Pular para o conteúdo principal

Imagem traz duas mulheres conversando, uma sentada em uma rede e a outra de frente para ela.
Foto: Reprodução.

Mostra no MIS Santa Tereza exalta obras de cineastas da periferia de BH

05/11/2019 | 15:46 | atualizado em 06/11/2019 | 11:52

A Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e da Fundação Municipal de Cultura, realiza desta quarta-feira, dia 6, ao próximo dia 17, no MIS Cine Santa Tereza, a mostra “Periferia Cinema do Mundo”. A mostra traz um panorama inédito da produção audiovisual das favelas e periferias de Belo Horizonte e Região Metropolitana. Serão exibidos cerca de 50 filmes de mais de 30 realizadores, entre curtas, longas, média-metragens e séries. Todas as sessões têm entrada gratuita com ingressos distribuídos 30 minutos antes da exibição.

 

Na programação estão títulos que alcançaram notoriedade no circuito mineiro, nacional e internacional de festivais, angariando prêmios e difundindo a potencialidade universal da arte das periferias brasileiras para outros continentes e também a produção da nova geração. Durante a mostra serão realizados debates, bate-papos, mesas redondas e uma oficina do cineasta brasiliense Adirley Queiroz. 

 

Com a premissa do caráter universal das produções audiovisuais realizadas por cineastas da periferia de BH e região metropolitana, a Mostra Periferia Cinema do Mundo pretende ser um panorama da cinematografia nascida às margens dos grandes centros e das grandes produções comerciais. Desde a produtora mineira Filmes de Plástico, que tem se destacado internacionalmente, passando pelo cinema-performance de artistas como Paulo Nazareth, Desali e Éberson Martins, as animações surrealistas de Leonardo Cata Preta até longas-metragens recentemente filmados nas comunidades Cabana do Pai Tomás e Pedreira Prado Lopes, a mostra reúne exclusivamente realizadores oriundos ou que vivenciam o cotidiano periférico e favelado. 

 

Para Siomara Faria, gestora do Museu da Imagem e do Som e coordenadora da Mostra, há hoje um deslocamento do cinema da periferia para o centro, que vem colocando em cena experiências e olhares não hegemônicos. “Não se trata de entender esses filmes como produções que estão à margem do circuito, mas sim como obras que figuram hoje no centro das discussões cinematográficas, tanto pela atenção e prêmios que vêm conquistando no mundo todo, quanto por suas singularidades e potencialidades. E é este movimento que a Mostra Periferia Cinema do Mundo acolhe”, completa. 

 

Segundo César Gilcevi, curador da mostra, a intenção é que o projeto seja anual, com ampliação nacional nas próximas edições. “Hoje em dia o cinema brasileiro mais potente e universal tem sido feito nas periferias. O moleque da quebrada filma com um celular na mão e várias ideias na cabeça. Leva para tela o seu universo particular que é o mesmo de qualquer favela, seja ela tupiniquim, da Europa ou da Índia”, destaca. 

 

Nos dias 8 e 9 de novembro a mostra contará com a participação do cineasta brasiliense Adirley Queiroz, que ministrará a oficina “Construção do espaço fílmico através da interação do território com a experiência da memória”.

 

Confira a programação completa a seguir: 


 

MIS Cine Santa Tereza - Mostra Periferia Cinema do Mundo

 

DIA 6 DE NOVEMBRO, QUARTA-FEIRA

ABERTURA

19h30 – NO CORAÇÃO DO MUNDO (Gabriel Martins e Maurílio Martins l Brasil l 2019 l Ficção l 120 min.)

Na periferia de Contagem, Marcos busca uma saída para sua rotina de bicos e pequenos delitos. Surge uma oportunidade arriscada, mas que pode solucionar todos os seus problemas. Para isso, ele precisa convencer sua namorada, Ana, a se juntarem a Selma e executarem o plano que pode mudar suas vidas para sempre. Classificação indicativa: 16 anos.

 

DIA 7 DE NOVEMBRO, QUINTA-FEIRA

17h30 – PRETERIR (Marcos Donizetti l Brasil l 2016 l Doc. l 30 min)

Preterir se propõe a trazer reflexões sobre o tema “solidão da mulher negra”, a partir de histórias e vivências de mulheres de diferentes idades, moradoras da cidade de Belo Horizonte/MG e Região Metropolitana. Classificação indicativa: Livre.

