Pular para o conteúdo principal

Biofábrica de mosquitos com Wolbachia
Foto: Divulgação/PBH

Prefeitura usa drones para o combate à Dengue e outras arboviroses em BH

criado em 24/05/2021 - atualizado em 24/05/2021 | 16:28

Em meio aos esforços de enfrentamento à Covid-19, a Prefeitura vem investindo nos cuidados para evitar a proliferação do Aedes aegypti, transmissor da dengue, Zika e Chikungunya na capital. Em uma parceria com a Vale, estão sendo usados até 22 drones no monitoramento e combate de focos do mosquito pela cidade. 

 

A tecnologia inovadora usada pela Secretaria Municipal de Saúde facilita o processo de identificação de focos em locais de difícil acesso para as equipes de Agentes de Combate a Endemias, como imóveis vazios, telhas e lajes de empreendimentos. 

 

Os equipamentos possuem um sistema de monitoramento capaz de mapear criadouros como caixas d'água e outros depósitos, especialmente em imóveis abandonados e lotes vagos, fazer o cálculo do volume de água acumulada e realizar a aplicação de larvicida diretamente no local. A substância não traz nenhum prejuízo ao meio ambiente, além de ser aprovada pela Anvisa e recomendada pela Organização Mundial da Saúde para o combate ao Aedes aegypti. 

 

Toda a cidade está sendo mapeada e os criadouros tratados, conforme necessidade identificada pela Secretaria Municipal de Saúde, em uma ação complementar às visitas domiciliares dos Agentes de Combate a Endemias da Prefeitura. A iniciativa não interfere nas demais ações desenvolvidas pelo município e não substitui as inspeções semanais que cada morador deve realizar para eliminar os potenciais criadouros como prato de vasos de plantas, caixas d‘água destampadas e calhas entupidas, por exemplo. 

 

Número de casos 

 

Em 2021, até 20 de maio, foram confirmados 543 casos de Dengue em Belo Horizonte. Há 679 casos notificados pendentes de resultados. Foram investigados e descartados 2.574 casos. 

 

Foram notificados ainda 28 casos de Chikungunya em residentes de Belo Horizonte. Desses, 21 foram casos confirmados, sendo sete importados, 12 autóctones e dois em local de origem indefinida. Há sete casos em investigação para a doença. 

 

Em todos os locais com suspeita de casos de Chikungunya, a Secretaria Municipal de Saúde intensificou as ações de combate ao vetor, como uma estratégia para evitar a ocorrência de epidemias.