Pular para o conteúdo principal

Dez adultos, homens e mulheres, cinco deles com bonecas na mão, com roupas azul-acinzentadas por trás de uma grade com um vão no meio, no palco de um teatro. Foto da peça "Nos Porões da Loucura"
Foto: André Fossati

Teatro Marília retrata a história de hospital psiquiátrico

16/05/2017 | 13:24 | atualizado em 30/05/2017 | 16:33

O Teatro Marília recebe nos próximos finais de semanas o espetáculo “Nos Porões da Loucura”, do diretor Luiz Paixão. A montagem retrata os momentos difíceis vividos pelos pacientes portadores de sofrimento mental e os indesejados pela sociedade, internados no Hospital Colônia de Barbacena. A peça fica em cartaz de 19 de maio a 11 de junho, sextas e sábados, às 20h30, e domingos, às 19h. Os ingressos serão vendidos com duas horas de antecedência, na bilheteria do teatro, por R$30,00 reais (inteira), R$15,00 (meia), e R$12,00 (nos postos do Sinparc e pelo site www.vaaoteatromg.com.br). A bilheteria do teatro não aceita cartões.

 

Com direção e concepção de Luiz Paixão e produção de Ana Gusmão, “Nos Porões da Loucura” resgata a trajetória do Hospital Psiquiátrico de Barbacena que culminou com a morte de 60 mil internos desde sua fundação em 1903. Com inúmeros casos de negligência, abandono, crueldade e indiferença, a trajetória do hospital foi retratada na série de reportagens do jornalista Hiram Firmino, logo depois reunidas em um livro que inspirou a montagem. Decisivo para a luta antimanicomial e para a reforma psiquiátrica, o livro foi vencedor do Prêmio Esso de Jornalismo no ano de 1980, ganhando uma terceira edição lançada em maio de 2016 em uma programação especial integrada com o espetáculo.

 

Além do apoio em outras referências bibliográficas, como trabalhos acadêmicos e o livro “Holocausto brasileiro,” de Daniella Arbex, o elenco também contou com a assistência da equipe de profissionais do Hospital Raul Soares. Representantes da instituição acompanharam ensaios, prestaram consultoria com relação à caracterização dos personagens e prestaram todos os apoios solicitados durante todo o processo de pesquisa e produção da montagem.

 

Para a construção dos personagens, o diretor propôs uma pesquisa das fotos de pacientes do Hospital de Barbacena presentes em livros. Cada um dos nove atores do elenco escolheu uma imagem e, a partir de uma postura corporal, elaborou seu personagem.

 

O possível excesso de drama também foi pensado pelo diretor. Para não cair na emoção melodramática ou na crítica fácil e irresponsável, facilmente permitidos pelo tema, Luiz Paixão optou por duas instâncias de abordagem e concepção cênica, em uma relação oposta de aproximação e distanciamento, que pretende equilibrar e conduzir o público à emoção, mas, também, a ter uma visão crítica da história.

 

A montagem contou com colaboradores de renome. O conceituado estilista Ronaldo Fraga assina os figurinos em jeans, elaborados a partir de uma pesquisa estética e histórica. Já a trilha sonora é assinada por Marcus Viana, um dos principais compositores de música instrumental brasileira, responsável pelas trilhas de diversas novelas, como “Pantanal”, “O Clone” e “A Casa das Sete Mulheres”, e dos filmes “Olga”, “Filhas do Vento” e “O Mundo em Duas Voltas”.

 

Espetáculo “Nos Porões da Loucura”

De 19 de maio a 11 de junho | sextas e sábados, às 20h30, domingos, às 19h

Classificação: 16 anos

Teatro Marília (Av. Alfredo Balena, 586, Santa Efigênia)

Ingressos a R$30,00 (inteira), R$15,00 (meia) e R$12,00 (nos postos Sinparc)

Informações para o público: (31) 3277-6319