Pular para o conteúdo principal

Presépio Ecológico com personagens em topiaria.
Foto:.Suziane Fonseca

Presépio Ecológico pode ser visitado até o dia 7 de janeiro

28/12/2017 | 15:15 | atualizado em 29/12/2017 | 13:01

Quem deseja curtir um pouco mais do clima natalino juntinho dos amigos e parentes, não pode perder a oportunidade de visitar de perto o Presépio Ecológico da Fundação de Parques Municipais e Zoobotânica de Belo Horizonte, que estará aberto até o dia 7 de janeiro, das 9h às 16h30. Considerado uma verdadeira obra de arte ao ar livre, o presépio é formado por um conjunto de 28 peças feitas em topiaria (técnica milenar originária dos Jardins da Babilônia), em tamanho natural, que retratam além das figuras da Sagrada Família (José, Maria e Menino Jesus), os três Reis Magos (Gaspar, Baltazar e Belchior) e 19 réplicas de animais dos cinco continentes, como elefantes, onça, lobo-guará, casuar, camelo, cervo-nobre, entre outros.

Cada peça é composta por uma armação de ferro coberta por materiais biodegradáveis e recicláveis como bagaço de cana, resíduo de celulose e papel picado, estimulando a preservação da natureza. Para dar acabamento e cor ao cenário, é utilizada uma trepadeira, a hera (Ficus pimula), planta que recobre todas as esculturas.

O Presépio Ecológico foi inaugurado pela Prefeitura em 2001 e um dos objetivos é estimular as pessoas a terem respeito à vida e a valorizar a harmonia entre os seres humanos, animais e plantas, demonstrando a importância da preservação e da celebração das diversas formas de vida, especialmente no momento das festividades natalinas.
 

Topiaria

A palavra vem do latim topiarius e significa “a arte de adornar jardins”. É uma técnica de jardinagem que tem por objetivo dar formas esculturais às plantas. A prática da topiaria é antiga, mas ficou ainda mais conhecida nas mãos de Edward, personagem do filme “Edward mãos de tesoura”, estrelado por Johnny Depp, em 1991. Conhecem-se evidências de prática de topiaria desde os romanos, tendo a arte sido retomada com vigor no Renascimento italiano e culminando com André Le Nôtre, o criador dos jardins de Versalhes em 1662, com a utilização de várias espécies (principalmente o buxo) para obter formas cônicas e piramidais.

Para "esculpir" uma planta são necessários vários anos de intervenções que consistem, entre outras técnicas, em utilizar estacas e armações para guiar o crescimento e obter as formas que de outra maneira seriam impossíveis de conseguir.

Algumas das espécies vegetais utilizadas, além do buxo, são as dos gêneros Ligustrum (lentiscos), Lantana (lantana), Lonicera (madressilvas) e Hedera (hera), ou Prunus laurocerasus (o louro-cerejo) e o alecrim.

O Jardim Zoológico da Fundação de Parques Municipais e Zoobotânica de Belo Horizonte, onde se encontra o presépio, fica na avenida Otacílio Negrão de Lima, 8.000, na Pampulha. O funcionamento do zoológico é de terça a domingo, das 8h às 17h. A visitação ao presépio é aberta às 9h e vai até as 16h30. 

 

28/12/2017. BH em Cantos Presépio topiaria da FZB-BH. Fotos: Suziane Fonseca/FPMZB