Pular para o conteúdo principal

Parque Municipal Fazenda Lagoa do Nado

atualizado em 25/02/2018 | 10:17

images (42)_0.jpg


Localizado na região norte de Belo Horizonte, entre os bairros Planalto e Itapuã, o Parque Municipal Fazenda Lagoa do Nado possui uma área de aproximadamente 311 mil metros quadrados e foi implantado em 1994. Com uma infraestrutura composta por biblioteca, sala multimeios, teatro de bolso, teatro de arena, quadras poliesportivas, campo de futebol, pista para caminhadas e viveiro de mudas, o parque realiza diversas atividades de educação ambiental, cultura e esporte com o apoio da Fundação Municipal de Cultura e da Secretaria Municipal de Esportes. 


Sua vegetação é composta por espécies do Cerrado e por uma Mata Ciliar que circunda uma lagoa de 22 mil metros quadrados, formada pelo represamento de três nascentes. O córrego do Nado é um afluente do córrego Vilarinho, que deságua no ribeirão do Onça, unindo-se ao rio das Velhas, integrante da bacia do rio São Francisco. 


Pesquisadores da UFMG identificaram no local cerca de 130 espécies de árvores, sendo 75% nativas, com destaque para o ipê, aroeira branca, urucum, jatobá, barbatimão, quaresmeira e goiaba brava. 


Dentre os animais de sua fauna pode-se citar aves, como pica-pau, biguá, coruja, frango d’água, anu, alma de gato, trinca ferro e mamíferos, como mico-estrela, gambá, esquilo-caxinguelê, tatu, morcego, além de lagartos, cágados, anfíbios e peixes. 


Horário de funcionamento: de terça-feira a domingo, das 8h às 17 horas. 
Localização: Rua Desembargador Lincoln Prates, 240, Bairro Itapoã. 
Informações: 3277-7883 / 3277-7321 
Entrada gratuita.


História do Parque


images (43).jpg


No final do século XIX, uma intensa movimentação de tropeiros e mercadores originários da Bahia e do Norte de Minas utilizavam o distrito de Venda Nova como entreposto comercial em suas rotas rumo ao Curral Del Rey, Sabará e Rio de Janeiro. Aproveitando a parada, descansavam, lavavam suas roupas e banhavam-se às margens de um riacho de águas límpidas da redondeza. A ele deram o nome de córrego do Nado. 


A área hoje ocupada pelo Parque Municipal Fazenda Lagoa do Nado era, até na década de 60, uma parte da Fazenda Engenho Córrego do Nado, de propriedade da família do ex-prefeito de BH, Américo René Giannetti. Nesta época, o uso da área era restrito à família e aos seus amigos. Com a ocupação dos bairros e a chegada da urbanização na década de 60, a Fazendinha Janete, como era chamada localmente, foi caindo no abandono até que, no início dos anos 70, crianças e jovens da região começaram a utilizá-la como área para recreação e lazer. 


A primeira vez que se falou na construção de um parque foi em 1973, por meio de um decreto, que indicava a desapropriação da área e previa a destinação do espaço para a "construção de um parque ou qualquer obra de interesse público". Entretanto, em 1981, um decreto estadual desapropriou a área destinando-a à construção de um conjunto habitacional. Iniciaram-se as mobilizações da comunidade local e as primeiras manifestações a favor da implantação do Parque Municipal Fazenda Lagoa do Nado, resultando no surgimento da Associação Cultural Ecológica Lagoa do Nado (ACELN), ONG que liderou as negociações para criação definitiva do parque. 


Em1982, foi promovida a primeira Festa da Lagoa do Nado, evento organizado pela ACELN, com uma programação que oferecia cursos, oficinas, shows e debates, afim de incentivar mais participação da comunidade em busca de apoio para a criação do parque. A partir deste dia, todas as festas organizadas pela Associação passaram a ter um caráter de manifestação, mobilizando os moradores do entorno, artistas, ambientalistas, poder público, entidades civis e igrejas. 


Em 1984, uma lei municipal autoriza a compra do terreno da antiga fazenda pela Prefeitura de Belo Horizonte para a construção de um parque público, mas somente em 1994 o Parque Municipal Fazenda Lagoa do Nado foi inaugurado. Com sua infra-estrutura, o parque cumpre os objetivos pretendidos pela comunidade de conservação da paisagem e da biodiversidade; formação e difusão cultural; educação ambiental; lazer contemplativo e práticas esportivas.

Ouça este conteúdo