Pular para o conteúdo principal

Centro Municipal de Agroecologia e Educação Ambiental para Resíduos Orgânicos (Cemar)

Centro Municipal de Agroecologia e Educação Ambiental para Resíduos Orgânicos (Cemar)
Arte: SLU
atualizado em 08/03/2021 | 20:18

O local onde funcionava a antiga Estação de Reciclagem de Entulho da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU), no bairro Estoril, está dando lugar ao Centro Municipal de Agroecologia e Educação Ambiental para Resíduos Orgânicos (Cemar) – um novo espaço de convivência para a comunidade previsto para ser inaugurado em breve. O Centro ocupará uma área que, desde a desativação da estação, em 2012, estava degradada e com erosões.

 

O Cemar terá jardins, pomares, estufas, viveiros de mudas e plantas medicinais, pista de caminhada e uma academia a céu aberto. No local serão produzidos alimentos, sementes e insumos que poderão ser usados nos sistemas agroecológicos da cidade.

 

Outra novidade será o jardim sensorial, formado por plantas com características que despertam outros sentidos além do paladar, como o tato e o olfato. O jardim terá uma proposta inclusiva com os canteiros mais altos, para facilitar o acesso aos cadeirantes. O Centro abrigará também um projeto educativo, focado nas boas práticas relacionadas à alimentação e aos resíduos orgânicos.

 

A recuperação do terreno já foi feita pela Prefeitura, com a contenção da erosão e a limpeza das canaletas de drenagem. A pista de caminhada também já está pronta. O empreendimento é uma parceria entre a SLU, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e a Secretaria de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania, por meio da Subsecretaria de Segurança Alimentar e Nutricional.

 

Toda a produção e as oficinas educativas terão como premissa o ciclo do resíduo orgânico, desde o plantio do alimento até a destinação do lixo gerado. Por meio de oficinas, será ensinada a compostagem, um processo em que os restos dos alimentos são transformados em composto orgânico, que pode ser usado como adubo. Qualquer pessoa pode produzir esse material no próprio domicílio.

  

A compostagem pode contribuir significativamente para uma menor geração de lixo na cidade, pois metade dos resíduos coletados pela SLU são orgânicos. O Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos de Belo Horizonte tem como uma de suas diretrizes ações de educação ambiental para minimizar a geração desse lixo. Por isso é tão necessário disseminar a compostagem doméstica.

 

Oficinas sobre hortas suspensas, hortas verticais e plantio de mudas em pequenos espaços são outros exemplos de atividades que serão ofertadas. Será trabalhada com a população uma nova relação com o alimento, para se evitar embalagens em excesso e reduzir a geração de resíduos, diminuindo os impactos ambientais.