Pular para o conteúdo principal

Secretaria Municipal de Educação

.

 

Ensino Remoto nas Escolas Municipais da RME /BH

A Rede Municipal de Educação compreende todas as escolas municipais de nossa cidade, bem como instituições aliadas importantes, como as creches parceiras. Nesses tempos difíceis pelos quais todos(as) estamos passando, essa heterogeneidade manifestou-se de forma rica e instigadora. Nossas escolas reinventaram-se, descobriram talentos, superaram desafios e colocaram em prática novas formas de aprender e ensinar. Confira abaixo práticas de destaque das escolas da RME-BH.

Práticas de destaque do ensino remoto nas escolas municipais da RME/BH

A leitura não para na Escola Municipal Minervina Augusta

A Escola Municipal Minervina Augusta tem se destacado no ensino remoto, utilizando a biblioteca online, disponibilizando livros de domínio público para várias faixas etárias e favorecendo que os(as) alunos(as) tenham livre acesso às obras. Portanto, mesmo durante a pandemia, o acesso à leitura não ficou prejudicado, dessa forma, os(as) alunos(as) foram incentivados a manter os hábitos de leitura.


Premiada, a escola já se destacava por sua organização e pelo incentivo à literatura, porém viu seus desafios aumentarem com o distanciamento decorrente da pandemia. O que parecia um grande problema transformou-se em uma oportunidade. Através da direção, a escola criou sua própria biblioteca no Google drive, acessível e organizada detalhadamente por gêneros e faixas etárias.


Luciana Mendonça, diretora da escola, explicou que o projeto foi realizado através do Assistente Educacional Getúlio Costa, na intenção de facilitar o acesso à leitura durante o isolamento social. A educadora também afirmou que o principal benefício é que, através da biblioteca, os(as) professores(as) podem realizar atividades e os(as) estudantes podem ler em qualquer lugar, por meio de aparelhos conectados à internet. 

 

Lives extraclasse na EM Gracy Vianna Lage

A escola Gracy Vianna Lage é um exemplo de como as redes sociais podem ser utilizadas para estreitar laços e promover uma educação de qualidade, em tempos tão difíceis. Percebendo um impasse da comunidade escolar com o acesso a alguns conteúdos, a plataforma YouTube foi o local ideal para desenvolver um projeto de lives.


Por meio de seu canal na rede social, que já conta com pouco mais de 500 inscritos e quase 700 participantes ao vivo, a escola tem levado aos  estudantes e familiares momentos de reflexão sobre assuntos importantes, atuais e enriquecedores para a formação de toda a comunidade escolar.


Alguns dos temas já debatidos incluem questões étnico-raciais na estrutura de nossa sociedade e prevenções para o período pandêmico. Mais recentemente, em homenagem ao dia internacional da mulher, uma série de lives acerca da valorização da mulher na sociedade em que vivemos recebeu destaque no mês de março.


Além disso, com a finalidade de sempre enriquecer os debates, a escola convida pessoas de fora da comunidade escolar para trazer novos pontos de vista e uma formação mais precisa. Juízes, médicos do posto de saúde do bairro, jovens engajados, professores e vereadores já marcaram presença nas lives.

Visitando o canal https://youtube.com/c/GracyViannaLage, você poderá encontrar as lives aqui citadas e muitos outros conteúdos, visando uma formação de qualidade.

 

Livreto “Emoções” - professoras da EM Mestre Ataíde publicam depoimentos de estudantes

As irmãs Poliana Roberta e Tatiana Cristina, professoras da Escola Municipal Mestre Ataíde, organizaram o livreto “Emoções”, que apresenta depoimentos de estudantes dos sétimos anos sobre a pandemia. Ele foi produzido em dezembro do ano passado e reúne relatos de 12 alunos da escola, que descreveram as novas rotinas atípicas do período, bem como seus sentimentos. O diretor Dárley Antônio acompanhou o desenvolvimento do projeto e publicou o material em uma das redes sociais da escola.


Durante o recebimento dos textos, Poliana e Tatiana contam que ficaram satisfeitas com o diálogo estabelecido: “A leitura dos relatos pessoais nos aproximou novamente de nossos estudantes, e as duas professoras aqui, vibraram e se emocionaram”. Elas ainda complementam: “Carinho, respeito e alegria manifestaram-se durante as ligações telefônicas realizadas em prol da publicação do livreto Emoções”.


