Pular para o conteúdo principal

Técnica de fiscalização de BH aborda carro em Operação Oxigênico, durante o dia.
Foto: Breno Pataro/PBH

Operação Oxigênio realiza blitzes para combater poluição veicular

12/12/2018 | 14:34 | atualizado em 13/06/2019 | 14:23
Melhorar a qualidade do ar de Belo Horizonte e combater a poluição veicular em Belo Horizonte. Com esses objetivos, a Prefeitura, por meio do programa Operação Oxigênio, realiza blitzes e inspeções em ônibus, caminhões, utilitários, escolares, vans, ambulâncias e transporte de valores que circulam pelos principais corredores da cidade, além de pontos finais, garagens e estações de ônibus. As ações visam também a conscientizar motoristas e proprietários de veículos a diesel a realizarem regularmente a inspeção do nível de emissão de fumaça e melhorar o padrão de manutenção da frota em circulação na cidade.

As ações da Operação Oxigênio ocorrem diariamente e funcionam também de forma punitiva e flagrante. O trabalho é realizado pela Secretaria Municipal de Política Urbana, com coordenação e execução da Subsecretaria de Fiscalização, e conta com a atuação da BHTrans e da Polícia Militar de Minas Gerais. A medição da fumaça é feita após a avaliação visual e das faixas de rotação, quando é realizada a inspeção de opacidade das emissões. Os dados são enviados ao computador, que informa o resultado daquele veículo. A inspeção ocorre por meio de testes de aceleração e desaceleração do motor.

De acordo com a fiscal Bernadete Carvalho, a fumaça em excesso é sinal de falta de manutenção ou manutenção inadequada do veículo, uso de combustível de má qualidade e velas aquecedoras em mau estado, por exemplo. “Durante a abordagem o motorista recebe orientações educativas sobre a importância de realizar a manutenção preventiva e de regular o veículo. O cidadão deve ser parceiro do meio ambiente e da cidade. Os veículos são os grandes vilões da poluição atmosférica em qualquer capital”, disse.



Fiscalização

Motorista de uma empresa de transporte de Sabará, Adriano Barbosa conta que já foi abordado duas vezes pela blitz da Operação Oxigênio. “Acredito que esse trabalho da Prefeitura é muito importante. Mas é essencial que cada um faça a sua parte em prol da redução da poluição atmosférica. A correta manutenção do veículo pode contribuir bastante para o meio ambiente”, comentou.

O veículo do Adriano foi aprovado na blitz, mas os responsáveis pelos veículos irregulares são autuados e têm 15 dias para providenciar a manutenção e comprovar a conformidade no Ponto Fixo da Prefeitura (Via Expressa, 3.200, bairro Coração Eucarístico), onde ocorrem as inspeções veiculares após a autuação ou a convocação. O Ponto Fixo também atende veículos a diesel para vistoria espontânea, de caráter preventivo e sem punição, às terças e quintas-feiras. Em ambos os casos, é necessário agendar a inspeção pelo telefone (31) 3246-0193. O serviço é gratuito.

Já nas situações em que o veículo é reprovado, é emitido o auto de fiscalização, constando a data agendada para nova vistoria no Ponto Fixo. O proprietário recebe também o auto de infração e o selo de identificação do programa Operação Oxigênio é afixado no para-brisa. Este selo só é retirado quando comprovada a conformidade das emissões. Os valores das multas variam de R$ 372,89 a R$ 3.728,07.



Como denunciar

O cidadão também pode ajudar a Prefeitura realizando denúncias por meio do telefone 156 e via SAC WEB. Basta anotar a placa e informar o tipo de veículo. O proprietário é identificado e convocado para vistoria. Em relação a ônibus, é necessário informar a linha e o número que fica na lateral do veículo.



O que pode provocar a fumaça em excesso?

- Falta de manutenção ou manutenção inadequada do veículo
- Combustível de má qualidade
- Filtros sujos ou em mal estado de conservação
- Bicos injetores sujos, desregulados ou desgastados
- Velas aquecedoras em mau estado
- Pressão da turbina
 
 

12/12/2018. Operação Oxigênio. Fotos: Breno Pataro/Arquivo/PBH