Pular para o conteúdo principal

Duas mulheres com suas filhas nenéns no colo.
Foto: Andréa Moreira

Centro de Saúde orienta pais sobre cuidados para o desenvolvimento infantil

29/11/2018 | 16:24 | atualizado em 30/11/2018 | 09:03
As amigas Jéssica Duque, 26 anos, e Clarice Pontes, 22, são vizinhas e tiveram seus bebês no mesmo dia. Jéssica é mãe da Lara Valentina e Clarice, da Luna Beatriz, ambas com oito meses de idade. Inseparáveis, as mães participaram do grupo de puericultura do Centro de Saúde Confisco (rua Aracy Guimarães Rosa, 470), onde tiveram a oportunidade de aprender um pouco mais sobre alguns cuidados importantes que os pais devem ter com as crianças nessa idade.

Puericultura é a uma área da Pediatria que trata do desenvolvimento infantil com o fim de promover o bem-estar e saúde das crianças no seu nascimento e nos primeiros meses de vida. Além de acompanhar a cobertura vacinal e estimular a prática do aleitamento materno, o Programa de Puericultura no município observa o crescimento e desenvolvimento da criança e orienta a introdução da alimentação complementar. O trabalho também previne as desordens que mais afetam as crianças durante os primeiros 18 meses de vida.
 
No Centro de Saúde Confisco, os pais e responsáveis pelas crianças participam de encontros semanais e recebem orientações sobre o desenvolvimento de seus filhos. Os grupos são coordenados pelas profissionais do Núcleo Ampliado de Saúde da Família e os conteúdos são ministrados de acordo com a faixa etária da criança.



Atenção integral à saúde da criança

Os pais dos bebês de zero a um mês de idade recebem informações sobre os cuidados gerais para a mãe e o bebê, a importância da amamentação exclusiva até os seis meses de idade, como lidar com cólicas, cuidados com o sono do bebê, entre outros. Aos oito meses, as crianças começam a falar e a engatinhar. É hora de atentar para a segurança do bebê e para cuidados no ambiente doméstico. Por isso, os pais das crianças nessa idade recebem informações sobre linguagem, alimentação indicada e desenvolvimento da coordenação motora.

A operadora de máquina Walquíria Geralda da Silva, 32 anos, é mãe da Késia, quatro anos, e do Kauã, 10 dias. Ela participou do grupo pela primeira vez e avaliou positivamente as informações que foram passadas durante o encontro. “Aprendi a fazer a higiene da boca após as mamadas”, disse. Os pais também são orientados sobre a inclusão da alimentação complementar e sobre o desenvolvimento motor da criança. A funcionária pública Rosilaine Cristina trabalha como cozinheira em uma escola municipal e trouxe a filha Maria Eduarda, de quatro meses. Para ela, foi muito bom participar. “Eu já trabalho com alimentação para crianças, mas a gente sempre aprende alguma coisa. Gosto de vir porque é uma oportunidade de conversar e tirar dúvidas”, disse.

Mãe de quatro filhos, a dona de casa Yasmim Cristina Cardoso conheceu o grupo por causa da filha Ana Clara, de quatro meses, e, mesmo não sendo mãe de primeira viagem, revelou que o trabalho de puericultura desenvolvido no centro de saúde pode acrescentar conhecimento até para quem já passou pela experiência de cuidar de muitos filhos. “Aprendi muita coisa. Uma novidade pra mim é a limpeza da boca do bebê, logo depois da mamada. Eu não sabia que precisava fazer. Eles me ensinaram o passo a passo e me explicaram a importância desse processo”, frisa.

Natielli Aquino, 21 anos, mãe do Matheus, já havia participado do grupo quando o bebê tinha apenas um mês de vida. Certa de que o conhecimento é importante, ela procurou o grupo novamente para acompanhar o desenvolvimento do filho. “Agora que ele está maiorzinho, é necessário ficar atenta. Achei tudo muito importante porque a gente fica sabendo do que o bebê já é capaz de fazer, sobre alimentação e até sobre higiene. A gente aprende muito”, destaca.

Pais de primeira viagem, Túlio Xavier e Eliamara Silva vieram juntos ao encontro. Túlio, todo orgulhoso, fez questão de participar desse momento de aprendizado para apoiar e dar segurança para a esposa. Para ele, as informações sobre alimentação de bebês foram muito esclarecedoras. “Nossa filha já está com cinco meses e, para a saúde da criança, é importante amamentar até os seis meses, pelo menos”, disse.

Clarice Pontes, citada no início da matéria, afirma que as orientações que recebeu no grupo foram determinantes para que ela modifique os hábitos alimentares da pequena Luna. “Pelo menos uma coisa vai mudar de imediato na alimentação da Luna. Vou colocar menos cereal infantil no leite dela, por causa do açúcar”, afirmou.



Núcleos Ampliados de Saúde da Família: integralidade do cuidado dos usuários

Os Núcleos Ampliados de Saúde da Família da Atenção Básica são formados por equipes multiprofissionais que atuam de forma integrada, apoiando os profissionais da Atenção Primária para ampliar a abrangência e resolubilidade das ações nesse nível de atenção. A atuação do núcleo visa à integralidade do cuidado dos usuários, por meio da ampliação do escopo da atividade clínica: atendimentos individuais, visitas domiciliares, formação de grupos de apoio, realização de oficinas e atividades de educação permanente.

 Atualmente, a Regional Pampulha conta com sete equipes Núcleo Ampliado de Saúde da Família para atender os 14 centros de saúde no território. As atividades desenvolvidas em cada núcleo variam de acordo com a composição da equipe e as características epidemiológicas do território e levam em conta a faixa etária, tipos de enfermidades predominantes e índice de vulnerabilidade, entre outros.

O Núcleo Ampliado de Saúde da Família Pampulha oferece atendimentos individuais e compartilhados, intervenções nas escolas por meio do Programa Saúde na Escola e atividades de educação permanente com os profissionais da saúde. O Núcleo também oferece formação de grupos de apoio como o de puericultura, linguagem, atividade física, obesidade, alimentação saudável, hipertensos e diabéticos, cessação do tabagismo, prevenção de quedas, mães, dor crônica, dança sênior e lian gong.
 
 

29/11/2018. Grupo de puericultura no Confisco. Fotos: Andréa Moreira/PBH