Pular para o conteúdo principal

Ilustração em 3D do jardim sensorial, um dos locais que serão construídos onde funcionava a antiga Estação de Reciclagem da SLU, no bairro Estoril.
Arte: PBH

PBH transforma área degradada em centro de agroecologia e educação ambiental

27/11/2019 | 12:16 | atualizado em 27/11/2019 | 14:27
O local onde funcionava a antiga Estação de Reciclagem da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU), no bairro Estoril, vai dar lugar ao Centro Municipal de Agroecologia e Educação Ambiental para Resíduos Orgânicos (Cemar) – um novo espaço de convivência para a comunidade previsto para ser inaugurado no ano que vem. O Centro ocupará uma área que, desde a desativação da estação, em 2012, estava degradada, com erosões e incomodava os moradores da região. 
 

O Cemar terá jardins, pomares, estufas, viveiros de mudas e plantas medicinais, pista de caminhada e uma academia a céu aberto. No local serão produzidos alimentos, sementes e insumos que poderão ser usados nos sistemas agroecológicos da cidade.

 

Outra novidade será o jardim sensorial, formado por plantas com características que despertam outros sentidos além do paladar, como o tato e o olfato. O jardim terá uma proposta inclusiva com os canteiros mais altos, para facilitar o acesso aos cadeirantes. O Centro abrigará também um projeto educativo, focado nas boas práticas relacionadas à alimentação e aos resíduos orgânicos.

 

A recuperação do terreno já foi feita pela Prefeitura, com a contenção da erosão e a limpeza das canaletas de drenagem. A pista de caminhada também já está pronta. A previsão é que o Cemar seja inaugurado em 2020. O empreendimento é uma parceria da SLU, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e da Secretaria de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania, por meio da Subsecretaria de Segurança Alimentar e Nutricional.

 

De acordo com a chefe do Departamento de Políticas Sociais e Mobilização da SLU, Ana Paula da Costa Assunção, toda a produção e as oficinas educativas terão como premissa o ciclo do resíduo orgânico, desde o plantio do alimento até a destinação do lixo gerado. “Vamos ensinar, por meio de oficinas, a compostagem, um processo em que os restos dos alimentos são transformados em composto orgânico, que pode ser usado como adubo. Qualquer pessoa pode produzir este material no próprio domicílio, em pequenos espaços”, diz.

  

Ana Paula conta que a compostagem pode contribuir significativamente para uma menor geração de lixo na cidade. “Hoje, metade dos resíduos coletados pela SLU são orgânicos. O Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos de Belo Horizonte tem como uma de suas diretrizes ações de educação ambiental para minimizar a geração deste lixo. Para isso precisamos disseminar a compostagem doméstica”, afirma.

 

Oficinas sobre hortas suspensas, hortas verticais e plantio de mudas em pequenos espaços são outros exemplos de atividades que serão ofertadas. “Vamos trabalhar com a população uma nova relação com o alimento. Ao consumir alimentos naturais, você evita embalagens e gera menos resíduos, diminuindo os impactos ambientais”, diz.

 

 

Antiga Estação de Reciclagem de Entulho

A Estação de Reciclagem de Entulho da SLU foi inaugurada em 1995, período em que os bairros Estoril e Buritis passavam por uma grande expansão com o aumento das construções.  O local passou a receber o entulho gerado pelas construtoras de forma gratuita, evitando o surgimento de bota-foras clandestinos. O entulho era reciclado e usado em pavimentação de vias e na produção de ecoblocos.

 

Com o passar dos anos, os bairros cresceram ainda mais e o surgimento de prédios e casas muito próximas à estação tornou inviável o funcionamento da unidade, que foi fechada e teve suas atividades transferidas para a Central de Tratamento de Resíduos Sólidos da BR-040.

 

Em 2018, a SLU iniciou estudos visando dar uma nova destinação ao espaço e a opção foi a implantação do Cemar. “A ideia era dar ao local uma destinação que requalificasse a área do ponto de vista ambiental e que pudesse integrar a comunidade”, explica Ana Paula.

 

Para o presidente da Associação dos Moradores do Bairro Estoril, Maurício Pacelli Machado, a implantação do Cemar é uma boa notícia para o bairro e região. “Vai ser um espaço referência não só para o bairro, mas para toda a cidade. A receptividade dos moradores ao projeto tem sido grande”, diz. Entre os benefícios, ele destaca o trabalho educativo que será desenvolvido com alunos das escolas e moradores da região.

 

Na avaliação de Maurício Machado, a integração dos órgãos da Prefeitura envolvidos com o Cemar merece elogios. “É dessa forma que devem ocorrer as políticas públicas, em conjunto. Esta conexão entre os órgãos é muito importante e o impacto será positivo para todos”, garante.

 

 

27/11/2019. Prefeitura transforma área degradada em centro de agroecologia e educação ambiental. Fotos: Divulgação/PBH


Últimas Notícias

Duas mulheres sentadas em barraca de vendas de artesanato Sagrada Família terá feira de artesanato e comidas a partir de domingo, dia 19

A feira faz parte do Programa Jornada Produtiva, que cria novas oportunidades de trabalho e renda e regulariza a situação de trabalhadores.

17/01/2020 | 17:58
Caçamba na margem da rua, durante o dia. Prefeitura intensifica fiscalização de caçambas em toda a cidade

A Lei 11.212/20 altera o Código de Posturas,determina apreensão do equipamento e aplicação imediata de multa à empresa ou à quem a contratou

17/01/2020 | 12:43