas especialmente na época da quaresma, por isso o seu nome popular.

 

Manacá de cheiro 

Nome científico: Brunfelsia uniflora, Solanaceae
Origem: Brasil
Arbusto muito florífero, nativo do Brasil. As flores muito perfumadas ficam nas pontas dos ramos e possuem tons azul violeta ao se abrirem que depois vão clareando até se tornarem completamente brancas. Multiplica-se facilmente por sementes ou pelas mudas que surgem de suas raízes.

 

Urucum

Nome científico: Bixa orellana, Bixaceae
Origem: Brasil, região amazônica até a Bahia.
Árvore de baixo porte que ocorre na floresta pluvial ao longo dos rios, largamente cultivada e utilizada pelos indígenas nos rituais religiosos, como repelente de insetos. Suas sementes condimentares são muiot usadas na culinária brasileira. Possui belas flores rosadas e frutos característicos com superfície espinhosa, de cor marrom avermelhados.

 

Trepadeiras



Jade

Nome científico: Strongylodon macrobotrys, Fabaceae
Origem: Filipinas
Trepadeira lenhosa de caule torcido e folhagem densa. As flores chamam atenção pela coloração e forma e estão dispostas em inflorescências alongadas e pendentes, perfeitas para embelezar caramanchões e pérgolas.

 

Cipó de São João

Nome científico: Pyrostegia venusta, Bignoniaceae
Origem: Brasil
Trepadeira lenhosa de ramagem densa encontrada na natureza cobrindo barrancos, campos e cercas de pastagens. Floresce vigorosamente no mês de junho quando se cobre de flores alaranjadas, servindo de enfeite para as festividades de São João.

 

Clerodendro, coração sangrento

Nome científico: Clerodendron x speciosum, Lamiaceae
Arbusto escandente com flores vermelhas e cálices rosados,muito vistosas. Apropriada para regiões tropicais especialmente no revestimento de grades, cercas, muros e pórticos.