Pular para o conteúdo principal

Duas senhoras idosas sentadas em um sofá, em uma sala, durante o dia.
Foto: Patricia Nogueira/PBH

Prefeitura capacita cuidadores de idosos do Programa Maior Cuidado

28/11/2019 | 12:06 | atualizado em 28/11/2019 | 12:06

A Prefeitura de Belo Horizonte está capacitando cuidadores de idosos para atuar no Programa Maior Cuidado – que já atendeu mais de 2 mil pessoas desde a criação. Esses profissionais atendem os idosos em casa, em dias e horários definidos por uma equipe multidisciplinar. Além deles, supervisores e cuidadores substitutos compõem a equipe técnica.

 

O objetivo do curso é qualificar esses profissionais para o atendimento ao idoso em situação de vulnerabilidade e fragilidade na própria casa, além de trabalhar os limites e os desafios do cuidado.

 

Por meio da arte, de recursos da natureza e de narrativas visuais, a formação explora o conceito de genealogia e de família, fortalecimento da cultura familiar e afetiva e a identidade de cada participante, estimulando a autonomia dos cuidadores.

 

A metodologia, que conta com quatro módulos, propõe trabalhar com o cuidador questões de história de vida, família, lutos e elementos de memória do cuidador para que, a partir de sua própria história de vida, perceba a história e vivências do idoso.

 

O Programa Maior Cuidado está presente nos territórios de abrangências dos Centros de Referência da Assistência Social (CRAS). Catarina Antônia Kolansk é uma das nove supervisoras e relata que a capacitação trouxe uma visão mais ampla do trabalho e a ajudou a compreender cada história do idoso que acompanha.

 

“O módulo que abordou as perdas e finitude me emocionou muito. Após a capacitação e no decorrer da semana, ao acompanhar uma idosa de 74 anos ela relatou situações que nunca havia falado para ninguém. Ela fez um resgate na memória de todas as lembranças e chorou bastante. Lembrei-me da formação e tive estrutura diante da grandeza da situação. Se não fosse a experiência e as estratégias de intervenção aprendidas anteriormente, talvez não tivesse estrutura de ouvir e não conseguiria auxiliá-la de maneira que trouxesse bom resultado e que ela se sentisse bem”, afirma.

 

Para a professora e arte educadora Dulce Couto, uma das responsáveis pela realização das oficinas, essa formação é diferenciada, pois propõe sensibilizar o profissional por meio de processos de experimentação.

 

“A proposta da formação é qualificar a atenção no domicílio a partir das experiências vivenciadas pelo próprio cuidador, promovendo uma escuta qualificada. Permitimos que o cuidador vivencie situações que geralmente o idoso tem para oferecer e que envolvam as histórias de vida dele. Na maioria das vezes ninguém tem paciência para escutar. Às vezes o idoso guarda um objeto que tem uma história, mas ninguém quer saber dela, joga fora porque quer o local limpo”, ilustra.

 

 

Programa Maior Cuidado

O Programa é voltado às pessoas idosas dependentes e semidependentes que apresentam limitações, restrições ou impedimento de acesso à rede socioassistencial e intersetorial relacionadas à situação de dependência de cuidados de terceiros, à mobilidade reduzida ao ambiente domiciliar, à fragilização dos vínculos protetivos e de cuidado no ambiente domiciliar.

 

Eurides Veiga, 85 anos, mora com sua irmã Eriedina, 63 anos, que começou a ser atendida pelo Programa Maior Cuidado em março de 2017. Eurides é viúva e ajudava a mãe nos cuidados com sua irmã mais nova, que é semidependente, e necessita de ajuda para algumas atividades.

 

“Desde que minha mãe faleceu, há oito anos, passei a cuidar sozinha da minha irmã. E, desde 2017, a presença da cuidadora tem dividido os esforços, auxiliado nos cuidados e proporcionado conhecimentos. A cuidadora passa uma tranquilidade e tem um carinho e um jeitinho todo especial. Ela auxilia no banho, no café e até trouxe livros para minha irmã desenhar”, conta.

 

 

Como acessar

Para acesso ao Programa, os idosos são identificados a partir do acompanhamento de famílias, realizado pelas equipes do Serviço de Proteção e Atendimento Integral às Famílias (PAIF), nos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), pelas Equipes de Saúde da Família e do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF) nos centros de saúde.

 

A identificação também acontece por demanda espontânea, por meio de busca ativa e por encaminhamento da rede socioassistencial e das demais políticas públicas da cidade.

 

O acompanhamento se encerra com a reabilitação ou óbito do idoso. O desligamento também pode ocorrer por opção da família, quando ela passa a ter condições de prover o cuidado, ou por recusa do idoso, e se ele for acolhido em instituição de longa permanência. Há idosos sendo acompanhados pelo Programa nas nove regionais da cidade em 26 Centros de Referência da Assistência Social.

 

 

28/11/2019. Prefeitura promove formação para cuidadores de idosos do Programa Maior Cuidado. Fotos: Divulgação/PBH


Últimas Notícias

Funcionários da Sudecap fazendo manutenção na Vila Bernadete, no Barreiro, após as chuvas Prefeitura deixa Sudecap de plantão 24h por dia para fazer manutenção na cidade

Sempre que a chuva diminui de intensidade ou cessa, as equipes atuam desobstruindo vias e suprimindo e podando árvores.

26/01/2020 | 19:26
Agentes da Defesa Civil durante vistorias na Vila Biquinhas PBH recebe mais de 1.200 solicitações de atendimento até a tarde deste domingo

A maior quantidade de solicitações registradas nos últimos dias foi nas regionais Barreiro, Oeste, Noroeste e Pampulha.

26/01/2020 | 19:11