Pular para o conteúdo principal

O Comandante da Guarda Civil Municipal de BH, Sérgio Prates; o prefeito de BH, Alexandre Kalil; o subsecretário de Proteção e Defesa Civil, Coronel Waldir Figueiredo Vieira; e o secretário municipal de Obras e Infraestrutura, Josué Valadão; sentados, nesta ordem, em entrevista coletiva no salão nobre da PBH.
Foto: Amira Hissa/PBH

Prefeitura inova em parcerias e tecnologia para prevenção de enchentes

26/09/2019 | 19:29 | atualizado em 14/08/2020 | 16:45

O prefeito Alexandre Kalil, acompanhado do secretário municipal de Obras e Infraestrutura, Josué Valadão, e do subsecretário de Proteção e Defesa Civil, Coronel Waldir Figueiredo Vieira, concedeu, na manhã desta quinta-feira, dia 26 de setembro, entrevista coletiva sobre as ações e inovações para aumentar a capilaridade dos alertas para o enfrentamento do período chuvoso 2019/ 2020, que se inicia neste mês de outubro. “Viemos aqui para apresentar à população de Belo Horizonte um trabalho que foi feito desde as últimas chuvas. Este trabalho está finalizado com novas parcerias e mais modernização”, afirmou Kalil.

 

O subsecretário municipal de Proteção e Defesa Civil, Coronel Waldir Figueiredo, destacou que os alertas para a população são fundamentais para mitigação dos riscos. “Nos meses que antecedem ao período das chuvas foram firmadas parcerias que vão aumentar a divulgação dos alertas preventivos de chuvas fortes, granizo, tempestades, vendavais, alagamentos, risco de deslizamentos de terra e outros fenômenos meteorológicos”, disse. O subsecretário Coronel Waldir explicou que foi firmada uma parceria com a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) para a divulgação das mensagens. “Os usuários vão receber os alertas por meio do sistema de som dos trens e das 19 estações e de campanhas permanentes nos mais de 300 monitores instalados nos trens”, completou.

 

Os alertas preventivos também serão divulgados para motoristas. Por meio do aplicativo de mobilidade, a Defesa Civil vai enviar alertas preventivos aos motoristas e bloquear vias que possam ser atingidas pelo transbordamento de córregos. Com a ação, o motorista será redirecionado para uma rota segura e longe dos possíveis riscos. “A experiência já foi reconhecida pela Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil e deve ser compartilhada com várias outras cidades do país”, esclareceu o subsecretário Coronel Waldir ao se referir à parceria inédita firmada com o Waze. 

 

Outra importante parceria estabelecida foi com a BH Airport, empresa que gerencia as atividades do Aeroporto Internacional Tancredo Neves. Os alertas preventivos serão disponibilizados nos painéis de chegadas e partidas de voos do principal aeroporto do Estado. O objetivo é informar aos passageiros as condições climáticas antes de se deslocarem ao seu destino.

 

Para o subsecretário Coronel Waldir, essas parcerias são fundamentais e vão aumentar muito a difusão dos alertas preventivos e colaborar na promoção de uma cultura de prevenção, percepção do risco e adoção de medidas de proteção por parte da população. “O monitoramento das condições climáticas que podem gerar algum tipo de risco é fundamental para salvar vidas. A Prefeitura de Belo Horizonte segue as recomendações do Marco de Sendai, principal instrumento orientador de redução de risco de desastres, adotado por países membros da Organização das Nações Unidas (ONU)”, disse.

 

 

 Envio de Alertas

Outra ação que foi reforçada durante a coletiva foi a ampliação de envio de alertas via SMS 40199 e TV por assinatura. A plataforma foi desenvolvida pela Defesa Civil Nacional, Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e operadoras de telefonia e está sendo viabilizada pelo Ministério do Desenvolvimento Regional.

