Pular para o conteúdo principal

Parada do Orgulho LGBT

Multidão em parada LGBT
Divulgação/PBH
atualizado em 18/11/2020 | 13:13

A Parada LGBT de Belo Horizonte alcançou, em 2018, sua 21ª edição, reunindo um público de 150 mil pessoas na região central da cidade. O evento é promovida pelo Centro de Luta pela Livre Orientação Sexual de Minas Gerais (CELLOS-MG) e correalizado pela Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania e pela Belotur.


Durante a edição de 2018, que teve como tema “Mais Democracia e Mais Direitos Humanos: Esse é o Brasil que queremos para as LGBT”, a equipe do Observatório do Turismo da Belotur realizou 432 entrevistas.


Dentre os entrevistados em 2018, 83,6% afirmaram ser cisgêneros - pessoa que se identifica com o gênero a que foi designado no nascimento - sendo que 53,1% se identificam com o gênero masculino e 46,4% com o feminino. No que diz respeito à orientação sexual, 40,3% afirmaram ser gays, 21,3% bissexuais, 18,3% lésbicas e 13,7% heterossexuais.


A renda familiar de 25,7% dos entrevistados está entre R$ 954 e R$ 1.908. Quanto à escolaridade, 29,6% tem superior incompleto, 26,4% médio completo e 15,5% superior completo. O gasto médio no evento foi de R$46,90, o que resulta numa movimentação financeira estimada em R$7 milhões.


Na pesquisa também foi estimado que 58,3% dos participantes da parada de 2018 é morador de Belo Horizonte, o que representa um universo de 87.450 pessoas, 24,5% vieram da Região Metropolitana, um montante de 36.750 pessoas e 17,2% do interior de Minas Gerais e outros estados, que contabilizam cerca de 25.800 visitantes. Entre esses últimos, 40% pernoitaram na capital, sendo que 34,6% utilizaram meios de hospedagem.


O ônibus rodoviário foi o principal transporte, utilizado por 41,3% dos que responderam às perguntas. 44,4% utilizaram internet para planejar a viagem e 46,0% recorreram aos amigos e parentes. O gasto médio na viagem foi de R$ 411,03 e a permanência na cidade de até três dias por 68% dos turistas.


Com relação especificamente ao evento, 79,2% dos entrevistados disseram que as expectativas foram superadas ou atendidas plenamente. 55,3% já haviam participado da manifestação em outra edição e 95,6% pretendem retornar no próximo ano.


Quando questionados sobre o motivo de participação na parada, 63,3% disseram que ocorreu em apoio à causa LGBT. Com relação às necessidades urgentes, 35,4% apontaram a necessidade de mais reconhecimento e ou visibilidade, seguido de promoção de segurança por 18,8%. Por fim, 85,6% sentem-se totalmente ou parcialmente representados pela Parada do Orgulho LGBT de Belo Horizonte.


Relevância do Turismo LGBT


De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT), de cada dez turistas, um é LGBT. Ainda segundo a entidade, 15% de toda a movimentação financeira turística do mundo vem deste mesmo público. Isso representa cerca de US$ 3,7 trilhões por ano, em um mercado que cresce quase três vezes mais que todo o setor turístico.


Neste contexto, Belo Horizonte se apresenta como uma capital jovem - 120 anos - que traz uma combinação única. De um lado, as tradições do estado de Minas Gerais, que incluem a gastronomia mais diversificada do Brasil e a hospitalidade do povo mineiro. De outro, a criatividade e a inovação singulares das manifestações culturais e desenvolvimento tecnológico. Essa identidade fez com que a cidade se tornasse a queridinha brasileira da Copa 2014. Agora, ela se firma como um destino a ser descoberto pelos turistas LGBT.


Cosmopolita e plural, possui o segundo maior circuito LGBT do Brasil, de acordo com o ranking da Rede de comunicação Guiya, ficando à frente de destinos como o Rio de Janeiro. São restaurantes, bares, baladas e diversos outros atrativos gay friendly e preparados para receber visitantes de todo o mundo. Para se surpreender ainda mais: Belo Horizonte tem hoje um dos maiores e melhores carnavais de rua do Brasil — uma pesquisa do Google apontou a festa como a segunda melhor do Brasil, atrás apenas de Salvador e à frente de Rio de Janeiro e São Paulo — e nossa Parada do Orgulho LGBT teve um público de 150 mil pessoas em 2018.


Belo Horizonte reúne riqueza cultural, ampla oferta de lazer e compras, vasta e premiada gastronomia, prestação de serviços de qualidade e uma vida noturna agitada. Com vários estabelecimentos voltados ao público LGBT ou muito frequentados por ele, entre bares, restaurantes, cafeterias, casas noturnas, festas, shows e lojas, Belo Horizonte oferece múltiplas opções de locais de braços abertos à diversidade.


As ações e políticas para o público LGBT também têm sido fortalecidas de forma sistemática. Assim, Belo Horizonte não só recebe bem, como também mantém espaços permanentes de discussão para avançar como destino LGBT friendly. E mais do que isso: um destino em que todos podem ser autênticos.