Pular para o conteúdo principal

Prefeitura promove atividades culturais com acessibilidade para pessoas com deficiência
Foto: Ricardo Laf

PBH promove atividades culturais com acessibilidade para pessoas com deficiência

criado em 31/10/2022 - atualizado em 31/10/2022 | 16:08

Os equipamentos culturais públicos municipais realizam diversas atividades que garantem a acessibilidade para pessoas com deficiência. Entre elas, estão previstas para o mês de novembro exibição de filmes, visitas mediadas às exposições, narração de histórias e oficinas. A programação acontece em museus, bibliotecas e outros equipamentos culturais geridos pela Secretaria Municipal de Cultura e Fundação Municipal de Cultura. Toda a programação é gratuita e pode ser consultada no Portal Belo Horizonte.

 

A secretária Municipal de Cultura, Eliane Parreiras, destaca a importância da acessibilidade contemplada nas políticas públicas culturais do município. “Garantir a acessibilidade é de extrema importância para o efetivo acesso democrático aos bens culturais. A programação disponibilizada permite a todos a fruição das ações culturais contribuindo para a inclusão, o acesso e a formação cidadã", afirma.

 

A presidente da Fundação Municipal de Cultura, Luciana Féres, celebra a programação.  "Além de promover a acessibilidade nas atividades, a programação contempla atividades formativas que promovem o conhecimento sobre como se fazer atividades culturais acessíveis. Um exemplo é a oficina de Audiodescrição, que colabora para a formação de agentes culturais que pensem na promoção e inclusão social por meio da cultura", destaca.

 

A Biblioteca Pública Infantil e Juvenil de Belo Horizonte (BPIJ-BH) recebe no dia 09 de novembro, das 14h às 17h, a oficina “Introdução à audiodescrição de imagens estáticas”, com Cleide Fernandes, coordenadora do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de Minas Gerais. A atividade tem como objetivo apresentar os fundamentos, técnicas e princípios da audiodescrição aplicados a imagens estáticas no contexto de equipamentos culturais. A audiodescrição é um recurso de acessibilidade comunicacional que permite a tradução intersemiótica de imagens em palavras. A atividade faz parte do ciclo de "Encontros Formativos - Leitura, Literatura, Livro e Bibliotecas", promovidos pela Gerência de Bibliotecas da Fundação Municipal de Cultura.

 

Já nos dias 17, 18 e 19 de novembro, a BPIJ-BH promove a Mostra "Era Uma Vez", de Narração de Histórias, organizada coletivamente pelo Grupo Voluntário de Contadores de Histórias, que desenvolve atividades na biblioteca já há 30 anos, e pela equipe da biblioteca e do Projeto Promoção da Leitura. O objetivo do evento é celebrar contadoras e contadores de história da cidade que se formaram no grupo, bem como homenagear aqueles que nos deixaram ao longo desses anos. Toda a programação contará com a participação de intérpretes de libras e mediação de Rodrigo Teixeira.

 

A acessibilidade também está disponível no audiovisual com a Sessão Azul, realizada no dia 19 de novembro, às 16h30, no Cine Santa Tereza. A atividade é voltada para todos os públicos com atenção especial às pessoas com transtorno do espectro do autismo. Para isso, o cinema oferece adaptações para tornar a experiência do cinema mais confortável para famílias e crianças, com o ambiente adaptado, com meia luz, som mais baixo e livre acesso à sala de exibição.

 

Em referência ao mês da Consciência Negra, a Sessão Azul exibirá cinco curtas metragens brasileiros, voltados para o público infanto-juvenil, que trazem em seu enredo o protagonismo de crianças negras. Serão exibidos os filmes Vai dar Samba (2010), de Humberto Avelar; Reisado Miudim (2008), de Petrus Cariry; Maré Capoeira (2005), de Paola Leblanc; Carreto (2009), de Cláudio Marques e Marilia Hughes Guerreiro; e Picolé Pintinho e Pipa (2006), de Gustavo Melo. Os ingressos são gratuitos e podem ser retirados pelo site diskingressos.com.br ou na bilheteria do cinema. A classificação indicativa da sessão é livre.

