Pular para o conteúdo principal

Dois garis varrem uma rua com carros estacionados durante o dia.
Foto: Ana Clara Nunes

Prefeitura garante limpeza de vias públicas em toda a cidade

18/01/2018 | 15:03 | atualizado em 05/02/2018 | 14:41
Mais de 1.200 garis nas ruas de Belo Horizonte garantem, a cada dia, que a cidade permaneça limpa e bem cuidada. No trabalho de varrição, são recolhidas, em 24 horas de serviço pesado, 50 toneladas de resíduos, o que corresponde a sete caminhões repletos de lixo. As ações são realizadas de forma manual e mecânica, contemplando a limpeza de ruas, avenidas, sarjetas, calçadas e outras áreas públicas. Ao todo, são cobertos praticamente 100% das vias urbanas pavimentadas. 

A frequência de varrição varia de região para região, de acordo com a necessidade de cada local, que leva em consideração fatores como o fluxo de pessoas e veículos, a intensidade do trânsito e o tipo de arborização. 

Áreas como a do hipercentro da capital são varridas até quatro vezes ao dia. Já pontos residenciais podem receber o serviço a cada quinze dias, sem prejuízos ao cidadão. “Há logradouros que são atendidos, duas ou três vezes por semana; tudo depende do volume de resíduos verificados naquela localidade”, salienta Pedro Assis Neto, chefe do Departamento de Serviços de Limpeza da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU).

Outras áreas comerciais como as do Barreiro e de Venda Nova são exemplos de lugares que também exigem atenção especial da SLU. Próximo a pontos de ônibus e a lojas, o lixo que cai no chão e ameaça entupir bocas de lobo é composto principalmente por embalagens de alimentos, copos descartáveis, guimbas de cigarros, palitos de picolés e restos de comida. Em zonas residenciais, o resíduo muda de característica, sendo, em sua maioria, composto por folhagens. 

As atividades são executadas de forma descentralizada nas nove regiões. Os resíduos são acondicionados para coleta e transporte em caminhão compactador e destinados ao aterro sanitário de Macaúbas, no município de Sabará.

De acordo com Pedro Assis Neto, mesmo as ruas ainda não asfaltadas ou em processo de regularização recebem atendimento com serviços extraordinários, de acordo com a demanda ou conforme verificação da equipe operacional nas vistorias de rotina.
 


Descarte correto

O gerente responsável pela limpeza urbana na região Centro-Sul, Denilson Pereira de Freitas, aponta que, neste início de ano, no período que antecede o carnaval, há o aumento da oferta de passeios turísticos e viagens, fazendo crescer também a quantidade de folhetos promocionais que vão parar no chão, com risco de atingir as galerias pluviais. 

Outro alerta importante, segundo Denilson Pereira, diz respeito a moradores e comerciantes que varrem suas calçadas e às vezes jogam os resíduos dentro das bocas de lobo. “Mesmo que sejam apenas folhas, o correto é recolher esse lixo e disponibilizá-lo bem-acondicionado para a coleta domiciliar nos dias e horários apropriados”, destaca o gerente.

E nunca é demais lembrar sobre a utilização das lixeirinhas para resíduos leves. São 26 mil em toda a cidade. “Se estiver fora de casa e não encontrar por perto algum desses equipamentos, guarde o lixo na bolsa, sacola ou mochila, até que seja possível descartá-lo adequadamente”, orienta.
 
 

18/01/2018. Varrição em BH. Fotos: AnaClaraNunes/SLU