Pular para o conteúdo principal

Presidente da Belotur, Gilberto Castro; Secretária Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania, Maíra Colares;  Presidente do Cellos, Azilton Santos; diretor do Cellos,Gilbert Castro; e diretora de Políticas para à População LGBT, Dayara Carvalho..
Foto: Stênio Lima/PBH

22ª edição da Parada LGBT acontece em 14/7, em Belo Horizonte 

10/07/2019 | 20:16 | atualizado em 15/07/2019 | 11:37

A Parada do Orgulho LGBT de Belo Horizonte chega, em 2019, a sua 22ª edição. O evento, promovido pelo Centro de Luta pela Livre Orientação Sexual de Minas Gerais com a parceria institucional da Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania e da Belotur, será realizado neste domingo, dia 14. Confira a programação completa e a operação de trânsito montada para o evento. 

 

O tema deste ano segue a temática das principais paradas LGBTs do mundo, como Nova York e São Paulo: “Não aos retrocessos. Revivendo Stonewall”. A concentração do evento acontece na Praça da Estação, onde artistas, grupos de dança e drag queens de Belo Horizonte se apresentam a partir das 11h. Às 16h, o cortejo sai em direção à rua Guaicurus (quarteirão entre avenida Andradas e rua da Bahia), segue pela rua da Bahia até o acesso à avenida Amazonas, atravessa a Praça Sete de Setembro e finaliza na Praça Raul Soares.

 

A secretária municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania, Maíra Colares, destacou que a Parada LGBT traz a oportunidade de debater questões relevantes. “Este é um momento importante para trazermos à tona uma discussão sobre respeito e inclusão. A Prefeitura garante o apoio institucional para a realização, com segurança, da Parada, além de reconhecer a importância da pauta para a cidade”, explicou.

 

O presidente da Belotur, Gilberto Castro, afirma que, como em outros grandes eventos que acontecem na cidade, será feita uma gestão integrada para organização e maior segurança.  “A Prefeitura está focada para que a Parada aconteça da melhor maneira possível. Trabalhamos com força total e nossos órgãos irão trabalhar com todo efetivo para que tudo aconteça da melhor maneira possível, para que a Parada siga crescendo e demonstrando o seu valor social”, considerou.


Durante o evento, alguns serviços municipais estarão disponíveis para orientações e atendimentos nas áreas da assistência social, cidadania e saúde, em tendas de atendimento ao público, disponibilizadas pelos organizadores da Parada LGBT.


 

Stonewall

Há 50 anos, em 28 de junho de 1969, uma série de protestos foi desencadeada por batidas policiais em um bar LGBT de Nova York. Eles perseguiam e discriminavam o comportamento afetivo-sexual dos frequentadores do bar. Os protestos, mais tarde, seriam reconhecidos como o início do movimento pelo Orgulho LGBT. O conceito de “orgulho” se difundiu mundialmente e, ano a ano, o mês de junho é dedicado às paradas e eventos relacionados à população LGBT. 

 

 

Pesquisa

Uma pesquisa, desenvolvida em uma correalização da Prefeitura, por meio da Belotur, Diverso (grupo de pesquisa da UFMG) e CELLOS-MG, será feita pelo quarto ano consecutivo para traçar o perfil dos visitantes e moradores de Belo Horizonte que vão participar da atividade. O questionário trará informações como o perfil socioeconômico, o acesso aos serviços e políticas públicas pela população LGBT, a experiência de situação de violência e a avaliação da infraestrutura do evento, além de gastos e estimativas referentes à movimentação econômica gerada pela manifestação.

 

 

Histórico 

Em 2018, 150 mil pessoas participaram do evento. A pesquisa realizada pelo Observatório do Turismo indicou que gasto médio foi de R$ 46,90, o que resulta numa movimentação financeira estimada em R$ 7 milhões. O relatório mostra que 82% dos entrevistados são de Belo Horizonte e Região Metropolitana e 12% de turistas; a idade média é de 24 anos, sendo que a faixa etária de 18 a 30 anos representa 75% do público; para a maioria dos participantes (79,2%), a Parada LGBT em 2018 superou (26,2%) ou atendeu plenamente as expectativas do público (53%); 42% dos entrevistados foram à Parada LGBT pela primeira vez e 95,6% pretendiam voltar em 2019.

 

O apoio à causa LGBT foi a maior motivação dos participantes (63,3%) e 35% dos entrevistados declararam que as necessidades mais urgentes do público LGBT são mais reconhecimento e visibilidade (35,4%), promoção de segurança (18,8%) e respeito e igualdade (6,5%).

 

 


Últimas Notícias

Casal segura papel digitado à mão. Contrato de aluguel social já é uma realidade em Belo Horizonte

A primeira família assinou o contrato de aluguel no dia 14/11, na Urbel. A atual etapa do projeto contempla 202 idosos.

06/12/2019 | 11:41
Técnica do posto de saúde oferece vidro a mãe com bebê Regional Noroeste inaugura Unidade Coletora de Leite Materno e incentiva doação

O Centro de Saúde Bom Jesus busca alertar a sociedade para a importância do aleitamento materno.

02/12/2019 | 12:45