Pular para o conteúdo principal

 Intervenção artística alerta para a violência sexual contra crianças e adolescentes
Foto: Stênio Lima

Intervenção alerta para a violência sexual contra crianças e adolescentes

28/05/2021 | 14:17 | atualizado em 28/05/2021 | 14:20

Em meio ao movimento acelerado das pessoas que transitam pela Praça Sete, no Centro de Belo Horizonte, guarda-chuvas coloridos chamaram a atenção de quem passou pelo local na terça-feira, dia 25, para uma situação de desproteção social que muitas vezes passa despercebida. No mês de enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes, equipes da Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania, realizaram uma intervenção com exibição de fotos e dados sobre violações de direitos de menores, enquanto distribuíam materiais de informação e denúncia do fenômeno. 

 

O intuito da atividade foi chamar a atenção para a importância da denúncia em caso de suspeita ou confirmação de violências contra os menores, que é prioridade absoluta para as políticas públicas e sociais. A escolha da Praça 7 de Setembro foi intencional. Também conhecido como o “coração da cidade”, o encontro das avenidas Afonso Pena e Amazonas é um dos locais da capital com maior visibilidade e circulação de pessoas, possibilitando assim que o tema seja refletido por um maior número de cidadãos e cidadãs. 

 

A intervenção também integra as ações sistemáticas de sensibilização, mobilização e conscientização do SUAS/BH no enfrentamento às formas de violência e violação de direitos contra crianças e adolescentes. A atividade foi realizada pela equipe de referência do Serviço Especializado em Abordagem Social, em especial pelos Arte-educadores, com o apoio dos técnicos sociais e educadores pares, que integram o CREAS da Regional Centro-Sul. 

 

Flaviano Oureles é um dos arte-educadores que atuaram na ação. Ele salienta que o propósito das intervenções artísticas é impactar quem assiste e consequentemente conscientizar a população. “Toda nossa ação é planejada para sensibilizar e provocar as pessoas, para que fiquem atentos a qualquer sinal ou indício de violência ou violação de direitos. Denunciar é fundamental”, justifica. 

 

A Subsecretaria Municipal de Assistência Social considera que as ações e atividades são contínuas nos territórios de vivência da população de Belo Horizonte, mas destaca que as datas que marcam os enfrentamentos de situações de violência e de violação de direitos são essenciais para dar visibilidade à sociedade do fenômeno, além dos canais de denúncia e de proteção social, como o Maio Laranja. 

 

Além da ação, a Prefeitura e o Conselho Municipal de Direitos da Criança e do Adolescente desenvolvem diversas ações de enfrentamento da violência sexual. Acesse a página do Maio Laranja e confira.