 

19h30 – MULHERES NO NOVO CINEMA MINEIRO 

FAVELA EM DIÁSPORA (Gabriela Matos l Brasil l 2018 l Doc. l 20 min)

Em meio a uma desapropriação, o que fica?

Memórias de um povo que está à margem do asfalto. Moradores do Morro do Papagaio relatam, a partir de suas vivências, como o processo de migração compulsória realizado por um projeto de Prefeitura provoca uma ruptura em suas histórias. Classificação indicativa: Livre.

 

CARMA (Dea Vieira l Brasil l 2017 l Doc. l 2017 l 26 min)

"Carma" é um nome que tem vários rostos, várias estórias que se separam e se fundem. Se repetem e se exaurem. A realidade é representada através de fragmentos e de impressões subjetivas, de atos incoerentes e ações vagas. É como se a câmera não estivesse presente. Não há encenações, não existem narradores ou entrevistas. Apenas um recorte na vida das pessoas e no carma (ou do sânscrito "Karma") que elas carregam: ações que se repetem e se completam num ciclo intrínseco de trabalho, musicalidade e fé. Classificação indicativa: Livre.

 

MINHA RAIZ (Labibe Araújo l Brasil l Doc. l  2017 l 11 min) 

Um documentário performático que perpassa pela autoestima da mulher negra, autoaceitação e questiona a forma da sociedade invisibilizar nossa estética e existência. Classificação indicativa: Livre.

 

A MULHER QUE EU ERA (Karen Suzane l Brasil l 2018 l ficção l 11 min) 

Cacau é uma mulher negra casada com um homem branco. Dentro de sua rotina, ela encara suas lembranças e, em um contexto onírico, as memórias lidam com momentos passados de opressão. Classificação Indicativa: 12 anos.

 

NOIR BLUE (Ana Pi l Brasil/França l 2018 l 27 min)

No continente africano, Ana Pi se reconecta às suas origens através do gesto coreográfico, engajando-se num experimento espaço-temporal que une o movimento tradicional ao contemporâneo. Em uma dança de fertilidade e de cura, a pele negra sob o véu azul se integra ao espaço, reencenando formas e cores que evocam a ancestralidade, o pertencimento, a resistência e o sentimento de liberdade.

 

DIA 8 DE NOVEMBRO, SEXTA-FEIRA 

15h – EU, PEDREIRA! (Coletivo PPL l Brasil l 2019 l Doc. l 70 min)

O documentário narra histórias contadas pelos olhares dos moradores e ex-moradores da Pedreira Prado Lopes.

 

17h – EU BRINCO DE BONECAS (Clebin Quirino e Raissa Silva l Brasil l 2018 l Ficção l 10 min)

Raissa é uma adolescente que tem um segredo e precisa contar para alguém! Vídeo produzido a partir de processo formativo na oficina livre de audiovisual na comunidade Vila Maria, regional nordeste de Belo Horizonte, conduzida por Clebin Quirino. Classificação indicativa: Livre.

 

VISÕES (Clebin Quirino e Raissa Silva l Brasil l 2018 l Ficção l 3 min)

Ela consegue pressentir e enxergar aquilo que os outros não veem. Vídeo produzido a partir de processo formativo na oficina livre de audiovisual na comunidade Vila Maria, regional nordeste de Belo Horizonte, conduzida por Clebin Quirino. Classificação indicativa: Livre.

 

JUVENTUDE NEGRA POLÍTICA – JOVENS NEGROS PENSANDO O FUTURO (Israel Oliveira l Brasil l 2019 l Doc. l 13 min)

O documentário traz uma reflexão da situação da juventude negra na política brasileira com suas percepções e anseios. A partir das provocações “O que é juventude negra política? Qual o seu papel na transformação do sistema político brasileiro?”, os participantes da imersão "Juventude negra política - jovens negros pensando o futuro”, uma formação de liderança promovida nos dias 26, 27 e 28 de junho de 2019, apresentam seus próprios entendimentos sobre o papel de cada um na transformação social coletiva. O Viaduto das Artes, no Barreiro, Belo Horizonte, local onde foram realizadas as atividades, compõe o plano estético da narrativa. Os participantes, em mini performances, constroem uma narrativa estética, literária, e apresentam perspectivas positivas de futuros possíveis! Classificação indicativa: Livre.

