Pular para o conteúdo principal

Atendimento domiciliar do Serviço de Proteção Social Especial para Pessoas com Deficiência e Idosas
Foto: Divulgação APAE

Programa social da Prefeitura completa dois anos com mais de 30 mil atendimentos

25/11/2020 | 14:49 | atualizado em 25/11/2020 | 14:49

O Serviço de Proteção Social Especial para Pessoas com Deficiência, Idosas e suas Famílias, na modalidade atendimento em domicílio, completa dois anos neste mês com um saldo de mais de 700 usuários, totalizando em torno de 30 mil atendimentos no período.

 

Implantado em 2018, através de uma parceria entre a Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania, e a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) da capital, o serviço atende pessoas com deficiência e idosas com algum grau de dependência, que tiveram suas limitações agravadas por violações de direitos. O trabalho tem a finalidade de promover autonomia, inclusão social e melhoria da qualidade de vida dos usuários atendidos, assim como dos seus cuidadores e famílias.

 

O atendimento ofertado pelos cuidadores, psicólogos, assistentes sociais, terapeutas ocupacionais e supervisores que integram as equipes do serviço busca ampliar a rede de pessoas com quem a família do dependente convive, compartilha cultura, troca vivências e experiências.

 

A secretária municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania Maíra Colares explica os avanços que o serviço traz ao município, especialmente às famílias atendidas. “Nesses dois anos, a implantação do serviço já apresenta um impacto muito positivo no município. Percebemos uma redução significativa das situações de isolamento social, vulnerabilidade e risco a que os usuários estavam expostos. Outro avanço importante é evitar o acolhimento institucional, garantindo proteção e convivência familiar, com o apoio do poder público”, conta a secretária.

 

“A intervenção será sempre voltada a diminuir a exclusão social tanto do dependente quanto do cuidador, a sobrecarga decorrente da situação de dependência e da prestação de cuidados prolongados, bem como a interrupção e superação das violações de direitos que fragilizam a autonomia e intensificam o grau de dependência dos usuários”, informa Régis Spíndola, diretor de Proteção Social Especial da Subsecretaria de Assistência Social.

 

“O serviço desenvolve autonomia das pessoas atendidas, garante o acesso aos direitos socioassistenciais, previne situações de isolamento social e fortalece vínculos com as famílias e com a comunidade, garantindo maior qualidade de vida para as pessoas atendidas”, explica Maria Tereza Feldner, presidente da APAE/BH.

 

 

Famílias atendidas

A qualidade de vida dos usuários atendidos pelo serviço é o foco primordial dos trabalhadores. “Depois que Dona Luzia começou a realizar os atendimentos aqui, parece até que a gente tem mais saúde, porque ela cuida muito da gente, é muito cuidadosa, muito carinhosa. A gente não tem nada o que reclamar dela, tem muito é que agradecer”, relata a usuária Maria Elite, moradora da Regional Noroeste.

 

Já dona Neide Duarte, moradora da Regional Norte, conta como viu sua vida mudar após ser atendida pelas equipes do serviço. “Após a entrada do serviço, minha vida mudou demais. Eu não fico parada, eu não fico com a mente vazia. A minha mente agora está sempre ocupada”.

 

Cuidar das famílias, principalmente das pessoas que atendem diretamente das pessoas idosas ou com deficiência em casa é tão importante quanto os cuidados com o usuário em si. “Após a entrada do serviço em minha casa, o Felipe teve uma melhora muito grande. Tá a cada dia evoluindo mais. Agora eu saio pra resolver as coisas, tenho mais tempo, antes não tinha tempo para nada. Antes eu sentia muita depressão, chorava muito. Agora não, estou mais light”, destaca Maria das Dores Rocha, mãe do usuário Felipe, moradores da Regional Norte da cidade.

 

“Era muito difícil pra mim quando o João estava doente, pra dar banho, cuidar… Era muito pesado, eu não aguentava. Mas depois que a Lu (cuidadora) veio pra cá, melhorou tudo. O João está tomando banho, já está se movimentando, em breve vai estar andando e eu estou muito feliz por isso. Agradeço muito por esse trabalho”, destaca Cleuza Silva, esposa de usuário da Regional Norte.

 

Os critérios para inserção no serviço e como buscar atendimento estão disponíveis no Portal de Serviços da Prefeitura.