Pular para o conteúdo principal

Atrizes realizam acrobacias em cena da peça.
Foto: João Saenger

Acrobacias são atrações de peça no Teatro Raul Belém Machado

25/08/2017 | 10:41 | atualizado em 28/08/2017 | 08:37

O Teatro Raul Belém Machado recebe de 25 a 27 de agosto, o espetáculo “O que me toca é meu também”, do coletivo Instrumento de Ver. A peça utiliza de acrobacias e da metalinguagem para tratar do fazer artístico. A apresentação integra o Festival do Teatro Brasileiro (FTB), Cena Distrito Federal e conta com apoio da Fundação Municipal de Cultura. A entrada é gratuita, com distribuição de ingressos com uma hora de antecedência.

 

Com direção de Raquel Karro, o espetáculo traz duas atrizes acrobatas que precisam lidar com a angústia de criar, testando os limites entre a cópia, a releitura e o ineditismo. A metalinguagem da peça se torna ainda mais evidente através do cenário, que reproduz uma sala de ensaios.

 

Em cena, as intérpretes Julia Henning e Maíra Moraes reproduzem uma coreografia na íntegra, tentam copiar em tempo real outra apresentação e revivem um circo cigano depois de uma história contada. Elas utilizam da acrobacia aérea para discutir sobre memória, reprodução, imitação e criação.

 

O espetáculo é uma produção do coletivo Instrumento de Ver, grupo que engloba circo, teatro, dança e música. Atuante em Brasília desde 2012, o coletivo tem como objetivo o fortalecimento das artes por meio da criação e produção de projetos culturais focados na sustentabilidade que proporcionem experiências originais ao público.

 

Festival do Teatro Brasileiro

Um festival nômade. Assim é o Festival do Teatro Brasileiro. Na estrada desde 1999, o FTB tem como característica intrínseca o caminhar, o andar, o viajar. O festival leva o panorama cênico de um estado brasileiro a outro. Em edições anteriores, o festival promoveu a aproximação dos pernambucanos e sergipanos. Levou ao Distrito Federal a cena teatral dos gaúchos, mineiros, baianos e pernambucanos. Os gaúchos também foram ao encontro dos goianos, assim como cearenses ao de capixabas e mineiros. Em 2017, o evento traz para Belo Horizonte o que de mais importante está sendo feito no Distrito Federal em artes cênicas.

 

“O que me toca é meu também” – Instrumento de Ver

De 25 a 27 de agosto | sexta e sábado, às 20h; domingo, às 19h

Teatro Raul Belém Machado (Rua Leonil Prata, s/nº, Alípio de Melo – em frente à praça Paulo VI)

ENTRADA GRATUITA

Informações para o público: (31) 3277-6437