As professoras explicam que, com a pandemia, foram desafiadas a se reinventar, o que as levou a explorar diferentes recursos virtuais. Dessa forma, produziram um convite para os jovens e disponibilizaram um e-mail para o envio das atividades e de eventuais dúvidas.

Tatiana relata que a proposta do livreto visou dar espaço para os estudantes expressarem ideias, experiências e emoções. “Garantindo-lhes, em tempos da pandemia da Covid-19, inclusive, a preservação da saúde mental e autogestão, em face do distanciamento social”, concluiu. Já Poliana acredita que, para além de dar voz, a atividade possibilita que as competências socioemocionais, como a empatia e a iniciativa social, sejam mobilizadas.
leia o livreto “Emoções”.


Escolas da RME-BH desenvolvem ações de incentivo à leitura

A Escola Municipal Senador Levindo Coelho (EMSLC) e a Emei Sarandi destacam-se por desenvolver projetos de incentivo à leitura, inclusive durante o contexto pandêmico. Ações como a “Sexta Literária”, da EMSLC, apresentam livros aos estudantes por meio das redes sociais para estimular o hábito de ler enquanto eles não podem ter acesso às bibliotecas.


Durante a pandemia, a coordenação da EMSLC organizou uma rotina de postagens nas redes sociais, e dedicou as sextas-feiras para abordar literatura. O conteúdo é produzido pela professora de Língua Portuguesa, Marriene Freitas, que intercala publicações de dicas de leitura, contações de histórias e produções textuais dos alunos, com os livros disponibilizados nos kits literários.


Para a coordenadora, Mariana Gonçalves, esse movimento é importante para “valorizar e incentivar o estudante a ser um leitor, e até escritor”. Marriene ressalta que a “Sexta Literária” é importante para o reconhecimento das obras produzidas pelos alunos. “A ideia é passar uma mensagem de que é gostoso ler e isso enriquece o conhecimento”.


Na Emei Sarandi, a literatura é um dos eixos do projeto pedagógico. A diretora da escola, Mariana Yahweh, conta que, com o distanciamento social, a escola passou a utilizar as redes sociais para interagir com as famílias e incentivar a leitura, além de apresentar poemas durante as reuniões virtuais.


A diretora acredita que a arte é capaz de transformar a sociedade e, por isso, defende a importância de desenvolver essas ações: “A gente tem crianças com vários contextos socioeconômicos e o livro te faz viajar pelo mundo. Na literatura, você pode ser o que quiser”.

 

Rádio-escola e suas possibilidades pedagógicas

Os(as) monitores(as) do Programa Escola Integrada (PEI) desenvolvem atividades diversas com a comunidade escolar. Algumas dessas iniciativas são voltadas para a produção audiovisual, inspirando muitos profissionais da educação a criarem novos conteúdos para os(as) estudantes durante a pandemia.


A monitora Sandra Marques, jornalista, radialista e educomunicadora, ajudou a implementar rádios-escola nas instituições onde atuou. Na EM Governador Carlos Lacerda, onde trabalha atualmente, contribuiu para a criação da Rádio-Escola Lacerda, cuja programação era transmitida nos horários dos recreios e também de forma online. Hoje, com a pandemia do coronavírus, ela passou a funcionar apenas virtualmente.
Confira o site do projeto

Sandra também coordenou oficinas de formação, para orientar professores, estudantes e gestores a usarem o rádio como ferramenta pedagógica. “O rádio pode contribuir na construção da prática em que o estudante deve ser o protagonista e não apenas um mero espectador”, defende a monitora.


Outro projeto que aproxima rádio e educação é coordenado pelo monitor Elton Mendes, da EM Paulo Mendes Campos. Em parceria com os demais profissionais da escola, Elton criou uma oficina de rádio em 2013, cujos objetivos eram dar visibilidade aos estudantes e desenvolver projetos de literatura utilizando recursos de áudio. Em 2017, ele criou o site da Rádio Paulão, canal dedicado a publicar e difundir as produções dos estudantes.


