Pular para o conteúdo principal

Servidor usa extintor para apagar chama de foto

Servidores participam de Treinamento de Prevenção e Combate a Incêndio

08/10/2018 | 11:31 | atualizado em 08/10/2018 | 11:31

Prevenir incêndios, combatê-los e saber a forma correta de agir no momento em que eles ocorrem. Com esse objetivo, 29 servidores e trabalhadores da Coordenadoria de Atendimento Regional Pampulha participaram do Treinamento de Segurança e Combate a Incêndios: Extintores.
 

No treinamento, os participantes foram capacitados em técnicas de prevenção e combate à incêndio com a utilização de extintores e instruídos sobre procedimentos de emergência para abandono de edificação, possibilitando uma atuação mais segura no caso de algum incidente. Ministrado pelos técnicos Raquel Rocha e Antônio Oliveira, da Gerência de Segurança do Trabalho da Subsecretaria de Gestão de Pessoas, vinculada à Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão, o treinamento contemplou teoria e prática sobre o tema.
 

Os participantes aprenderam conceitos de fogo, incêndio, fonte de ignição e riscos de incêndio; técnicas de extinção de fogo; as classes de incêndio; os tipos de extintores; os cuidados necessários na utilização do extintor; a importância da inspeção periódica do equipamento; a necessidade da sinalização adequada dos locais onde estão fixados os extintores e os procedimentos de emergência que devem ser adotados em caso de incêndio. Além da parte teórica, foram aplicados exercícios interativos de simulação de evacuação de edificação e manuseio de extintores.
 

Assistente Administrativo na CARE-P, Camila Poliane Rabelo Amaral Abreu achou importante participar. “Gostei demais. Como cidadã, temos que saber como nos comportar em situações de risco. Em momentos de pânico, normalmente as pessoas não sabem o que fazer. Mesmo sendo um treinamento de curta duração, os técnicos mostraram o principal, proporcionando uma noção do que fazer nestas situações que pode até salvar vidas”, relatou.
 

Os participantes tiveram a oportunidade também de conversar sobre situações de acidentes com fogo nos lares e comparar exemplos de incêndios de grandes proporções que aconteceram no país, como no caso do Edifício Joelma (191 mortos em fevereiro/1974), da Boate Kiss (242 mortos em janeiro/2013) e, recentemente, do Museu Nacional do RJ (sem vítimas, setembro/2018).
 

Para a técnica Raquel Rocha qualquer instituição deve ter trabalhadores capacitados. “Ter os recursos e equipamentos necessários para a extinção de um princípio de incêndio não é suficiente, é preciso saber utilizá-los corretamente”, considerou. O técnico Antônio Oliveira destacou a importância da prevenção. “Capacitamos nossos colegas de trabalho para praticarem prevenção e saberem como proceder em caso de algum sinistro, buscando a preservação do patrimônio material e principalmente do patrimônio maior que é a vida”, definiu.
 

A coordenadora de Atendimento Regional Pampulha, Neusa Fonseca, salientou a necessidade dessa capacitação dos servidores para situações de risco. “É importante estabelecermos parcerias que contribuem para ampliar o olhar de todos nós quanto aos cuidados que devemos ter no ambiente de trabalho”, disse.