 

Para se cadastrar no serviço de SMS basta o usuário enviar uma mensagem de texto com o CEP da sua rua para o número 40199 e uma mensagem de confirmação será enviada na sequência. O serviço não tem custo e, em Belo Horizonte, é utilizado por cerca de 190 mil pessoas.

 

O assinante de TV por assinatura das prestadoras Claro (NET), Vivo, Oi, Sky vão receber a mensagem de alerta em formato de um pop-up (imagem sobreposta à tela) com duração de dez segundos. O formato e a opção de fechá-lo podem variar de acordo com a prestadora, o modelo do equipamento (decodificador) e o plano contratado. O assinante do serviço não precisa realizar qualquer cadastro para receber as notificações. Segundo a Anatel, a capital mineira possui cerca de 500 mil assinantes de TV por assinatura.

 

Os moradores de Belo Horizonte também podem acompanhar os alertas e as recomendações da Defesa Civil por meio do Instagram, Twitter, Facebook e pelo canal público do Telegram no endereço “defesacivilbh”.

 

 

Saúde e Educação

Agentes Comunitários de Saúde e de Combate a Endemias, servidores dos 152 centros de saúde da Secretaria Municipal de Saúde e dirigentes e professores dos 500 estabelecimentos da rede municipal de ensino também atuar nas ações de conscientização realizadas pela Prefeitura. Eles vão participar de atividades de orientação para uma mudança de comportamento visando a redução de riscos, autoproteção e proteção comunitária. Serão distribuídos cerca de 300 mil panfletos com dicas de segurança.

 

 

Capacitação de Voluntários

Para ajudar no trabalho de prevenção e de socorro, o Sistema Municipal de Defesa Civil conta com os Núcleos de Defesa Civil (Nudec). Eles são formados por cidadãos da comunidade que, através do trabalho voluntário e solidário, contribuem com ações preventivas nas áreas de risco, além de orientar e prestar socorro mais imediato nas situações de calamidade e emergência.

 

Durante o ano, eles participam de diversas atividades de capacitação oferecida pela Urbel, como curso de noções básicas do Programa Estrutural em Área de Risco (PEAR), visita às áreas de risco de deslizamento. Além de habilitar os participantes a identificar os tipos de risco geológico e os agentes (lixo, corte inadequado de barrancos, lançamento de água servida em encostas, e outros), a capacitação também oferece oficinas para implantação de hortas comunitárias em áreas remanescentes e treinamentos de formação e reciclagem ministradas pelo Corpo de Bombeiros.

 

Os integrantes do Nudec aprendem como agir e orientar os moradores nos períodos de chuvas intensas e prolongadas, sobre os indícios de trincas nas moradias, movimentação de terreno e elevação do nível das águas de córregos e ribeirões. Os voluntários também recebem os alertas de chuva que são transmitidos para a comunidade. A Prefeitura de Belo Horizonte conta com a participação de aproximadamente 400 voluntários dos Nudec’s, abrangendo 49 comunidades de todas as regiões da cidade.

 

Além dos Núcleos de Defesa Civil, a Prefeitura ainda conta com a participação dos Núcleos de Alerta de Chuva (NAC) que são formados por 400 voluntários moradores e trabalhadores que atuam em áreas de risco, alagamento e inundação. Estes voluntários têm um papel importante na mitigação de riscos em caso de chuvas fortes. Durante o ano eles participam de atividades de capacitação oferecidas pela Urbel e realizam treinamento de formação e reciclagem ministrado pelo Corpo de Bombeiros. Eles também aprendem como agir e orientar os moradores nos períodos de chuvas intensas e prolongadas e recebem os alertas de chuva que são transmitidos para a comunidade.

 

 

Ações de preparação e obras de prevenção de enchentes

O secretário de Obras e Infraestrutura, Josué Valadão, apresentou um panorama das ações integradas executadas no decorrer do ano pelos órgãos subordinados à Secretaria na preparação para o período chuvoso. De acordo com Valadão, nunca uma gestão investiu tanto em ações preventivas. “O prefeito determinou uma ênfase muito grande no período de preparação da estrutura da cidade para passar pelo período chuvoso da primavera e verão. Foram feitos investimentos expressivos em desassoreamento de bacias de detenção, limpeza de galerias, córregos, bocas de lobo, podas e supressões em toda a cidade”, disse.