 

SONHOS DE YOLANDA (Adélia Mendes, Carlos Barbos, Curt Duo, Fabiana Bezerra, Marcelo Lin, Nila Rodrigues l Brasil l 2019 l Doc. l 14 min)

Coração de mãe sempre cabe mais um. Assim Yolanda vive e deste modo ela criou sua família em uma comunidade. Classificação indicativa: Livre.

 

19h30 – A TRILHA SONORA DA QUEBRADA

MELHORES CLIPES DO P.DRÃO 

Exibição seguida de debate com P.drão, MC Papo e Russo APR

Mediação: Leo Pyrata. Classificação indicativa: Livre

 

DIA 9 DE NOVEMBRO, SÁBADO

19H30 – FILHOS DA PUTA (Coletivo Rebu; dir.: Kelson Frost l Brasil l 2019 l Doc. l 30 min)

O Coletivo Rebu apresenta o documentário Filhos da puta. Partindo dessa expressão popularmente dita, o documentário nos apresenta três filhos de trabalhadoras sexuais e suas histórias. A partir daí somos convidados a parar e ouvir essas vozes e suas falas, possibilitando criar outras narrativas acerca do trabalho sexual e das questões que o envolvem. Classificação indicativa: Livre.

 

DIA 10 DE NOVEMBRO, DOMINGO

17h - MULHERES NO NOVO CINEMA MINEIRO 

Exibição seguida de debate com Labibe Araújo, Karen Suzane e Gabriela Matos. Mediação: Tatiana Carvalho.

 

FAVELA EM DIÁSPORA (Gabriela Matos l Brasil l 2018 l Doc. l 20 min)

Em meio a uma desapropriação, o que fica?

Memórias de um povo que está à margem do asfalto. Moradores do Morro do Papagaio relatam, a partir de suas vivências, como o processo de migração compulsória realizado por um projeto de Prefeitura provoca uma ruptura em suas histórias. Classificação indicativa: Livre.

 

CARMA (Dea Vieira l Brasil l 2017 l doc. l 2017 l 26 min)

"Carma" é um nome que tem vários rostos, várias estórias que se separam e se fundem, se repetem e se exaurem. A realidade é representada através de fragmentos e de impressões subjetivas, de atos incoerentes e ações vagas. É como se a câmera não estivesse presente. Não há encenações, não existem narradores ou entrevistas. Apenas um recorte na vida das pessoas e no carma (ou do sânscrito "Karma") que elas carregam: ações que se repetem e se completam num ciclo intrínseco de trabalho, musicalidade e fé. Classificação indicativa: Livre.

 

MINHA RAIZ (Labibe Araújo l Brasil l Doc. l  2017 l 11 min) 

Um documentário performático que perpassa pela autoestima da mulher negra, autoaceitação e questiona a forma da sociedade invisibiliza nossa estética e existência. Classificação indicativa: Livre.

 

NOIR BLUE (Ana Pi l Brasil/França l 2018 l 27 min)

No continente africano, Ana Pi se reconecta às suas origens através do gesto coreográfico, engajando-se num experimento espaço-temporal que une o movimento tradicional ao contemporâneo. Em uma dança de fertilidade e de cura, a pele negra sob o véu azul se integra ao espaço, reencenando formas e cores que evocam a ancestralidade, o pertencimento, a resistência e o sentimento de liberdade.

 

A MULHER QUE EU ERA

(Karen Suzane l Brasil l 2018 l ficção l 11 min) 

Cacau é uma mulher negra casada com um homem branco. Dentro de sua rotina, ela encara suas lembranças e, em um contexto onírico, as memórias lidam com momentos passados de opressão. Classificação indicativa: 12 anos.

