Pular para o conteúdo principal

PBH cria mais 10 espaços de produção de alimentos na cidade
Foto: PBH/ Divulgação

PBH cria mais 10 espaços de produção de alimentos na cidade

criado em 01/06/2023 - atualizado em 01/06/2023 | 15:41

Dez novas unidades produtivas de alimentos serão criadas ainda este ano pela Prefeitura de  Belo Horizonte em diferentes regionais da cidade.  Com o incremento desses espaços, a capital chegará a 66 espaços coletivos e comunitários de produção de alimentos. São mais de 100 mil m² destinados ao cultivo de plantas medicinais, legumes, verduras, temperos e outros itens, tendo como princípio de produção a agroecologia, ou seja, a utilização de elementos da natureza para o cultivo das plantas, sem o uso de agrotóxicos. Todo o processo de construção é realizado de maneira participativa.

 

Alguns dos locais que vão abrigar as novas unidades produtivas eram utilizados para deposição clandestina de lixo. Os espaços serão adaptados e, a partir de um trabalho da comunidade com o apoio da Prefeitura, serão revitalizados e transformados em locais de produção de alimentos saudáveis, geração de renda e de sustentabilidade dentro do território urbano.

 

Os grupos que serão responsáveis pelo cultivo nos espaços foram selecionados a partir de chamamento público. Entre os critérios para a seleção, estava a inclusão de famílias com vulnerabilidade social e de renda inscritas no Cadastro Único para programas sociais. Nos próximos meses, equipes da Prefeitura realizarão um trabalho de diálogo com os grupos habilitados, reconhecimento dos espaços, construção de termos de responsabilidade e início da produção.

 

A subsecretária Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional, Darklane Rodrigues, destaca que para iniciar a implantação de uma unidade produtiva é preciso que a comunidade seja auxiliada por equipe qualificada, além de receber apoio da gestão para destinar terrenos, insumos e pessoal.

 

“Esse trabalho demanda capacidade técnica, mas também disposição do coletivo, composto pelos futuros agricultores. São três fases somente no período de implantação, da construção social do grupo, da  formação técnica, depois a preparação da área e plantio inicial. Ao final, uma questão é certa: a comunidade sai fortalecida, as famílias melhoram a renda e a alimentação e a região ganha um espaço sustentável”, detalha a subsecretária.

 

Nos últimos anos, a Prefeitura de Belo Horizonte reforçou a atuação e assessoramento junto às Unidades Produtivas de Agricultura Urbana, como hortas e agroflorestas, qualificando a atuação de agricultores urbanos para a produção de alimentos saudáveis em diversas áreas do município. Dessa forma, a produção consegue chegar mais rápido à mesa de quem precisa.

 

Apesar de não haver área rural no município, a Prefeitura atua junto aos cidadãos e coletivos no incentivo à implantação e à manutenção de unidades produtivas em áreas remanescentes. Terrenos municipais, parques com sistemas agroecológicos de hortas, pomares, agroflorestas, compostagem e viveiros também são usados para produzir alimentos saudáveis, promovendo a segurança alimentar e nutricional, a geração de renda e o desenvolvimento local sustentável. Tudo isso possibilita que áreas que estavam inutilizadas sejam aproveitadas dando nova função social aos espaços.