 

São realizados diariamente pela Superintendência de Desenvolvimento da Capital (Sudecap) os serviços de limpeza, desobstrução e substituição de grelhas de bocas de lobo, com a remoção de lixo descartado irregularmente e de resíduos que escoam para a rede de microdrenagem. O trabalho é essencial para manter a capacidade da drenagem da cidade e mitigar os impactos das chuvas. Neste ano, até o final do mês de agosto, foram feitas 205 mil limpezas de bocas de lobo, com a remoção de aproximadamente 2,4 mil toneladas de resíduos, desobstruídos 28,3 km de rede e 2.000 grelhas foram trocadas. Os trabalhos de limpeza e manutenção das 14 bacias de controle de cheias existentes em Belo Horizonte foram intensificados, em um investimento que totaliza aproximadamente R$ 8 milhões para este ano de 2019.

 

Os cuidados com a arborização da cidade também são essenciais para evitar danos humanos ou materiais no período chuvoso. Até o momento, já foram realizadas mais de 29,4 mil podas e 7,8 mil supressões em toda a cidade pela Sudecap. São priorizadas as podas e supressões de árvores condenadas ou que possam representar riscos de causar danos e este ano serão investidos R$ 15 milhões nestes serviços.

 

O secretário destacou ainda que a Prefeitura finalizou este ano duas importantes obras para reduzir o risco de enchentes nas regiões do Barreiro e da Pampulha num total de cerca de R$ 203 milhões em investimentos. Uma no bairro Tirol, com a implantação de duas bacias que já estão funcionando e mais uma bacia nas proximidades do bairro Liberdade, que evitará inundações no aeroporto da Pampulha. Ainda na região do Barreiro, mais dois trechos na bacia do Córrego Bonsucesso tiveram obras iniciadas este ano, bem como outra obra iniciada no encontro dos córregos Olaria e Jatobá.

 

‘Uma obra importante que quase não aparece, mas já contribui para a solução do Vilarinho foi iniciada em maio no córrego Lareira, onde serão implantadas duas bacias. As bacias têm a função de reter e controlar a vazão da água, evitando inundações na avenida Doutor Álvaro Camargo”, disse Valadão. Também estão sendo feitas intervenções no córrego Marimbondo com a implantação de canais fechados, solução que percorre uma extensão de 1.140 metros. Os investimentos são da ordem de R$ 40 milhões.

 

Já na região Nordeste, a Prefeitura começou em janeiro a implantação de canal paralelo à canalização existente do Ribeirão do Onça, iniciando nas proximidades do cruzamento da avenida Cristiano Machado com avenida Risoleta Neves até a divisa com a faixa de domínio da CBTU dentro da Estação São Gabriel, numa extensão de 286,96 metros. No trecho final, próximo à faixa de domínio da CBTU, esta nova estrutura se interligará ao canal já existente do Ribeirão do Onça. O objetivo é duplicar o canal existente e, por consequência, aumentar a capacidade de vazão dos mesmos para conduzir águas das chuvas.  Estão sendo investidos cerca de R$ 35,9 milhões, com recursos provenientes do Fundo Municipal de Saneamento e do financiamento junto ao Governo Federal.

 

Além das obras já iniciadas este ano, o prefeito Alexandre Kalil assinou, na semana passada, dois contratos de financiamento com a Caixa Econômica Federal para viabilizar obras na área de saneamento na capital. O valor total do investimento será de aproximadamente R$ 160 milhões. A maior parte desse montante, cerca de R$ 147 milhões, será destinada às obras no córrego Cachoeirinha, a partir da avenida Bernardo Vasconcelos até o encontro com o ribeirão Pampulha, na altura da avenida Cristiano Machado.