Elton explica que o conteúdo veiculado é diverso. Já foram produzidas  radionovelas, rádiocontos escritos pelos estudantes, um projeto sobre mulheres na história, entre outras iniciativas. “É muito gratificante levar tudo que a gente já fez e chegar no ouvido de todo mundo”, relata ele.
Ouça a Rádio Paulão

 

 

Encontros com a Secretária
2021

Lançamento do Projeto Meta Educação

O Projeto Melhoria Estratégica e Tecnológica da Aprendizagem - “META EDUCAÇÃO” é um projeto desenvolvido dentro do Programa “APPIA Horizontes da Adolescência” para auxiliar no desenvolvimento de estratégias pedagógicas que visem atender, de forma eficaz e eficiente, os processos escolares junto aos estudantes e professores(as) do Ensino Fundamental, em relação às competências e habilidades nas áreas  de Língua  Portuguesa  e Matemática, incentivando novas metodologias de ensino, principalmente aquelas mediadas por tecnologias digitais. A reunião de lançamento aconteceu no dia 18 de janeiro de 2021. Confira o vídeo do evento.

 

 

Reflexões, práticas e formações: possibilidades pedagógicas para o fazer docente 

 

A Secretária Municipal de Educação foi a palestrante do encontro “Reflexões, práticas e formações: possibilidades pedagógicas para o fazer docente com público alvo os Professores, coordenadores pedagógicos, diretores, vice-diretores e demais profissionais da Educação”. Assista a palestra realizada no dia 08 de abril de 2021.

 

2020

Secretária Ângela Dalben debate o direito à Educação Infantil de qualidade em tempos de pandemia 

A secretária Municipal de Educação, professora Ângela Dalben, foi uma das convidadas para o XII Encontro Ampliado do Fórum Mineiro de Educação Infantil, para debater o tema “Direitos das crianças à Educação Infantil de qualidade: é possível propor um retorno às atividades neste contexto de pandemia no Brasil?”. O debate foi com Maria Malta Campos, pesquisadora/consultora da Fundação Carlos Chagas, e contou com a mediação de Lívia Fraga Vieira, professora da FaE/UFMG. A transmissão foi realizada pelo Canal DIRED UFLA, no dia 07 de julho de 2020. Confira!

 



Secretária Ângela fala sobre contextos possíveis na RME-BH frente aos impactos da COVID-19

 

A Secretária Municipal de Educação, professora Ângela Dalben, apresentou no dia 10/06/2020 o webinário “Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte e contextos possíveis frente aos impactos da COVID-19”, que foi transmitido pelo canal do Youtube da Prefeitura Municipal de Belo Horizonte. Confira!

 


Ângela Dalben na V Semana Acadêmica Virtual Letras e Pedagogia da Newton

 

A Secretária Municipal Ângela Dalben foi convidada para a V Semana Acadêmica Virtual de Letras e Pedagogia, organizada pelo Centro Universitário Newton Paiva. No evento, a secretária abordou os desafios enfrentados pela área educacional em tempos de isolamento social e destacou a importância da valorização do educador e as competências exigidas em tempos de transformação. A palestra foi realizada no dia 20/05. Confira o vídeo do evento.

 


Ângela Dalben comenta pontos importantes em entrevista à Revista Época

 

Em entrevista à Revista Época, a professora e atual secretária de educação do município, Ângela Dalben, esclarece porque a rede municipal de Belo Horizonte não adotou o regime remoto de ensino e comenta sobre o desafio de construir um ano letivo edificante para os alunos. A secretária também retoma o assunto das fortes chuvas que atingiram a cidade no início do ano e dá sua opinião sobre o projeto de lei “Escola sem partido”. Clique e confira a matéria completa.

 


Ângela Dalben fala sobre a escola e as famílias no contexto da COVID-19 em Webinar FUMEC

 

A Secretária Municipal Ângela Dalben foi convidada especial do Webinar FUMEC, para discutir as relações entre escola e família, no contexto do isolamento provocado pela Covid-19. O webinário foi realizado no dia 13/05. Confira o vídeo do evento.

