Pular para o conteúdo principal

Chefe do Procon faz inspeção em loja de brinquedos
Foto: Rodrigo Clemente/PBH

Procon da PBH fiscaliza lojas na Operação Dia das Crianças

08/10/2018 | 19:52 | atualizado em 11/10/2018 | 18:49

Até a próxima quinta-feira, 11 de outubro, a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH), por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (SMDE), da Diretoria de Proteção de Defesa do Consumidor (Procon- BH) e da Gerência de Fiscalização e Controle (GFICO), promove ação fiscal nos shoppings de Belo Horizonte na Operação Dia das Crianças. Iniciada em 14 de setembro, a ação tem como objetivo verificar o cumprimento das normas determinadas pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC) e das demais legislações municipais.
 

De acordo com a diretora do Procon municipal, Mônica Coelho, a ação tem como foco principal a atividade de comercialização de produtos para o público infantil, entre eles roupas, sapatos, brinquedos e similares.  A diretora informou que até o final da manhã desta segunda-feira, 8/10, foram feitas 65 vistorias no Shopping Del Rey, Minas Shopping, Shopping Boulevard, BH Shopping, Via Shopping, Diamond Mall e Shopping Cidade.
 

Mônica Coelho explica que os principais pontos fiscalizados são a existência de alvará de localização e funcionamento, a afixação de preços nos produtos comercializados (Lei 8078/90), de cartaz informando as formas e condições de pagamentos oferecidas, inclusive financiamentos, e se há informação adequada e clara sobre os diferentes produtos oferecidos.
 

Também são avaliados, segundo a diretora do Procon, se há exemplar do Código de Defesa do Consumidor disponível para consulta, cartaz informando os telefones dos órgãos de defesa do consumidor, a disponibilidade de atendimento preferencial e informações quanto aos critérios de troca utilizados, além dos previstos no CDC.
 

Até agora, como aponta Mônica Coelho, os principais problemas encontrados foram a falta de informações de preço à vista dos produtos de modo claro, correto, preciso e ostensivo; a inexistência de informação quanto às condições e formas de pagamento; a inexistência de exemplar do Código de Defesa do Consumidor; e inexistência de cartaz com os telefones dos órgãos de defesa do consumidor afixado. 
 

Há ainda, salienta, problemas com a falta de cartaz afixado com informação e prestação de atendimento preferencial e de informação quanto aos critérios de troca utilizados.  “Ao constatar a irregularidade, o fiscal faz um auto de infração que tem como finalidade orientar os lojistas. A partir desse momento, o autuado tem dez dias úteis para se adequar à legislação vigente e impugná-lo. Vencido esse período, é aplicada a penalidade de acordo com a infração cometida”, explica. 
 

A diretora do Procon orienta que, se o consumidor se sentir lesado, deve guardar a nota ou cupom fiscal e realizar o agendamento eletrônico para atendimento pelo Procon BH. O agendamento pode pela página do Agendamento Eletrônico da PBH


Últimas Notícias

Equipe de Vôlei sem Limites, acompanhada de dois membros da equipe técnica, em quadra poliesportiva. Equipe de vôlei composta por pessoas com deficiência disputa Campeonato

Campeonato Brasileiro será disputado, em São Paulo, por equipe de vôlei composta por pessoas com deficiência, com apoio da Prefeitura. 

17/09/2019 | 20:22
Jovem pinta favela em módulos quadrados no chão. PBH contribui com formação de jovens de áreas vulneráveis

Educação, arte e cultura fazem parte da formação de jovens moradores de áreas vulneráveis, por meio do Projovem. 

17/09/2019 | 19:05