 

19h – DO TEXAS PARA O MUNDO: O CINEMA DE CONTAGEM

Exibição dos curtas seguida de debate com Affonso Uchoa, Filmes de Plástico, Raphael du Bronx e Robert Frank

 

DIA 12 DE NOVEMBRO, TERÇA-FEIRA

17h – WEB SÉRIES 

CONTA AÍ, VIZINHO! CONTA AÍ, VIZINHA! (Paulo Vitor Ribeiro, Marina Lauar l Brasil l 2019 l série l 6 min)

Série que está sendo realizada pelo Bloco Seu Vizinho, juntamente com Matriarcas da Serra e Coletivo Dialeto; em Belo Horizonte, Minas Gerais. Em busca de histórias contadas pelos moradores anciões do Aglomerado da Serra, a fim de exibir o conteúdo dentro da própria comunidade. Classificação indicativa: Livre.

 

A VENDEDORA DE SONHOS (Cida Reis, Thiago Nascimento l Brasil l 2017 l Ficção l 20 min)

Sociedade é vendedora ambulante, ela vende seus sonhos pela cidade e, através de sua “estampa” ou não, ela decide que tipo de sonho você pode levar. Classificação indicativa: Livre.

 

NÓIS É TUDO CABANA (Marcus Vieira e Dea Vieira l Brasil l 2017 l série documental l 55 min) 

Quem são essas pessoas que formam o corpo, lugar de histórias, de talentos, de vozes? Somos parte de um contexto que, olhando mais de perto, é grande demais para contar! Por ser um, por serem vários, não cabem em uma película. “Nóis é tudo Cabana” foi a forma que encontramos para continuar a nos conhecer. Pessoas, lugar, identidade. Classificação indicativa: Livre

 

DIA 13 DE NOVEMBRO, QUARTA-FEIRA

15h – MOSTRA PRO JOVEM 

Mostra de filmes realizados nas oficinas audiovisuais do Pro Jovem.

 

17h – FICÇÕES

Quando um b-boy apresenta, através de sua dança, traços de uma vida marginalizada, onde a poesia fantasiosa se confunde com traços reais de uma realidade cruel, algo acontece! A dança se mistura com palavras, imagens gestos e silêncios de um corpo que dança a vida, movimentos carregados do “eu” respingam a realidade de quase todo negro de periferia do Brasil. Classificação indicativa: Livre

 

BROOKLIN (Coletivo Cine Leblon l Brasil l 2019 l Ficção l 22 min) 

Em um futuro próximo, os moradores do Brooklin são submetidos a um toque de recolher imposto pela Guarda do Estado Verdadeiro. Através de uma rádio clandestina, criada por um grupo de jovens insurgentes, um espaço de denúncia se abre. À medida que a popularidade das transmissões aumenta, cresce também o incômodo de um agente à paisana que prepara um acerto de contas com os integrantes da rádio. Classificação indicativa: 14 anos

Após perder seu emprego em um lava-jato, Gix tem que encontrar maneiras de sobreviver em meio à exclusão, o preconceito e os desacertos da vida. Sua situação fica ainda mais crítica quando ela acolhe em sua casa Helena, uma amiga que acaba de ser expulsa da casa dos pais por estar grávida. Classificação indicativa: 14 anos

 

19h30 – RETROSPECTIVA ÉBERSON MARTINS

Classificação indicativa: 16 anos.

 

RANGO (Éberson Martins l Brasil l 2007 l ficção l 4 min) 

A relação presa x predador e suas entrelinhas, ao som de Gardel.

 

HOCKNEY FOR SALE (Éberson Martins l Brasil l 2006 l ficção l 3 min) 

Uma jovem vai a Nova York após o atentado às torres gêmeas, em busca de uma obra de David Hockney.

 

HOT SPOT (Éberson Martins l Brasil l 2010 l ficção l 7 min) 

Jovem enlouquecido passa por São Paulo, Caeté e Serra da Piedade até ser detido.

HABEAS CORPUS (Éberson Martins l Brasil l 2019 l ficção l 03 min) 

Ficção quase científica.

 

TALIBÃ (Éberson Martins l Brasil l 2019 l comédia l 05 min) 

O Islã visto sob uma perspectiva poética, desconstruindo conceitos distorcidos sobre esta cultura/religião.

 

SOAP (Éberson Martins l Brasil l 2010 l comédia l 4 min) 

Sátira a Pop Art norte-americana e uma crítica aos enlatados consumidos por nações, supostamente em desenvolvimento.

