Pular para o conteúdo principal

Foto de crianças chegando à Escola Municipal Jardin Leblon
Foto: Adão de Souza/PBH

Investimento em infraestrutura melhora atendimento escolar em Belo Horizonte

02/01/2019 | 14:55 | atualizado em 09/04/2019 | 09:54

A Prefeitura de Belo Horizonte investiu mais de R$ 80 milhões na melhoria da infraestrutura da Rede Municipal de Educação, nos últimos dois anos. A qualificação dos espaços impactou diretamente as ações desenvolvidas nas escolas e trouxe reflexos positivos para atendimento dessa rede que é composta por 323 escolas e quase 25 mil profissionais, dos quais, cerca de 15 mil são professores. A mudança física proporcionou o desenvolvimento de diversas práticas, ações e projetos inovadores e criativos, que contribuem para a qualidade da educação.


Durante esta semana o BH em Pauta vai destacar alguns trabalhos implementados nas escolas e que foram apresentados no Congresso de Boas Práticas dos Profissionais da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte, no último mês. Idealizado e realizado pela Secretaria Municipal de Educação, o evento teve como objetivo compartilhar em rede as práticas pedagógicas inovadoras e criativas desenvolvidas nas escolas municipais de Belo Horizonte.


Inovação e criatividade contribui para ampliar os espaços do Programa Escola Integrada


O Programa Escola Integrada - Otimizando Espaços na Escola foi uma das atrações do 1º Congresso Boas Práticas dos profissionais da Rede Municipal de Educação de Belo Horizonte: socializando experiências e conectando saberes. O trabalho mostra como a Escola Municipal Jardim Leblon, da regional Venda Nova, conseguiu de forma inovadora, ágil e criativa ampliar os espaços para o desenvolvimento das atividades do Programa Escola Integrada (PEI).


A proposta, idealizada pela pedagoga Isaura Capila Melo de Oliveira e pela geógrafa Maria Helena Schmitz de Castro, respectivamente vice-diretora e diretora da unidade, consiste em uso de containers e trouxe ganhos imediatos  e aprovação da comunidade escolar. “Os containers home-sala de aula foram uma aposta assertiva. Ao optar por esse estilo arrojado de ampliação da estrutura física da escola, nossa intenção foi receber com conforto, qualidade e excelência, as atividades do Programa Escola Integrada. Atualmente, são atendidas cerca de 300 crianças, na faixa etária de 6 a 10 anos, mas a potencialidade de atendimento dos containers pode ser expandida para os alunos do 3º ciclo e da EJA, sem nenhuma dificuldade”, revela Isaura.


De acordo com a diretora Maria Helena, os motivos da escolha dos containers foram a celeridade, o custo, e a praticidade da instalação das novas salas. “Para melhor atender as atividades do Programa Escola Integrada, tivemos que buscar uma solução imediata e optamos pelo container home. Com as novas salas, os maiores beneficiados foram os alunos. Garantimos a eles um espaço bonito, seguro, eficiente e funcional para participar das oficinas do programa e construir suas vivências, com dignidade e justiça, na segurança do próprio ambiente escolar”, explica a diretora.


O estudante Arthur, 7 anos, fala com entusiasmo sobre as novas salas. “Antes, a gente ficava quase todos os dias no pátio ou na quadra porque não tinha espaço aqui dentro. As aulas de dança eram no auditório. Agora tá bem melhor, tem espaço para muitas oficinas legais, bate uma ventilação muito boa e a gente não precisa mais ir para a quadra, a gente pode colocar os trabalhos para enfeitar as salas e o espaço tá muito maior”.


Inovação e modernidade


O container home-sala de aula é uma estrutura metálica composta por painéis isotérmicos móveis, inédita na Rede Municipal de Educação da Prefeitura de Belo Horizonte, com prazo de instalação entre 15 e 25 dias. Na Escola Municipal Jardim Leblon foram montados três containers, totalmente adaptados para salas de aula, com dimensões de 4 metros de largura por 6 metros de comprimento. A novidade oportunizou mais integração entre as atividades do Programa Escola Integrada e da escola regular, aproximando alunos, monitores e professores de todos os turnos.


De acordo com as autoras do Programa Escola Integrada - Otimizando Espaços na Escola, a iniciativa enriquece a prática pedagógica e desperta em toda a comunidade escolar o senso de coletividade e cuidado mútuo com os diferentes ambientes da escola, promovendo momentos coletivos entre os três segmentos: Educação Infantil, Ensino Fundamental e Escola Integrada.