Pular para o conteúdo principal

Vista aérea de Parque das Mangabeiras durante o dia.
Foto: Divulgação PBH

Prefeitura anuncia fechamento temporário de parques

07/12/2017 | 16:27 | atualizado em 26/12/2017 | 09:38

1.  A Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, após resultado laboratorial, confirma a morte por febre amarela de primata não humano encontrado no Parque das Mangabeiras; 


2.    As seguintes medidas de controle e prevenção foram executadas antes mesmo do resultado laboratorial:
•    Imediato recolhimento do primata não humano morto e envio para pesquisa de febre amarela, após notificação pela equipe do Parque das Mangabeiras;
•    Recomendação para fechamento do Parque das Mangabeiras e Parque Serra do Curral;
•    Realização de ação de “pente fino” no entorno do parque para eliminar possíveis focos do Aedes aegypti, que em ambiente urbano pode transmitir a febre amarela;
•    Monitoramento da infestação do Aedes aegypti, por meio das armadilhas de oviposição (ovitrampas); 
•    Aliadas ao controle vetorial foram intensificadas as ações de educação em saúde e sensibilização da população local para a eliminação de focos do mosquito; 
•    Verificação da situação vacinal da população e orientação para procurar um centro de saúde para receber a vacina contra a febre amarela, caso não tenha recebido nenhuma dose anterior, e não pertença ao grupo para o qual a vacina é contraindicada.

3.    É importante que a população entenda que esses primatas não transmitem a febre amarela, os animais doentes ou mortos que são encontrados são importante sinal para vigilância da circulação do vírus.

4.    Reforçamos que a Prefeitura de Belo Horizonte, desde o início do ano, diante da epidemia de febre amarela ocorrida na região leste no estado de Minas Gerais, tomou medidas que impediram a ocorrência de casos humanos no município. Somente no ano de 2017 foram vacinadas mais de 716.000 pessoas, alcançando uma cobertura vacinal de 83%. A vacina contra a febre amarela está disponível em todos os centros de saúde da capital. Não há casos humanos em ambiente urbano desde 1947.