 

PRELÚDIO (Éberson Martins l Brasil l 2000 l drama l 8 min) 

Filme experimental que narra a epopeia de dois jovens que se drogavam. Um deles morre em uma roleta russa e o outro de overdose.

 

BOMB MOVIE (Éberson Martins l Brasil l 2015 l drama l 6 min) 

Um olhar atento sobre a dureza da disciplina militar, e paralelamente o brado de força e lamento dos indígenas do Brasil. 

 

DIA 14 DE NOVEMBRO, QUINTA-FEIRA

15h – MOSTRA PRO JOVEM

Mostra de filmes realizados nas oficinas audiovisuais do Pro Jovem.

 

17h – A FAVELA POR SI MESMA: DOCUMENTARISTAS 

Exibição seguida de bate-papo com os cineastas Marcus e Dea Vieira

 

DA LONA AO PAI TOMÁS: a história do Cabana contada por seus primeiros moradores (Marcus Vieira e Dea Vieira l Brasil l 2016 l Doc. l 1:31:32)

Da lona ao Pai Tomás: a história do Cabana contada por seus primeiros moradores, dirigido por Marcus e Dea Vieira, é um documentário em longa metragem que, através de pesquisa histórica e documental, busca resgatar o processo de formação e consolidação do aglomerado homônimo, um dos maiores bairros de Belo Horizonte. As entrevistas versam sobre a ocupação e as impressões desses moradores, do ponto de vista de quem viveu a história, transformando a oralidade em registro audiovisual. Classificação indicativa: Livre

19h30 – Exibição seguida de bate-papo com Cristiano Silva Rato, Marcelo Lin e Rodrigo Beetz

 

FAVELA BELA: UM DIA NA VILA ESTRELA (Cristiano Silva Rato l Brasil l 2019 l Doc. l 13 min)

Favela Bela é um projeto idealizado pelo artista plástico Pelé, cria do Morro do Papagaio, Aglomerado Santa Lúcia, e organizado por diversos colaboradores, moradores do Morro ou não. Este documentário retrata um dia desta ação na Vila Estrela, uma das vilas que compõem o Aglomerado Santa Lúcia, uma das mais antigas favelas de Belo Horizonte. Classificação indicativa: Livre.

 

OSTENTAÇÃO (Marcelo Lin e Fernando Rossi l Brasil l 2016 l Doc. l 24 min)

Ostentação: ato ou efeito de exibir com pompa e vaidade, bens, direitos e propriedades, fazendo referência à necessidade de se mostrar luxo ou riqueza. Em meio à realidade brasileira de contrastes sociais extremos, o documentário lança um olhar a partir dessa palavra-chave sobre a cidade de Belo Horizonte, e encontra a Cidade Administrativa de Minas Gerais e o seu entorno. Classificação indicativa: Livre

 

CÊ LÁ FAZ IDEIA (Rodrigo Beetz l Brasil l 2017 l Doc. l 10 min)

Jovem da cidade de Ribeirão das Neves conta um pouco de sua história de vida, que apesar de dura segue contrariando as estatísticas. Classificação indicativa: Livre

 

DIA 15 DE NOVEMBRO, SEXTA-FEIRA

17h – RETROSPECTIVA LEONARDO CATA PRETA

Classificação indicativa: 12 anos

 

MORADORES DO 304 (Cata Preta l Brasil l 2007 / Ficção l 15 min)

Demônios, seres indescritíveis, acontecimentos estranhos, as metáforas do poeta Drummond foram muito bem tratadas na construção do curta.

 

O CÉU NO ANDAR DE BAIXO (Cata Preta l Brasil l 2011 / Ficção l 15 min)

Desde os 12 anos de idade, Francisco faz fotografias de céu. Um dia, algo diferente aparece em uma de suas fotografias mudando a sua rotina.

 

VENTO VIRADO (Cata Preta l Brasil l 2013 / Ficção l 20 min)

Quando você levanta uma criança acima de sua cabeça, ela se assusta e o seu vento vira.

