Pular para o conteúdo principal

Homem em marcenaria, cercado de materiais como serra, mesa para cortar e outros instrumentos, maneja a madeira de pallets.
Foto: Amira Hissa/PBH

Projeto proporciona novas oportunidades para população em vulnerabilidade social

15/01/2019 | 14:52 | atualizado em 05/04/2019 | 11:18
Com o objetivo de promover o desenvolvimento e autonomia de pessoas em vulnerabilidade social por meio de atividades que permitam a geração de renda, a Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania oferece aos moradores das Unidades de Acolhimento Institucional Anita Gomes dos Santos oficinas de marcenaria. O projeto Mãos da Rua surgiu a partir da experiência de um dos moradores da casa, e possibilita a produção de peças de marcenaria com pallets.

O marceneiro Antônio Rodrigues dos Santos, 63 anos, morador da casa, ensina o ofício a quem precisa. Ele explica que o projeto tem sido muito importante para a recuperação da sua autonomia. “Quando eu vim pra cá, eu vi o quanto o ambiente é bom. Todo mundo se gosta. E ter esse cantinho pra gente trabalhar e produzir as peças faz bem pra nossa autoestima. Eu penso em crescer mais, fazer mais peças e produzir peças maiores,” diz o morador.

Incentivado pelo Antônio, Mirley Rodrigues Campos, de 51 anos, começou a participar do projeto. O usuário explica que já atuou como carpinteiro e viu no Mãos da Rua a oportunidade de retomar o ofício e trabalhar. “O projeto está sendo ótimo. Recebemos muitos elogios de como nosso trabalho é bonito e bem-feito,” conta.

Assistente social que acompanha as oficinas, Sirlene Afonso das Graças relata que a expectativa é que o projeto se expanda e traga ainda mais oportunidades aos moradores das unidades de acolhimento. “Para as pessoas com trajetória de vida nas ruas, é um processo delicado conseguir um trabalho. Às vezes, nós nos deparamos com pessoas com trajetória de até 20 anos na rua. E trabalhar está ligado ao sentimento de pertencimento à sociedade. Nós, da equipe técnica, trabalhamos no sentido de empoderar os usuários do serviço”, ressalta a assistente social.
 


Unidades de Acolhimento Institucional Anita Gomes dos Santos

Localizadas no centro de Belo Horizonte e geridas pela Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania, as Unidades de Acolhimento Institucional Anita Gomes dos Santos (Anita 1 e Anita 2) foram entregues à população em dezembro de 2017 e têm capacidade para 120 moradores. O serviço é voltado para o público masculino adulto e atua com prioridade no atendimento técnico e acolhimento de pessoas em processo de saída das ruas. As unidades disponibilizam toda a estrutura necessária, como quartos identificados com o nome dos moradores, cozinha, refeitório e lavanderia equipados, sala de televisão e salas para execução de oficinas.

Há, ainda, uma equipe técnica, composta por assistentes sociais e psicólogos, com o objetivo de desenvolver o trabalho social de forma sistemática e continuada.

O objetivo principal das unidades de acolhimento da Prefeitura é a garantia da proteção social integral e da autossustentabilidade das pessoas em abrigo. A coordenadora das Unidades de Assistência Institucional Anita Gomes dos Santos, Valéria Gonçalves Vassalo, explica que a equipe está sempre apresentando e encaminhando usuários para oportunidades de profissionalização e inclusão socioprodutiva.
 
“Todo o trabalho social é movido em direção à independência e autonomia do usuário. Nós encaminhamos os usuários para vagas de emprego, cursos profissionalizantes, vagas para a Educação de Jovens e Adultos, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, entre outros. O objetivo é que eles recuperem seus projetos de vida, possam trabalhar e posteriormente ampliar sua cidadania e, até mesmo, recuperar seus vínculos familiares”, diz a coordenadora.

Os usuários contam com alimentação integral composta por café da manhã, almoço e jantar, preparada pelos funcionários da casa. É necessário, para uma boa convivência, que os moradores sigam regras, como os horários estabelecidos pela organização, e cumpram tarefas, como a manutenção da limpeza do espaço.
 
 

15/01/2019. Marcenaria Abrigo Anita. Fotos: Amira Hissa/PBH