Pular para o conteúdo principal

PBH desenvolve força-tarefa para resgate de ave na bacia da Pampulha
Foto: PBH/ Divulgação

PBH desenvolve força-tarefa para resgate de ave na bacia da Pampulha

criado em 31/10/2022 - atualizado em 31/10/2022 | 15:41

Equipes da Prefeitura de Belo Horizonte salvaram uma ave que havia se acidentado com um anel de plástico preso à cabeça, na Lagoa da Pampulha. O trabalho de resgate partiu de pessoas que passavam pelo local e avistaram o Biguá se debatendo, preso ao material. A ocorrência foi nesse domingo (30). 

 

Logo que acionada, a gerência de Defesa dos Animais da Secretaria Municipal de Meio Ambiente foi ao local, onde o animal foi resgatado com vida e encaminhado para tratamento em clínica parceira. A força-tarefa também contou com a participação de equipes do Complexo Público Veterinário, do Grupo de Resgate Animal vinculado à unidade, da Fundação de Parques Municipais e Zoobotânica e das equipes de resgate da UniBH. Essa última, cedeu o barco utilizado para chegada ao local e acolhimento da ave.  

 

O animal, que faz parte da avifauna presente na Bacia da Pampulha, precisou ser internado para tratamento das lesões e, tão logo se recupere, será devolvido ao habitat. Ele é uma das centenas de espécies que vivem na lagoa e seus arredores, e que são ameaçadas com o descarte inadequado de resíduos em espaços públicos.

 

A Prefeitura de Belo Horizonte, por meio das ações de manejo de fauna, preservação ambiental e monitoramento da Lagoa, trabalha constantemente para combater este tipo de prática. Outra estratégia, desenvolvida por meio de políticas públicas abertas à comunidade em escolas, Centros de Educação Ambiental, espaços públicos e meios de comunicação, consiste em alertar e instruir os moradores da capital a serem agentes multiplicadores da defesa do ecossistema urbano, através de atitudes conscientes e denúncias de atos infracionais.

 

De acordo com o gerente de Defesa dos Animais, Leonardo Maciel, a eficácia deste trabalho só será garantida por meio de uma construção a quatro mãos, onde poder público e comunidade atuam juntos no respeito ao meio ambiente. "Acidentes, que colocam em risco a vida de animais, a qualidade das nossas águas e permanência de áreas verdes, pode ser evitado ao passo que cada um fizer a sua parte. Jogar lixo na Lagoa da Pampulha é crime previsto por lei, com multa a quem o fizer, e a comunidade precisa se conscientizar que a eficácia de políticas como esta só é possível graças à responsabilidade coletiva", destaca.