Pular para o conteúdo principal

Rapaz sorri, ao fundo, plantas e muro.
Foto: Débora de Oliveira

Serviço de Atenção ao Migrante da Prefeitura oferece apoio a quem precisa

11/04/2018 | 16:09 | atualizado em 08/01/2021 | 07:15
Ricardo Magalhães Pereira tem 41 anos e é natural de Itabira. Depois de 15 anos vivendo nos Estados Unidos, precisou retornar ao Brasil e já está no país há 60 dias. Mas, antes mesmo de voltar, enquanto ainda estava em solo americano, foi informado de que poderia conseguir apoio no seu retorno no Serviço de Atenção ao Migrante da Prefeitura de Belo Horizonte. 


No Serviço, os usuários são encaminhados para as unidades de acolhimento institucional, Abrigo São Paulo ou Albergue Tia Branca, em caráter temporário. Ricardo foi alojado na unidade Tia Branca. “O abrigamento vem amparar as pessoas em um momento muito difícil, em que o mínimo parece distante. Aqui você pode se alimentar, tomar banho, guardar suas coisas e passar a noite”. A cidade conta com cerca de 80 vagas para a acolhida deste público.


Além da oferta de vagas nos abrigos, o Serviço fornece passagens de ônibus para os cidadãos retornarem às suas cidades de origem. O atendimento é prestado na Rodoviária da capital*, por uma equipe que os acolhe, orienta e encaminha. Em 2017, foram concedidas 1.269 passagens, totalizando R$ 688.416,00. O público migrante atendido é bastante diverso, contando, por exemplo, com egressos do Sistema Prisional. Em média, são realizados 300 atendimentos por mês.


A passagem de ônibus é concedida após uma análise da equipe. Ela faz contatos telefônicos e por e-mail com familiares ou outras pessoas do convívio do cidadão migrante, na sua cidade. Também é contatada a equipe da assistência social do município de destino, para garantir o atendimento local do usuário e também de sua família.

 


Redução de riscos

“A atenção ao migrante tem extrema importância, visto que as situações vivenciadas por este público os colocam em elevado patamar de vulnerabilidade social. A distância da família e da cidade de origem, associada ao nulo ou precário acesso à renda, faz com que esses cidadãos demandem atenção especializada do Poder Público, a fim de diminuir riscos sociais e evitar que eles iniciem uma trajetória de vida nas ruas da capital”, pondera Simone Pegoreti, gerente de gestão dos benefícios, programas e projetos socioassistenciais da Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar Cidadania, responsável pelo funcionamento da atividade. 

 

Serviço de Atenção ao Migrante

*Novo endereços desde julho de 2018
BH Resolve
Rua Santos Dumont, 363 – Centro
Horário de Atendimento: de segunda a sexta feira, das 8h às 17h
Telefone: 3277-1998