Pular para o conteúdo principal

Capacitação discute os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

atualizado em 08/07/2019 | 15:30
Sites Observatório do Milênio

 

A Prefeitura de Belo Horizonte realizou na última semana, durante a reunião da Comforça Norte, no Centro de Saúde São Bernardo, uma capacitação regional para as lideranças do Orçamento Participativo, com o tema Belo Horizonte e os Objetivos do Milênio. A proposta da capacitação é refletir com as lideranças comunitárias sobre os oito objetivos do milênio, o que a Prefeitura tem feito e o que cada comunidade pode fazer para ajudar no cumprimento das metas do milênio.

 

Em 2000, a Organização das Nações Unidas (ONU) realizou uma reunião com 189 países para discutirem seus principais problemas. Os governantes constataram que cerca de um bilhão de pessoas passavam fome e muitos viviam em condições ruins de saúde, educação e moradia. Desde então foi definido um pacto para eliminar a pobreza e a fome no mundo até 2015. Com isso, foram definidos oito objetivos com metas e indicadores que servem para medir se os governos irão atingir a meta no prazo que foi determinado. Belo Horizonte, desde 2006, é uma das cidades que se comprometeram com este pacto e definiram suas próprias metas para alcançar os objetivos.

 

Os oito objetivos do milênio são acabar com a extrema pobreza e a fome, atingir o ensino básico universal, promover a igualdade entre sexos e a autonomia das mulheres, reduzir a mortalidade infantil, melhorar a saúde materna, combater o HIV/AIDS e outras doenças como cólera e, especificamente, dengue no Brasil, garantir a sustentabilidade ambiental e estabelecer uma parceria mun­dial para o desenvolvimento.

 

Na apresentação do projeto, a comunidade foi divida em três grupos onde cada um discutiu sobre o que a cidade faz e como melhorar as questões de saúde, educação e meio ambiente. Após a discussão, uma pessoa do grupo apresentava os ques­tionamentos e as melhorias que já foram executadas na cidade. Como pontos positivos a comunidade destacou os programas PSF e Academia da Cidade, urbanização e saneamento, Vila Viva e as Unidades Municipais de Educação Infantil (Umeis). Como melhorias necessárias na cidade foram destaques programas para a saúde materna, rede de esgoto, investimento na qualificação profissional e a desvalorização do voto.

 

Participante da Comforça Norte, Marluce destaca a importância da comunidade no processo de indicar melhorias através dos objetivos do milênio. “Tivemos um avanço significativo com o programa Vila Viva e também em relação à saúde na cidade. Nosso trabalho como líder comunitário é mobilizar, cobrando do poder público ações para combater as deficiências que a comunidade enfrenta no dia a dia”, completou.