Pular para o conteúdo principal

Profissional da saúde realiza exame rápido em um paciente.
Foto: Karen Moreira/PBH

Testes rápidos agilizam diagnóstico

25/06/2018 | 15:40 | atualizado em 25/06/2018 | 17:02
A Prefeitura de Belo Horizonte disponibiliza diversos testes rápidos para identificação dengue, malária, hepatite B, HIV e sífilis. Este diferencial no diagnóstico apresenta uma série de vantagens tanto para os pacientes quanto para os profissionais. Testes rápidos são aqueles cuja execução, leitura e interpretação dos resultados são feitas em no máximo 30 minutos, sem a necessidade de uma estrutura laboratorial. Os testes laboratoriais convencionais são complexos e necessitam de estrutura laboratorial, além dos prazos de entrega do resultado serem mais longos.
 
Já os testes rápidos são uma alternativa aos métodos tradicionais, pois apresentam uma tecnologia inovadora que resume o trabalho a apenas uma etapa e apresentam uma série de vantagens: rapidez no resultado, dispensa equipamentos - já que é feito a partir de kits com os insumos -  e, ainda, auxílio na prevenção. Também facilita o diagnóstico e podem ser usados em situações em que os profissionais de saúde necessitem tomar decisões e assumir condutas imediatas. Trata-se de um recurso mais econômico, de fácil interpretação e a leitura pode ser feita a olho nu.
 
Além disso, sua utilização permite atender uma grande demanda e aumenta a agilidade da resposta aos usuários, assim como permite seu rápido encaminhamento para assistência médica e início de tratamento.
De acordo com a coordenadora municipal de Saúde Sexual e Atenção às DST/Aids e Hepatites Virais, Tatiani Fereguetti, Belo Horizonte tem experimentado um aumento na procura por testes rápidos de HIV, Hepatite B e Sífilis. “Esse é um movimento extremamente positivo e resultado de trabalho árduo de campanhas de conscientização e implantação capilarizada dos testes rápidos na Rede SUS-BH”. 
 
Segundo ela, a testagem é uma estratégia importante de prevenção, uma vez que possibilita diagnóstico e tratamento oportuno, interrompendo o processo de adoecimento e de transmissão de infecções sexualmente transmissíveis. “Entretanto, não se trata de uma estratégia isolada e não substitui nem reduz a importância do uso do preservativo em todas as relações sexuais”, completa.
 
Os testes rápidos de HIV, Sífilis e Hepatite B podem ser realizados nos centros de saúde, no Centro de Testagem e Aconselhamento Sagrada Família (rua Joaquim Felício, 141) e no Centro de Testagem e Aconselhamento Carijós (rua Carijós, 528, 5º andar, Centro). 
 
No caso de malária, qualquer unidade da Rede Municipal de Saúde pode fazer o atendimento e o encaminhamento de pacientes com suspeita da doença. É preciso estar atento ao histórico de deslocamentos (viagens) do paciente para áreas endêmicas, uma vez que o diagnóstico e tratamento precoces são fundamentais para melhorar o prognóstico e diminuir a letalidade da doença. Os testes rápidos para malária são realizados no Serviço de Atenção à Saúde do Viajante, mediante agendamento prévio por telefone. 
 
Durante o período noturno e aos fins de semana, o teste rápido de malária pode ser realizado nos hospitais Eduardo de Menezes (Barreiro), Odilon Behrens (Lagoinha) e Risoleta Tolentino Neves (Venda Nova).
 
A Secretaria Municipal de Saúde também realiza teste rápido para dengue. O teste, também conhecido como NS1, é feito até o quarto dia de início de sintomas para pacientes atendidos nas UPAs, Hospital Municipal Odilon Behrens e Hospital Infantil João Paulo II. Nos Centros de Saúde o NS1 é coletado seguindo critérios epidemiológicos e enviados para processamento nos Laboratórios próprios da SMSA. 
 

25/06/2018. Testes rápidos rede SUS. Foto: Karen Moreira/PBH