Pular para o conteúdo principal

Grama, árvores, área de convivência com bancos e pista de caminhada.
Foto: Divulgação/PBH

Lazer e descanso são atrativos de um dos parques mais novos da região Oeste

24/08/2018 | 14:30 | atualizado em 24/08/2018 | 14:30
Um pequeno oásis. É assim que muitos moradores do entorno do Parque do Bairro Havaí, região Oeste, definem o local, carinhosamente chamado de Parque Estrelinha. O nome popular é uma homenagem a outra área verde próxima, mais antiga: o Parque Estrela Dalva.
 
Inaugurado em novembro de 2014, o Parque do Bairro Havaí abrange uma área de pouco mais de 11.900 metros quadrados e oferece opções de lazer, descanso, relaxamento e prática de atividades físicas. A guarita de entrada (localizada na rua Manila, 300, esquina com rua San Salvador) serve como ponto de apoio e dispõe de banheiros públicos. O parque conta com bebedouros, espaços de descanso com mesas, bancos e lixeiras, além de bosques de mangueiras e jabuticabeiras.
 
Para os esportistas, que procuram aliar atividade física a uma bela paisagem, o local oferece pista de caminhada, implantada em solo de cimento, com extensão de 1.690 metros; e aparelhos de ginástica para aquecimento, sendo uma prancha abdominal de concreto e barras metálicas para alongamento. Já a criançada tem a opção de se divertir no playground, que está passando por reforma e será entregue no começo de setembro com novos brinquedos. Todos os brinquedos foram desenvolvidos em madeira de eucalipto pintado. No parque ocorre também aula de Lian Gong, prática corporal oriental, às terças e quintas-feiras, às 15h.
 
O Parque do Bairro Havaí mostra-se pequeno somente em tamanho. Em beleza, este parque se agiganta diante dos olhos da comunidade com um projeto paisagístico que oferece recantos de lazer com mesas dispostas sob os muitos pés de manga, naturais do local. A Fundação de Parques Municipais e Zoobotânica (FPMZB), responsável pelo gerenciamento do espaço, plantou outras 50 árvores, além das nativas, e mais de 6 mil mudas ornamentais, entre bromélias, alpinias, margaridas amarelas, azaleias e jasmins do cabo, além da trepadeira jade, espécie exótica originária da Nova Guiné, que já virou marca registrada dos parques da região Oeste da cidade.
 
No Parque Estrelinha, aliás, a trepadeira jade é protagonista. Isso porque lá é o único parque a contar com a espécie na cor vermelha, enquanto nos demais só há a da espécie azul. E para alegria da comunidade, a trepadeira jade do Parque Estrelinha começa a florir já na próxima semana, formando longos cachos pendulares que lembram as garras de aves poderosas, como as das araras. Esses cachos pendentes chegam a formar uma espécie de cortina, atraindo a atenção de todos que passam pelo local e até mesmo da fauna silvestre: um casal de passarinhos acaba de construir seu ninho em meio aos ramos da trepadeira e, agora, os dois estão sob o olhar atento e cuidadoso da equipe do Parque.
 
Laura Macedo trabalha próximo ao Parque do Bairro Havaí e costuma caminhar no local no horário do almoço. “Comecei a frequentar o parque no final de 2017. Eu havia começado a trabalhar aqui perto e um dia vi, da janela do escritório, uma planta diferente, a trepadeira. Desci no almoço para ver de perto e quando cheguei, achei muito agradável essa pista de caminhada, o clima do parque, as pessoas usufruindo do espaço. Estava precisando perder uns quilinhos e andava muito indisciplinada com meu horário de almoço. Foi o incentivo que tive para vir diariamente caminhar. Além de emagrecer, eu notei outros ganhos: estou mais calma até mesmo com meu filho pequeno e com meu marido. Não tem como não creditar esse ganho ao contato com a natureza, que agora é diário, graças à disponibilidade de um parque tão próximo de onde estou”, comemora.
 
Silvino Leite Silva mora ao lado, vai ao parque diariamente para se exercitar. “Aqui no Estrelinha, além das árvores, que promovem um ambiente fresco e agradável, caminhamos ao som das águas do córrego que margeia a área e, graças ao empenho do jardineiro, Geraldo, a gente consegue enxergar a água correndo ao lado do parque, o que traz sempre uma sensação de tranquilidade e aconchego”, comenta ele, que costuma levar os netos ao local no final de semana para brincar.
 
Silvino faz parte do grupo comunitário que se uniu para ajudar a Prefeitura na administração do Parque. Por meio da mobilização social dos vizinhos da área verde, foram feitas reuniões com a presidência da FPMZB para discutir as ações e intervenções necessárias para ajudar na conservação do Parque do Bairro Havaí. As ideias resultaram num modelo de parceria que vai incentivar o uso e ocupação do espaço por parte da população. O primeiro grande evento acontece já no dia 23 de setembro, com o Piquenique Comunitário, que contará com plantio de árvores, oficinas de material reciclável, inauguração de uma geladoteca, contação de histórias e animação com palhaços. “Quando a comunidade se apropria do espaço, passa a frequentá-lo regularmente, e é natural que diminuam as ocorrências de vandalismo, por exemplo, um dos maiores problemas que temos hoje nos parques e que dificulta a manutenção dos espaços. O parque é um local público, ou seja, é de todos e para todos e, como tal, todos devemos cuidar dele. Quando a vizinhança entende isso, nós temos multiplicadores da cultura da conservação e cuidado dentro do Parque Estrelinha”, explica Edanise Reis, gerente de parques Oeste e Barreiro da FPMZB.
 

Serviço

Parque do Bairro Havaí - rua Manila, 300 – Bairro Havaí
Funcionamento: terça-feira a domingo, das 7 às 18 horas.
Telefone: (31) 3277-6490 / Entrada Gratuita
 

23/08/2018. Lazer e descanso são atrativos de um dos parques mais novos da região oeste da Capital. Fotos: Edanise Reis/FPMZB


Últimas Notícias

Mapa descrevendo o desvio na Av. Afonso Pena BHTrans faz operação de trânsito para Carnaval 2020 na avenida Afonso Pena

Para a segurança de todos, a BHTrans orienta os motoristas que redobrem a atenção e respeitem a sinalização implantada.

21/02/2020 | 14:02
Mãe segurando a filha no Hospital Odilon Behrens Hospital Odilon Behrens oferece uma rede ampla de atenção à gestante

As mulheres são atendidas por demanda espontânea ou por meio de encaminhamento feito por outros serviços de saúde.

21/02/2020 | 12:41