Pular para o conteúdo principal

Universitários visitam obras do Aglomerado Santa Lúcia

14/06/2018 | 18:42 | atualizado em 25/09/2018 | 10:57

O programa Vila Viva no aglomerado Santa Lúcia, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, recebeu a visita de alunos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) na última terça-feira, dia 12/06. Os cerca de 30 estudantes do primeiro período do curso de enfermagem estiveram no local para conhecer as intervenções estruturantes que estão sendo realizadas pelo programa e foram recebidos pela equipe de engenheiros e técnicos sociais que trabalham no escritório localizado próximo do aglomerado.
 

Na atividade, a engenheira Walkyria Moraes, coordenadora urbanística das intervenções no aglomerado Santa Lúcia, explicou sobre as obras que estão sendo realizadas e os principais impactos e benefícios para mais de 15 mil famílias que vivem na região. De acordo com ela, as intervenções incluem a implantação de infraestrutura urbana com a abertura becos e vias, destacando-se a Via do Bicão – uma importante avenida que vai facilitar o acesso entre as avenidas Arthur Bernardes e a Nossa Senhora do Carmo –, além de obras de saneamento básico, tratamento de encostas e áreas remanescentes, implantação de espaços de convivência, como parques e praças e a construção de 588 unidades habitacionais para reassentamento das famílias.
 

A previsão é que as obras sejam concluídas até 2021. O valor investido é de R$ 157 milhões com recursos do município e financiamento pelo Programa PAC Moradia, do Governo Federal.
 

Para que as famílias compreendam e participem de todo processo, elas contam com o acompanhamento da equipe social da Urbel. Segundo a coordenadora social Marina Marques, o Programa Vila Viva compreende ações urbanísticas, sociais e jurídicas. "O desafio do trabalho social é promover a participação comunitária e garantir que as famílias diretamente afetadas pela intervenção consigam se adaptar às novas condições de moradia", explicou.
 

Os técnicos sociais realizam atividades antes e após a conclusão das obras. “Estas atividades visam promover a participação e o desenvolvimento comunitário, a educação ambiental, patrimonial e o desenvolvimento socioeconômico, por meio da criação de alternativas de geração de trabalho e renda", disse.

 

Qualidade de vida

A aluna Maria Aparecida Mundim ficou muito surpresa e satisfeita com o que vivenciou, pois ela não tinha conhecimento do quanto uma obra pode melhorar a vida da população. “A qualidade de vida está diretamente relacionada com o ambiente em que vivemos. Um local limpo, seguro e organizado é essencial para preservar o bem-estar das pessoas. E esse programa não tem só relação com a mobilidade e moradia, mas em todos os aspectos na vida dos moradores”, concluiu.
 

As visitas às intervenções do Programa Vila Viva podem ser solicitadas por meio da Ouvidoria do Município. Para a próxima semana estão agendadas visitas de alunos de enfermagem da UFMG e alunos da Gerência de Educação Ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente da Prefeitura de Belo Horizonte.