Pular para o conteúdo principal

Obras de melhoria do ambiente urbano marcam ações de 2022 da PBH
Foto: Rodrigo Clemente/PBH

Obras de melhoria do ambiente urbano são destaque de 2022 da PBH

criado em 03/01/2023 - atualizado em 03/01/2023 | 12:47

O ano de 2022 foi marcado pelo intenso empenho da Prefeitura de Belo Horizonte em melhorar ainda mais o ambiente urbano da capital. Foram feitos investimentos em obras para evitar que a população ficasse exposta aos riscos e pudesse desfrutar de uma cidade mais feliz e bem cuidada. Dentre as ações estão o tratamento das bacias de córregos, implantação de jardins de chuva e limpeza de bocas de lobo, além das intervenções em locais com risco geológico e a retirada de moradores para locais mais seguros. O trabalho ocorreu ao longo de todo o ano para, assim, atuar preventivamente.  

Entre as principais ações é possível destacar a conclusão de 79 obras que ajudaram a eliminar o risco geológico nas vilas e favelas de diversas regiões da cidade, retirando 99 edificações da situação de risco alto e muito alto. Essas obras fazem parte do Programa de Gestão de Risco Geológico-Geotécnico que contempla um conjunto de mais de 200 obras emergenciais com previsão total de conclusão de 18 meses, com investimento de R$ 118 milhões. Dentre os locais que já receberam as melhorias estão a Pedreira Prado Lopes, bairros Mariano de Abreu I, II, III e IV, Pompeia e a rua Flavita Bretas, no Luxemburgo. Também foram realizadas 2.068 vistorias de identificação de nível de risco geológico e de monitoramento de áreas. 

Na Vila São Tomás, região Norte da cidade, e Aglomerado Santa Lúcia, região Centro-sul, 144 famílias receberam da Prefeitura um apartamento novo, construído por meio do Programa Vila Viva. E outras 144 famílias do Conjunto Ricci Pace receberam os registros e títulos de propriedade. Ainda na área das titulações, 505 famílias que vivem em assentamentos ou conjuntos habitacionais de interesse social também se tornaram proprietárias legais das moradias e lotes. 

Implementados mais recentemente, os programas de Locação Social e Compra Compartilhada, também mostraram bons resultados. No total, 108 famílias estão sendo atendidas pela locação social, com o complemento do valor de aluguel pago pela Prefeitura, sendo que 38 delas aderiram ao programa esse ano. Já o Compra Compartilhada, no qual o beneficiário recebe um subsídio que ajuda na compra da moradia própria, já atendeu 33 famílias, sendo 32 somente em 2022. 

Ao longo do ano, a Companhia Urbanizadora e de Habitação de Belo Horizonte (Urbel) realizou 5 mil cadastros socioeconômicos de edificações da Izidora, que é uma das etapas para a elaboração do Plano de Urbanização Sustentável da região. Além disso, a equipe de planejamento também entregou o Plano Urbanístico da Vila Monte São José em atendimento à Operação Urbana Simplificada Vila Monte São José; e concluiu o Plano de Regulação Urbanística - PRU Jardim Getsêmani (OP 09/10), e o Plano Global Específico (PGE) da Vila Bandeirantes (OP 15/16). Para finalizar, cinco empreendimentos do Orçamento Participativo - OP foram entregues, concluindo um ano de muito trabalho nas vilas, favelas, áreas de especial interesse social - AEIS, e conjuntos habitacionais de interesse social. 

“Com a ampliação das áreas atendidas pela Urbel e com a implementação de programas pioneiros, pretendemos alcançar ainda mais famílias e garantir qualidade de vida para esse público que é tão importante para Belo Horizonte. É um compromisso que o Prefeito fez com a cidade e que o público já está colhendo os frutos”, afirmou o diretor-presidente da Urbel, Claudius Vinícius Pereira. 

Mais Obras 

Obra da praça das Águas na confluência do Ribeirão Pampulha e Córrego Cachoeirinha iniciada

Foram iniciadas no mês de setembro as obras do sistema de macrodrenagem do Ribeirão Pampulha 1ª Etapa - Praça das Águas, compreendendo a implantação de estrutura hidráulica no encontro das águas do Ribeirão Pampulha e Córrego Cachoeirinha, adequação da geometria viária do entorno e o remanejamento do interceptor de esgotos na área do empreendimento. A Praça das Águas será construída na altura da Avenida Cristiano Machado, 5.600, bairro Vila Suzana, na região Nordeste. A nova estrutura terá capacidade de armazenar 30 milhões de litros d´água, com o objetivo de captar e amortecer as vazões vindas dos Ribeirões Pampulha, Onça e Córrego Cachoeirinha. Com isso, a Praça das Águas atuará diretamente na redução do risco de enchentes na avenida Cristiano Machado e adjacências.

