Pular para o conteúdo principal

Inventário das Árvores

Inventário das Árvores
Divulgação/PBH
atualizado em 19/01/2021 | 19:48

Estabelecer os melhores mecanismos de monitoramento e controle da arborização viária, tanto por parte da Prefeitura de Belo Horizonte, como pela Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG, reduzindo os custos de manutenção das árvores.
 

Os objetivos específicos são o desenvolvimento do Sistema de Informação do Inventário das Árvores de Belo Horizonte - SIIA-BH, para armazenar as coletas e arranjos de dados quantitativos, em campo, para formação da base do cadastro das árvores do município de Belo Horizonte; Fornecer suporte que permite aos órgãos da Prefeitura e à CEMIG acessarem essa base de dados, realizarem consultas, emitir relatórios e atualizar o acervo arbóreo com novas informações.
 

Além disso, a função do inventário é analisar e cadastrar de forma digital as mais de 500 mil árvores existentes na capital, o que permitirá antecipar, por exemplo, possíveis quedas de árvores, associando diversas informações para serem tomadas as medidas preventivas em cada caso.
 

O inventário começou a ser feito em 2011 em parceria com a Universidade Federal de Lavras. Até agora, 60% dele foi concluído, que são a catalogação de 300.000 árvores nas regiões Leste, Centro-Sul, Noroeste, Oeste e parte da Pampulha. Esse levantamento é feito em logradouros públicos. Atualmente, Belo Horizonte possui mais de um milhão de árvores (contabilizando árvores dentro dos parques e em logradouros públicos).
 

A Secretária Municipal do Meio Ambiente aguarda uma nova licitação para o término da execução do inventário. Estima-se que faltam ainda aproximadamente 200 mil árvores nas regiões Norte, Nordeste, Venda Nova, Barreiro e a parte faltante da Pampulha, nas ruas.
 

Vale ressaltar que o inventário não é um levantamento fitossanitário, ou seja, ele não traça a qualidade da árvore. Ele condiz onde aquela árvore está, largura do tronco, copa da árvore, que tipo de espécie e etc.