Pular para o conteúdo principal

Foto histórica aérea em preto e branco de parte da cidade de Belo Horizonte, com mais de cinquenta pessoas, no tamanho de pontos pequeninos, a transitar pela rua.
Foto: Wilson Baptista

Lançamento no MHAB: livro apresenta fotos raras de BH entre 1930 e 1960

13/07/2018 | 19:13 | atualizado em 05/11/2018 | 15:12

A Fundação Municipal de Cultura promove no dia 17/7, terça-feira, às 17h30, no Museu Histórico Abílio Barreto, o lançamento do livro “Wilson Baptista: Urbano Fotográfico”. Com organização editorial de Renata Marquez, Marconi Drummond e Paulo Baptista, o livro registra parte da obra do fotógrafo mineiro Wilson Baptista, dedicada à memória urbana da cidade de Belo Horizonte, entre as décadas de 1930 a 1960. O evento tem entrada gratuita.

 

O livro apresenta 115 fotografias raras selecionadas a partir de um acervo de cerca de 30 mil negativos. Elas documentam aspectos singulares da vida urbana e da construção e expansão da cidade, além de composições abstratas que são, frequentemente, leituras muito pessoais do cotidiano fotografado. Vão do registro factual, sempre personalíssimo, de cenas urbanas à pura composição geométrica.

 

Há predominância de fotos elaboradas em preto e branco, com destaque para a foto que documenta a abertura da avenida Amazonas (1941), imagem de vendedores ambulantes, de procissões, flagrantes do Parque Municipal, um acidente de bonde no viaduto Santa Tereza (1935), o bonde do Colégio Santa Maria repleto de alunas uniformizadas e freiras vigilantes (1935), o tradicional footing na Praça da Liberdade e instantâneos dos blocos de Carnaval (1939), entre outras.

 

No centro da cidade, o cotidiano das ruas cedeu lugar, pelo olhar do fotógrafo, às torres e geometrias dos altos edifícios, da Feira de Amostras à torre do relógio da Prefeitura, do Sulacap à silhueta esguia do prédio do Banco da Lavoura, além de recortes e fragmentos da arquitetura déco e modernista, quando a cidade se verticalizava, adquirindo novos contornos, a partir dos anos 1930.

 

A curiosidade pelas mudanças da cidade levou Wilson Baptista a fotografar as novidades arquitetônicas e urbanísticas, a exemplo das obras da Pampulha, projetadas por Oscar Niemeyer. Além das fotografias, em grande parte inéditas, o livro conta com um ensaio da professora e arquiteta Renata Marquez e com uma cronologia ilustrada assinada pelo fotógrafo e professor Paulo Baptista e pela professora e arquiteta Maria Elisa Baptista, filhos do fotógrafo.

 

O lançamento do livro será realizado no jardim da sede da antiga Fazenda do Leitão, edificação remanescente do antigo Arraial do Curral Del Rei, hoje integrada à estrutura do Museu Histórico Abílio Barreto. O local reúne um acervo múltiplo e revelador das trajetórias da capital mineira e preserva itens que atestam as transformações sociais e históricas de Belo Horizonte, sendo, pois, um espaço catalisador para abrigar o “urbano fotográfico” presente na obra de Wilson Baptista. O livro foi viabilizado por meio de recursos da Lei Municipal de Incentivo à Cultura da Prefeitura de Belo Horizonte, Fundação Municipal de Cultura e da Lei de Incentivo à Cultura do Ministério da Cultura.

 

 

Sobre Wilson Baptista

Wilson Baptista (Belo Horizonte, 1913-2014) produziu uma das mais ricas obras da fotografia moderna brasileira. Foi um dos fundadores e o primeiro presidente do Foto Clube de Minas Gerais, na década de 1950, organizando e participando, até meados dos anos 1960, de exposições e de salões nacionais e internacionais de fotografia, tendo sido premiado diversas vezes. A importância de seu trabalho, que antecipou muito do que viria a caracterizar a fotografia brasileira nos anos 1940 e 1950, apenas recentemente começou a ser amplamente reconhecida.

 

Ganhou mais notoriedade, principalmente, através de mostras como as exposições coletivas Cartografia Imaginária (SESC Palladium, 2018), Habitáculo (Cine Theatro Brasil Vallourec, 2015), Horizonte Moderno (Minas Tênis Clube, 2015), Escavar o Futuro (Fundação Clóvis Salgado, 2013) e Segue-se ver o que quisesse (Fundação Clóvis Salgado, 2012) e as retrospectivas: Projeto Wilson Baptista (Periscópio Arte Contemporânea, 2017), Diálogos nos tempos da Fotografia (Casa do Baile, 2007) e Wilson Baptista: Fotografias (Instituto de Arquitetos do Brasil/MG, 2000). Suas fotografias, publicadas em diversos livros e revistas, são hoje referência para o trabalho de pesquisadores de arquitetura, história e fotografia, constituindo-se em uma rica memória afetiva de Belo Horizonte.

 

 

Lançamento do Livro “Wilson Baptista: Urbano Fotográfico”

Dia 17 de julho | terça-feira | às 17h30

Museu Histórico Abílio Barreto - Av. Prudente de Morais, 202, Cidade Jardim

Entrada gratuita