 


Secretária Ângela Dalben fala sobre Educação Integral em tempos de crise

 

A Secretária Municipal de Educação, professora Ângela Dalben, participou do debate online realizado pelo Centro de Referências em Educação Integral. Em sua fala, a professora abordou como a Rede está enfrentando este momento, destacando os cuidados e a preocupação com as crianças, adolescentes, famílias e profissionais. A Secretária também ressaltou a importância de cuidar da nutrição dos estudantes e pontuou a relevância da ação de distribuição de cestas básicas para as famílias.
 
O debate aconteceu em 07 de maio. Confira o vídeo do evento.

 


Podcast - Sala de Professor recebe a secretária Ângela Dalben


A professora Ângela Dalben, secretária Municipal de Educação de Belo Horizonte, foi convidada especial no 4º episódio do podcast Sala de Professor. Na ocasião, a secretária falou sobre as ações da Rede Municipal de Educação no contexto de pandemia da Covid-19, além de comentar sobre pontos importantes em relação à educação pública brasileira, tais como: indicadores de qualidade, fragmentação do ensino e o papel da escola na vida das pessoas. O episódio foi ao ar no dia 20 de abril e você pode conferi-lo na íntegra!

 


Secretária Ângela Dalben grava vídeo para toda a RME-BH no dia da Páscoa

 

No dia 12/04/2020, motivada pelo dia de comemoração da Páscoa, a professora Ângela Dalben, dirigiu-se a todos(as) que compõem a Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte. Em um vídeo tocante, a Secretária falou sobre diversos pontos importantes com relação ao atual contexto de isolamento social, decorrente da pandemia da COVID-19. Um pedido especial se destacou, que foi o convite à reflexão, a um olhar atento e cuidadoso sobre nós mesmos e sobre o outro. Confira parte da mensagem da secretária:

"Nós, profissionais da educação, somos, antes de mais nada, observadores do desenvolvimento humano. Entendemos a importância do sentido e do significado dos conteúdos para os processos de aprendizagem. Assim, a minha mensagem de Páscoa é de reflexão. Para isso, precisamos, em primeiro lugar, refletir sobre nós mesmos, sobre o que estamos sentindo, experimentando, sobre os nossos medos, ansiedades, emoções, aprendizados variados. Precisamos entender a nós mesmos para entendermos o outro e acumular conhecimentos, aprendizagens, sistematizar e refletir sobre tudo isto que estamos passando. Essas reflexões permitirão conhecermo-nos mais e entendermos mais quem somos, que educadores somos, que pessoas queremos ser depois disso tudo. E o que nós, como sujeitos desse novo mundo, desejamos aprender e ensinar?” 

 

Confira o vídeo na íntegra.

Apresentações dos encontros

icone de pdf APPIA- Gestão da política educacional da Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte


icone de pdf Direito à Educação na RME-BH em tempos de pandemia


icone de pdf Meta Educação- Melhoria Estratégica e Tecnológica da Aprendizagem- 11.02.21

 

icone de pdf Meta Educação- Melhoria Estratégica e Tecnológica da Aprendizagem- 18.01.21

 

icone de pdf Percurso APPIA - Um olhar para a infância

 

ORIENTAÇÕES E DOCUMENTOS PARA O RETORNO DO ATENDIMENTO PRESENCIAL NAS ESCOLAS MUNICIPAIS

Plano Emergencial de Alfabetização (PEALFA ) para os(as)  estudantes do 1º ao 3º ano do ensino  fundamental da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte 

 

O Plano Emergencial de Alfabetização- PEALFA foi elaborado pela Secretaria Municipal de Educação-Smed para potencializar e consolidar o processo de letramento e alfabetização, numeramento e alfabetização matemática, para todas as crianças matriculadas do 1º ao 3º ano na Rede Municipal de Educação - RME/BH. O PEALFA tem foco no acompanhamento do desenvolvimento e da aprendizagem dessas crianças, baseado em avaliações diagnósticas e formativas e em orientações e materiais pedagógicos compartilhados pela equipe Appia: Um olhar para a Infância. Ele fundamenta-se na compreensão da alfabetização como direito de toda criança, bem como no entendimento de que este é um processo complexo, multifacetado, que exige sistematização, rotina, planejamento, acompanhamento e mediação pedagógica.

