Pular para o conteúdo principal

Três mulheres profissionais da saúde sentadas em uma mesa, onde há várias folhas e fichas.
Foto: Divulgação/PBH

Centros de Saúde da região Leste incentivam e promovem o aleitamento materno

16/05/2018 | 15:12 | atualizado em 16/05/2018 | 16:30
Neste mês de maio é comemorado o Dia Mundial de Doação de Leite Humano (19/5). Melhor alimento que se pode oferecer aos bebês nos primeiros seis meses de vida, o leite materno contém os nutrientes que garantem a alimentação e a proteção da criança contra diversas infecções.  Essa data é, portanto, um momento especial de sensibilização da sociedade para a importância da doação de leite humano, além de ser uma oportunidade para incentivar e promover o aleitamento materno. 
 
Referência no serviço de doação de leite materno, desde 2004, por meio do projeto “Mama bebê”, a Unidade de Referência Secundária (URS) Saudade recebe leite materno de outros 20 centros de saúde de Belo Horizonte. “Ao chegar à URS Saudade, o leite é examinado e armazenado, seguindo orientações específicas. A Unidade também possui uma ficha técnica atualizada com os dados da doadora. Após esse processo, o leite é encaminhado para o banco de leite do Hospital Odete Valadares, onde é novamente examinado. Lá, ele é pasteurizado, ou seja, é elevado a determinada temperatura para eliminar qualquer microrganismo presente, e depois distribuído no para os bebês prematuros ou de baixo peso”, explica Maria de Lourdes Miri Megda, enfermeira responsável pelo projeto.
 
Esses bebês que se alimentam de leite humano no período de privação da amamentação possuem mais chances de se recuperarem e terem uma vida mais saudável. Com o leite materno, o bebê prematuro ganha peso mais rápido, se desenvolve com mais saúde e fica protegido de infecções.
 
A coleta do leite pode ser feita em domicilio pela própria mãe. Elas recebem orientações da equipe de Saúde da Família (médicos, enfermeiros ou auxiliares de enfermagem) sobre o procedimento da doação de leite materno e, a partir daí, podem iniciar a coleta. O leite é recolhido na casa pelo agente comunitário de saúde (ACS) ou outro profissional da equipe de Saúde podendo ficar armazenado e congelado no centro de saúde por até sete dias antes de ser encaminhado à URS Saudade.
 
De acordo com a enfermeira Maria de Lourdes, a doação de leite humano é uma ação que envolve toda a equipe da Unidade Básica de Saúde. “Através das campanhas é despertada a solidariedade nas mães em lactação, com excesso de leite, para participar do projeto de doação”. A URS Saudade também promove treinamento e capacitação dos profissionais. 
 


Amamentação

A amamentação muitas vezes não é uma tarefa tão fácil, pois vários aspectos devem ser levados em consideração, como a posição do recém-nascido na hora de mamar, a alimentação da mãe, os cuidados com os seios durante a gravidez e os aspectos psicológicos da mãe. Para valorizar e incentivar essa importante atitude, o Centro de Saúde Vera Cruz homenageia as mães que realizam amamentação exclusiva do bebê até os quatro meses com um Certificado Dourado.
 
“O certificado visa reconhecer e parabenizar a mãe pelo empenho em alimentar seu bebê somente com leite materno até, pelo menos, os primeiros quatro meses de vida. Trabalhamos com elas também os benefícios da alimentação saudável e da saúde bucal para a amamentação”, afirma Regina Célia de Souza, gerente do Centro de Saúde Vera Cruz.

Os centros de saúde de Belo Horizonte também promovem encontros periódicos com as mamães para esclarecerem as dúvidas e falar sobre os benefícios do aleitamento materno. De acordo com Silvana de Araújo, enfermeira do Centro de Saúde Paraíso, é preciso conscientizar as mães sobre os benefícios que a amamentação traz. “Incentivamos o aleitamento materno, pois sabemos que não existe nada que substitua esse alimento natural. É importante que as mães amamentem seus filhos e saibam do valor desse processo para a vida da criança”, explica. 
 
Jéssica Faria, usuária do Centro de Saúde Pompéia, relata que, no início, teve dificuldade para dar o leite do peito ao seu primeiro filho. “O maior problema na hora de amamentar é que o bico do seio fica muito sensível e chega até a machucar. Por isso, na gravidez, é importante recebermos orientações sobre como prepará-los”, conta.
 
Raquel Barbosa, usuária da Unidade de Referência Secundária Saudade, também teve dificuldades para amamentar sua primogênita, e ainda descobriu que ela é alérgica à proteína presente no leite da vaca. Dessa forma, para continuar amamentando, Raquel teve que seguir uma dieta em que não poderia consumir nada derivado do leite. “Eu quis manter a amamentação, porque não existiria nada igual ao aleitamento materno para o desenvolvimento da criança. Com as orientações recebidas, conseguimos superar as dificuldades que surgiram, e hoje ela mama com qualidade. Agora é prazeroso amamentar e é um momento só meu e dela”, afirma Raquel.
 
Nas unidades e postos de coleta assim como nos bancos de leite as mães com dificuldades na amamentação podem buscar orientação e auxílio. Mães que desejam doar leite materno poderão procurar as seguintes unidades:

•    Posto de coleta Mama Bebê - URS Saudade | Telefone: 3277-5769
•    Banco de Leite da Maternidade Odete Valadares - avenida do Contorno, 9.494, Bairro Prado - Belo Horizonte | Telefone: 3298-6008
•    Posto de coleta de leite da Maternidade Sofia Feldman | Telefones: 3408- 2279 ou 3408 2256.
 
 

16/05/2018. Doação de leite materno e amamentação. Foto: PBH/Divulgação