Pular para o conteúdo principal

Três dançarinas interpretam o espetáculo "Orbis Finis".
Foto: Pablo Bernardo

Montagem de dança aborda reconstrução no Teatro Chico Nunes

08/11/2017 | 09:40 | atualizado em 20/11/2017 | 13:17

O Teatro Francisco Nunes recebe, neste final de semana, a estreia nacional do espetáculo “Orbis Finis”, do Grupo Contemporâneo de Dança Livre. A peça utiliza movimentos de repetição para discutir degradação e reconstrução. A exaustão e a recuperação dos bailarinos Duna Dias, Heloisa Rodrigues, Leonardo Augusto e Socorro Dias poderá ser acompanhada de perto pelo público, que ocupará o palco junto com os artistas, numa arquibancada idealizada especialmente para a montagem. As apresentações acontecem nos dias 10 e 11 de novembro, sexta e sábado, às 21h. Os ingressos podem ser adquiridos na bilheteria do teatro por R$16,00 (inteira) e R$8,00 (meia).

 

Fim do mundo. Este é o significado de “Orbis Finis", título do espetáculo inédito do Grupo Contemporâneo de Dança Livre. A montagem discute a resistência do indivíduo em meio às relações de poder e às estruturas de violência e sua capacidade de reexistir dialogando com a ideia de sucessivos “fins do mundo”. “Esta proposta dialoga com a ideia de destruição e reconstrução, trabalhando com a repetição e degradação do movimento transformado por sua insistência em permanecer. É uma dança em eterna queda e recuperação”, explica a dançarina e uma das fundadoras do Grupo, Duna Dias.

 

Aliado à coreografia, o cenário e a iluminação são pontos chave na composição do espetáculo: “Além da plateia no palco, conosco, a iluminação será com lâmpadas halógenas, que dão aspecto de fábrica, representando essa repetição mecânica, o automatismo, o trabalho”, reforça Duna.

 

Em “Orbis Finis” utiliza de elementos muito característicos da trajetória do grupo, como o trabalho vocal e o uso da palavra aliados ao movimento e a busca por uma trilha sonora multicultural. Neste espetáculo, além da utilização cênica da voz e da respiração, a trilha é composta por bandas e artistas de Portugal, México, Reino Unido e Alemanha.

 

O Grupo

O Grupo Contemporâneo de Dança Livre trabalha com processos colaborativos, pesquisa e criação em dança contemporânea para palco e rua desde 2010 e é formado por indivíduos, artistas e criadores com formações artísticas distintas. A equipe busca investigar a dança a partir de relações e experiências entre corpos. O grupo já participou de diversos festivais e projetos no Brasil e em países como Inglaterra, Escócia, Argentina, Portugal, França, Bélgica, México, Panamá e Colômbia.

 

O Grupo destaca-se no contexto de uma cena de grupos de artistas independentes de Minas Gerais e vê em seus trabalhos a possibilidade de investigar a dança a partir de relações, discussões, compartilhamentos e observações coletivas, descentralizando suas ideias e promovendo o intercâmbio de experiências entre diferentes vias para ampliar o ângulo de perspectiva do que é criado em dança hoje, buscando promover um diálogo entre o corpo, a cidade, seus cruzamentos e ressignificações através da dança.

 

Orbis Finis - Grupo Contemporâneo de Dança Livre

Dias 10 e 11 de novembro | sexta e sábado | às 21h.

Teatro Francisco Nunes - Av. Afonso Pena s/nº,  Parque Municipal, Centro.

Ingressos: R$16,00 (inteira); R$8,00 (meia).

Informações para o público: (31) 3277-6325.