 

ícone pdf Plano Emergencial de Alfabetização (PEALFA)

 

Plano Pedagógico Remoto Emergencial - PPRE para os(as) estudantes do 4º ao 9º ano do ensino fundamental da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte


O Plano Pedagógico Remoto Emergencial - PPRE tem como objetivo favorecer o desenvolvimento do ensino e aprendizagem dos estudantes matriculados nas turmas de 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte (RME/BH), de modo a contribuir  na perspectiva da formação integral, em um contexto desafiador trazido pela pandemia, com atendimento educacional remoto e mediação presencial, com base no monitoramento contínuo das aprendizagens dos(as) estudantes atendidos(as) de modo a viabilizar maior intencionalidade das ações pedagógicas.

 


ícone pdf Plano Pedagógico Remoto Emergencial - PPRE para os(as) estudantes do 4º ao 5º ano do ensino fundamental da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte

 

ícone pdf Plano Pedagógico Remoto Emergencial - PPRE para os(as) estudantes do 6º ao 9º ano do ensino fundamental da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte

 

Peças gráficas - Secretaria Municipal de Educação elabora cartilha com orientações sobre retorno seguro às aulas no contexto de pandemia da  Covid-19 

Visando ao retorno das atividades presenciais da Educação Infantil, a Secretaria Municipal de Educação (Smed) elaborou diversos materiais para divulgar os protocolos a serem seguidos por profissionais da educação, estudantes e  responsáveis. Diante do contexto de pandemia da Covid-19, cuidados essenciais são necessários para que o retorno ocorra da melhor forma possível e com segurança.

 Materiais gráficos elaborados pela Smed 


Termo de responsabilidade - Smed prepara Termo de Responsabilidade para o retorno das atividades presenciais na Rede Municipal e Rede Parceira

Em atendimento ao “Protocolo de funcionamento, atividades presenciais em creches, escolas de Ensino Infantil, Fundamental e Médio”, publicado como anexo na Portaria SMSA/SUS nº 179/2021, a Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte preparou um modelo para o Termo de Responsabilidade, citado no  item 1.10 das orientações do Protocolo, que deverá ser assinado por pais/mães/responsáveis pelas crianças que retornam ao atendimento escolar presencial na Rede Municipal e na Rede Parceira, durante o contexto da pandemia da Covid-19.

 

Detalhamento dos protocolos - Entenda como funcionam os protocolos para o retorno das aulas presenciais da Educação Infantil 

Para atuar com transparência e clareza no retorno das atividades presenciais nas escolas de Educação Infantil e creches parceiras, a Secretaria Municipal de Educação, elaborou um documento detalhando todos os protocolos a serem adotados no retorno às aulas (Documento de Detalhamentos dos Protocolos). A Smed produziu também modelo de ficha de registro de limpeza (Controle de Limpeza do ambiente escolar), com o objetivo de garantir mais segurança a todos os indivíduos no ambiente escolar.

 

Perguntas Frequentes referentes ao funcionamento das Escolas Municipais no ano de 2021

 

ícone pdf Diálogos: Perguntas Frequentes da Educação Infantil - 2021


ícone pdf Diálogos: Perguntas Frequentes da Ensino Fundamental - 2021

 

**Documentos elaborados a partir de reunião realizada no dia 02 de Fevereiro de 2021 com as direções escolares.
 
APPIA: Política pedagógica da RME / BH 

appia

 

O Projeto “APPIA - Um Olhar para a Infância” transformou-se em uma política pública estruturante da Secretaria Municipal de Educação, no contexto das políticas de  expansão e consolidação da Educação Infantil na Rede Municipal de Educação em Belo Horizonte, no período de 2017 a 2019. Nesse contexto, a proposta  assumiu a perspectiva de integração entre as etapas de escolarização, – Educação Infantil e Ensino Fundamental – considerando as possibilidades de convívio, num mesmo espaço físico escolar, de crianças dos 4 aos 8 anos e os desafios advindos da implementação de uma nova perspectiva de organização de trabalho, envolvendo três dimensões: pedagógica, programática e política(1).