 

A Casa do Baile - Centro de Referência de Arquitetura, Urbanismo e Design também desenvolve três  atividades culturais com acessibilidade. No dia 18 de novembro, às 19h, a Casa do Baile - Centro de Referência de Arquitetura, Urbanismo e Design recebe o Circuito Municipal de Cultura com a Primeira Mostra CRDança BH - Todo mundo pode dançar, com a atração "Danceability", durante o evento Noturno nos Museus. A atividade mostra os resultados da oficina ministrada por  Renata Mara (pessoa cega) e Samuel Samways, que utiliza os princípios do método DanceAbility, para pessoas com deficiência e sem deficiência.

 

Outra atividade acessível é a visitação ao espaço de quarta a domingo, de 10h às 18h, que conta com maquete tátil, materiais táteis e audiodescrição do espaço, além da disponibilização de vídeo com visita em Libras. Com isso, a visitação é acessível para pessoas com deficiência visual (cegueira e baixa visão), crianças, pessoas com deficiência intelectual, pessoas com transtorno do espectro autista, pessoas surdocegas, pessoas com deficiência auditiva e comunidade Surda. O centro de referência também realiza no dia 16 de novembro, das 9h às 12h, a atividade “Encontros de Acessibilidade”, voltada para o público interno, com os servidores que atuam no educativo. O encontro formativo será dos educadores do Museu Casa Kubitschek e da Casa do Baile com o Mudevi (Movimento Unificado de Deficientes Visuais de Belo Horizonte), a fim de desenvolver metodologias de mediação voltadas para pessoas com deficiência visual nos espaços museais.

 

O Museu Casa Kubitschek também oferece visita mediada para pessoas com deficiência à exposição “Trama: processos educativos na Pampulha”, que reúne os projetos “Bordando Memórias” e “Lab Design”, colocando a casa modernista que abriga o museu em diálogo com bordados e protótipos de objetos de design inspirados no território Pampulha. O museu disponibiliza audiodescrição do espaço, toque em elementos da arquitetura, mobiliário e bordados selecionados. O funcionamento do museu é de quarta-feira a domingo, das 10h às 18h. As visitas podem ser agendadas previamente e já conta com agenda para usuários do Centro de Convivência Cézar Campos, da Prefeitura de Belo Horizonte, no dia 9 de novembro, às 14h; e um atendimento ao grupo de mulheres do Movimento Brasileiro de Mulheres Cegas e com Baixa-visão, no dia 10 de dezembro, 9h.

 

O Museu da Imagem e do Som de Belo Horizonte também oferece atividades com acessibilidade. A exposição Cine Jornais em Belo Horizonte, que está em cartaz, conta com todos os vídeos em libras. Além das libras, “cabines” de alto-falantes fazem com que o visitante cego consiga escutar o conteúdo dos filmes.  Ao longo da exposição o público é convidado a “viajar” ao século passado, de encontro a uma Belo Horizonte bem diferente da cidade que vivenciamos nos dias de hoje.  As construções, o trânsito, a densidade demográfica, a vegetação, a moda, entre outros, são aspectos visíveis desta transformação e podem ser observados no percurso expositivo.

O museu conta com acessibilidade para cadeirantes e o horário de funcionamento é de quarta a sábado, das 11h às 18h.  A instituição possui sinalizações em braile para os sanitários e bebedouros.

 

Serviço

Biblioteca Pública Infantil e Juvenil de Belo Horizonte (BPIJ-BH)

Rua Guaicurus, 50 - Centro, Belo Horizonte

 

Casa do Baile - Centro de Referência de Arquitetura, Urbanismo e Design

Av. Otacílio Negrão de Lima, 751 – Pampulha

 

Cine Santa Tereza

Rua Estrela do Sul, 89 - Santa Tereza

 

Museu Casa Kubitschek

Avenida Otacílio Negrão de Lima, 4.188, Bandeirantes – Pampulha

 

Museu da Imagem de Som de Belo Horizonte - MIS BH

Av. Álvares Cabral, 560 – Lourdes