Bacia do córrego Ferrugem que reduzirá o risco de inundações na avenida Teresa Cristina na região dos bairros Madre Gertrudes, Vila Sport e Cidade Industrial 

Foram iniciadas as obras de implantação da Bacia do Córrego Ferrugem, a Bacia B5, e obras complementares, que fazem parte da prevenção de enchentes na avenida Teresa Cristina. Firmado por meio de um convênio entre o Munícipio e o governo de Minas, o valor investido será de R$66 milhões. A nova bacia de detenção (B5), que terá capacidade volumétrica para 274.245 m³, em uma área de 41.776 m². Os equipamentos em Belo Horizonte terão a capacidade de represar 755.155 m³ de água das chuvas, que serão gradativamente escoadas. O objeto deste empreendimento, juntamente com as obras no Córrego Ferrugem a serem realizadas pela Prefeitura de Contagem - é conter as recorrentes enchentes que atingem os moradores e comerciantes da área da avenida Teresa Cristina. A obra será realizada na Vila Sport 2, localizada entre a avenida Amazonas e a linha férrea, região Oeste da capital. 

Início da implantação de Jardins de chuva 

Já estão em funcionamento os jardins de chuva no Planalto e na Praça JK e também na rua Prof. Ricardo Pinto. Esta rua foi escolhida por contribuir para a redução dos efeitos negativos do escoamento das águas das chuvas sobre o Parque Municipal Fazenda Lagoa do Nado, de forma a auxiliar na redução dos volumes de água que chegam a rua Doutor Álvaro Camargos e a avenida Vilarinho, em Venda Nova. Além desses três já instalados, foi aberta licitação para implantação de mais 60 jardins de chuvas na Bacia do Nado. 

Os jardins de chuva são mais uma inovação trazida pelo novo Plano Diretor de Belo Horizonte, constituindo-se como estruturas vegetadas de armazenamento e infiltração de água da chuva nas quais o solo mais permeável, em conjunto com a vegetação, permite a sua detenção e infiltração das águas, contribuindo inclusive para a remoção de poluentes. 

Limpeza de bocas de lobo e redes de drenagem 

A Prefeitura realiza diariamente serviços de limpeza e desobstrução de bocas de lobo, com a remoção de lixo descartado irregularmente e de resíduos que escoam para a rede de microdrenagem. O trabalho é essencial para manter a capacidade da drenagem da cidade e mitigar os impactos das chuvas. São aproximadamente 65 mil bocas de lobo espalhadas pelas nove regionais. Em 2022, até o mês de novembro, foram realizadas 111.273 limpezas de bocas de lobo, com a remoção de quase duas mil toneladas de resíduos, desobstruídos cerca de 51 km de rede e 1.669 grelhas foram trocadas.

Limpeza e monitoramento de bacias de contenção de cheias

Fazer essa manutenção e retirar o acúmulo de sedimentos, lixo e vegetação desses locais são ações de rotina adotadas ao longo do ano pela Prefeitura como prevenção para o período chuvoso.  Este trabalho, além de contribuir na prevenção de inundações, ainda ajuda a melhorar as condições ambientais das bacias, diminui os focos do mosquito Aedes aegypti e a proliferação de pernilongos. Este ano passaram por manutenção as bacias: Assis das Chagas, Pampulha, Lagoa do Nado e Engenho Nogueira, na regional Pampulha; Várzea da Palma, Vilarinho e Liége, na regional Venda Nova; Bonsucesso e Jatobá, na regional Barreiro; Santa Lúcia e Lagoa Seca, na regional Centro-Sul; Parque 1° de Maio e Parque Nossa Senhora da Piedade, na regional Norte, e Parque Real, na regional Nordeste.

100 praças em 100 dias 

O Projeto 100 Praças em 100 Dias está realizando melhorias nesses espaços para criar ambientes mais atrativos e confortáveis para o encontro, lazer e a prática esportiva na capital. Estão sendo feitos serviços de poda e supressão de árvores, pintura, consertos em pisos, passeios, bancos, mesas e brinquedos, manutenções em lixeiras e guarda-corpos, plantação de grama e rampas de acessibilidade. Estão sendo investidos R$ 3,4 milhões.