Pular para o conteúdo principal

Fachada do Museu Histórico Abílio Barreto
Foto: Ricardo Laf

Museu Histórico Abílio Barreto oferece mediações educativas pela internet

08/02/2021 | 19:03 | atualizado em 08/02/2021 | 19:25

A Secretaria Municipal de Cultura e a Fundação Municipal de Cultura abriram um canal de atendimento virtual para quem quiser conhecer ou debater temáticas ligadas à história de Belo Horizonte e ao Museu Histórico Abílio Barreto (MHAB). Trata-se de uma adaptação para o ambiente virtual das mediações habitualmente oferecidas de forma presencial pelo Educativo do Museu. Estão disponíveis cinco diferentes experiências formativas, que abordam aspectos como a construção da nova capital, a ocupação e intervenção urbana, o legado afro-brasileiro na cidade, as relações sociais e dinâmicas urbanas, além da própria prática museal, entre outras.

O agendamento deve ser feito por meio do Portal de Serviços da Prefeitura, com a busca do item “Atendimento Educativo Virtual Museu Histórico Abílio Barreto”. As sessões têm duração aproximada de 1 hora e são realizadas por meio de uma plataforma gratuita na internet. O agendamento pode ser feito para o período de segunda a sexta-feira, nos turnos manhã e tarde.

Os encontros virtuais são destinados a grupos ou pessoas de diferentes naturezas e faixas etárias, com ou sem vínculo a alguma instituição. O atendimento é feito por um ou mais profissionais do Educativo, apresentando imagens da cidade e do acervo relativas à linha temática escolhida. O objetivo desta modalidade é oferecer uma alternativa de atendimento compatível com o momento atual de restrições a atividades coletivas e necessidade de isolamento social, em decorrência da pandemia de Covid-19.

“A criação desse canal virtual de atendimento ao público é um passo importante no sentido da continuidade à difusão de conhecimento, mesmo com a suspensão temporária das visitas mediadas. Assim, reforçamos a missão da ação educativa, que é estabelecer relações de sentido e promover o diálogo entre instituição e público”, destaca Fabíola Moulin, secretária Municipal de Cultura e presidenta interina da Fundação Municipal de Cultura.

 

No momento do agendamento, o usuário ou grupo deverá optar por uma das cinco linhas temáticas disponíveis para o encontro virtual:

Uma nova capital para Minas Gerais
O Casarão, sede da antiga Fazenda do Leitão, destaca-se no MHAB como elo entre o Arraial Curral Del Rey e a cidade de Belo Horizonte. Partindo desse grande objeto, os participantes são convidados a conhecer e refletir sobre a história da construção da nova capital de Minas Gerais e as mudanças geradas por essa transformação.

Museu da Cidade
O Museu Histórico Abílio Barreto foi criado em 1943 para ser o Museu da Cidade. Nesta vertente de visita, é proposta uma reflexão sobre a prática museal: o que é musealizar um objeto? Como se opera um museu histórico? Um museu pode falar somente de suas coleções? Um museu consegue falar da vida? O objetivo é exercitar e incentivar leituras acerca da vida na cidade, partindo do acervo e da prática museal.

Cidade Viva
Nesta mediação, são trabalhados temas diversos que dizem respeito à vida na cidade: questões trazidas pelos grupos sociais diversos que a habitam, em diálogo com o acervo aqui constituído. São discutidos temas como direitos do cidadão, formas de ocupação e intervenção urbana, mobilidade, movimentos sociais, entre outros. Para a preparação desta atividade, o grupo deve apontar, no ato do agendamento, se deseja propor alguma questão de investigação em especial, relativa à vida na cidade.

BH Memórias Negras
Neste encontro, por meio do legado afro-brasileiro em Belo Horizonte, é proposto um diálogo sobre suas contribuições culturais e sociopolíticas, bem como sobre as práticas de memória e de afirmação identitária de nossa população negra. O debate ocorre a partir de eixos como: trabalho, religiosidade, arte e cultura, epistemologia, ocupação do território e presença na cidade, representatividade feminina e identidades culturais, de modo a estimular reflexões e vivências sobre a memória afro-brasileira em Belo Horizonte.

Complexa Cidade
Nesta mediação, por meio da exposição “Complexa Cidade” e do acervo que envolve objetos, vestígios arqueológicos, mapas, fotografias, pinturas e representações literárias, é proposto um diálogo entre passado e presente. São discutidas diferentes imagens e representações de Belo Horizonte, evidenciando relações sociais e dinâmicas urbanas. Nesse caso, o grupo poderá fazer, previamente, uma visita virtual à exposição, por meio do site.