No que se refere à dimensão pedagógica, o projeto APPIA envolvia as demandas do processo de trabalho integrado e as necessidades evidenciadas para a construção de relações harmoniosas, efetivas e competentes  para o convívio entre sujeitos, processos  e resultados num mesmo espaço, permitindo e favorecendo a continuidade dos percursos escolares e o desenvolvimento das aprendizagens da criança.


Na dimensão programática, percebeu-se a demanda por levantar e mapear programas, projetos e ações direcionados especificamente a essa faixa etária, propostos pelas escolas,  pelo órgão central e por outros órgãos da gestão municipal, assim como as diferentes propostas curriculares para cada uma das etapas, incluindo a BNCC (BRASIL, 2018), o Currículo Mineiro (MINAS GERAIS, 2018) e as Proposições Curriculares  da Rede Municipal de Educação (BELO HORIZONTE, 2012).

 

Quanto à dimensão política, foi estabelecido o diálogo entre profissionais com formação inicial diferente, além de carreiras regidas por legislação específica. Esse diálogo foi ampliado na perspectiva intersetorial, trazendo à tona as demais políticas públicas que envolvem a rede de proteção de crianças nessa faixa etária, tais como: saúde, assistência social, alimentação e nutrição, esportes, cultura e segurança. 

 

Em 2020, no contexto da pandemia, novos desafios surgiram na perspectiva de diálogo entre os sujeitos estudantes e professores das diferentes áreas e níveis do percurso de escolarização. Nesse contexto, os princípios da política APPIA foram recontextualizados e a pertinência de replicá-los às demais fases do percurso escolar foram considerados fundamentais para o enfrentamento do momento, decidindo-se por sua ampliação em três dimensões: 


a) Programa APPIA  - Um Olhar para a Infância – abrangendo o grupo de estudantes de 0 a 8 anos de idade;


b) Programa APPIA - Horizontes da Adolescência – abrangendo o grupo de estudantes do 4º ao 9º anos,  que se encontram em fase de consolidação de conhecimentos específicos e por disciplinas nos anos finais do Ensino Fundamental;


c) Programa APPIA - Consolidando Projetos de Vida  - abrangendo os grupos da Educação de Jovens e Adultos (EJA), considerando as fases de alfabetização e certificação.


Nesse sentido, o projeto APPIA, que inicialmente se constituía por um conjunto de ações específicas e restritas às primeiras fases do processo de escolarização, passou, a partir de 2020, a ser considerado um conceito de formação e de percurso escolar com princípios e fundamentos para a política pública municipal de Belo Horizonte, objetivando:

 

a) garantir um trabalho pedagógico que procure reconhecer e dar centralidade às especificidades de crianças, adolescentes, jovens e adultos, nas diferentes etapas da Educação Básica, reconhecendo os pontos de interseção do percurso, de modo a proporcionar transições harmoniosas entre  elas, com o mínimo impacto, favorecendo uma trajetória contínua e de sucesso das aprendizagens escolares e das pautas da formação integral;


b) refletir sobre as possibilidades da construção conjunta de  propostas e projetos pedagógicos na escola, que integrem o currículo das diferentes etapas previstas na BNCC, viabilizando a realização de atividades coletivas entre estudantes e grupos de estudantes de idades diferentes, bem como promovendo o convívio nos diversos espaços da escola, garantindo direitos de aprendizagem numa perspectiva de formação integral.


Em síntese, a política APPIA considera os Percursos Curriculares e Trilhas de aprendizagem dos(as) estudantes da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, a partir dos conceitos de integração, de política pública educacional estruturante e de continuidade da escolarização sem interrupções. Os programas que compõem a política têm como objetivo articular e integrar as propostas pedagógicas das etapas/níveis de escolarização oferecidos pela Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte, na perspectiva de favorecer vivências escolares adequadas às idades de formação, considerando as infâncias, as adolescências, as juventudes e as vidas adulta e idosa.

 

 

(1) A opção pela investigação a partir das três dimensões da transição se deu em função do estudo do texto “Vendo a transição através de um novo prisma: um alinhamento pedagógico, programático e de políticas públicas”, de autoria da professora doutora Sharon Lynn Kagan e da orientação da mesma no whorkshop em Nova Iorque.

 

Notícias em Destaque