 

ENTRADA PELA FRENTE (Cata Preta l Brasil l 2015 / Doc. l 10 min)

 Gravado por acaso na cidade de Brasília - DF / Brasil, este filme registra a aparição misteriosa de uma moradora de rua em frente a uma porta lateral (fechada) de uma igreja evangélica. A mulher demonstra estar em oração ou em algum diálogo interno e, para a maioria dos transeuntes, ela parece invisivel.

 

CALMARIA (Cata Preta l Brasil l 2015 / Doc. l 24 min)

Agora é que a cidade se organiza. Para salvar a pele de quem? A minha é que não é!

 

19h – RETROSPECTIVA É MESMO FILMES

Exibição seguida de bate papo com o cineasta Arthur Ranne. Classificação indicativa: 16 anos

 

LADO N.G (Arthur Ranne l Brasil l 2018 l Ficção l 5 min)

Um grupo de amigos na favela não é suspeito; um carro parado ao lado não é trafico de drogas. Às vezes nada é o que o preconceito diz que é.

 

LADO N.G 2 (Arthur Ranne l Brasil l 2018 l Ficção l 05 min)

Uma organização feminina a procura de um tal Capstranho envolvido em mistérios.

 

MAU OLHADO (Arthur Ranne l Brasil l 2018 l Ficção l 03 min)

Jovens negros e periféricos a caminho dos objetivos ou a caminho do fim dos sonhos interrompidos pelo preconceito e/ou pela bala.

 

DECRETADO (Arthur Ranne l Brasil l 2018 l Ficção l 1 min)

E a tragédia segue adiante no topo da cadeia alimentar.

 

UM PASSO (Arthur Ranne l Brasil l 2018 l Ficção l 3 min)

Quão desconhecido é o interior de um homem negro?

"Um Passo" traz com o personagem vivido pelo ator e diretor Artur Ranne, uma situação que expõe a depressão de um homem negro no Brasil, com sua cultura estrutural racista! 

 

DIA 16 DE NOVEMBRO, SÁBADO

17h – CINEMA-PERFORMANCE

TRABALHO (Desali l Brasil l 2019 l 13 min)

Retratos de uma tarde no Jardim Canada, bairro na fronteira de Belo Horizonte. Imagens de quem trabalha, vestígios de quem trabalhou. Classificação indicativa: Livre

 

CABEÇA DE PORCO (Paulo Nazareth l Brasil l 2008 l 28 min)

 

CARNE Y PERROS (Paulo Nazareth l Brasil l 2008 l 2 min)

 

SÓ PRA VER COISAS NO MAR (Paulo Nazareth l Brasil l 2008 l 15 min)

 

19h - FICÇÕES ll

Exibição seguida de debate com Hígor Gomes e Breno Henrique

 

IMPERMEÁVEL PAVIO CURTO (Hígor Gomes l Brasil l 2018 l Ficção l 20 min)

Jaqueline tem aquilo que muitos chamariam de personalidade forte. A adolescente vive com a tia e enfrenta alguns problemas na escola. Sua companhia diária é uma bicicleta, com a qual passeia pelo bairro. Um dia, Jaqueline e a tia pegam a estrada, mas as coisas não saem como o esperado. Classificação indicativa: 12 anos

 

COMO SE O CÉU FOSSE OCEANO (Breno Henrique l Brasil l 2019 l Ficção l 18 min)

Belo Horizonte. Encontro de corpos que compartilham, cada um à sua maneira, anseios, histórias, afetos, medos e existências, tudo isso com a cidade de pano de fundo. Jovens atravessados por diferentes experiências sociais ocupando a cidade e criando suas próprias narrativas de vida. Classificação indicativa: 12 anos

 

DIA 17 DE NOVEMBRO, DOMINGO 

17h – RESTROSPECTIVA CURTAS FILMES DE PLÁSTICO

 

19h – SETE ANOS EM MAIO (Affonso Uchoa l Brasil l 2019 l Ficção l 40 min) 

Em uma noite de maio, sete anos atrás, Rafael chegava em casa depois do trabalho. Quando abria o portão, alguém chamou seu nome. Ele olhou para o lado e viu pessoas que não conhecia. Rafael saiu da sua casa carregado pelos desconhecidos e nunca mais voltou. Desde então ele vive como se aquela noite nunca tivesse terminado. Classificação indicativa: 16 anos