Pular para o conteúdo principal

Duas crianças e uma jovem sentadas em uma mesa com panfletos informativos. criança segura tamanduá que coloriu.
Foto: Divulgação PBH

Lançada campanha para redução do número de atropelamentos de animais silvestres

13/11/2019 | 16:56 | atualizado em 13/11/2019 | 18:38

Para comemorar o Dia Nacional de Urubuzar – uma campanha de conscientização contra o atropelamento de animais silvestres nas rodovias – a Fundação de Parques Municipais e Zoobotânica promove, na sexta-feira, dia 15 de novembro, ações de educação ambiental no Zoo e no Parque das Mangabeiras.

 

A campanha nacional, que marca as ações do Dia de Urubuzar, surgiu em 2014 e tem o objetivo de divulgar o aplicativo Urubu Mobile. A Ferramenta foi criada pelo Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia e Estradas para ajudar a melhorar a qualidade das informações sobre o atropelamento de animais silvestres, como a indicação dos trechos de rodovias com maior incidência deste tipo de acidente e quais os animais mais atropelados em cada trecho, entre outros.

 

O aplicativo continua sendo utilizado e a ideia da campanha atualmente é, além de tornar o aplicativo cada vez mais conhecido pela população, conscientizar motoristas para uma direção preventiva e segura nas estradas do nosso país em prol da redução dos impactos destes acidentes na biodiversidade brasileira. Diversas organizações, como grupos de pesquisa, universidades, zoológicos, ONG’s, protetores, policiais e grupamentos de segurança, além de outros segmentos da sociedade, participam das ações em todo o Brasil.

 

Neste feriado de Proclamação da República e Dia Nacional de Urubuzar, os visitantes do Zoológico de BH e do Parque das Mangabeiras poderão conhecer mais sobre a campanha e também sobre as espécies de animais presentes no Zoo e nos mais de 75 parques da cidade que integram a lista dos mais afetados pelos atropelamentos em estradas brasileiras, como o tamanduá-bandeira e o tamanduá-mirim, onças, lobo-guará, cachorro-do-mato, tatus, capivaras, antas, veados e quatis.

 

Nas ações de educação ambiental – que vão acontecer de 10h às 13h no Quiosque da Zebra (no Zoo) e no Quiosque de Informações (no Parque das Mangabeiras) – serão distribuídos materiais educativos e haverá um bate-papo interativo com a equipe de educação ambiental da Fundação, além da demonstração dos aplicativos U-safe e Sistema Urubu (Urubu Mobile) para aqueles que quiserem se capacitar a ajudar as organizações de proteção ambiental na elaboração de estratégias, a partir dos dados coletados nos aplicativos, para reduzir as mortes de animais em rodovias. No Zoológico, os visitantes também poderão participar da oficina “Para colorir” e da mostra de materiais biológicos sobre a fauna mais ameaçada pelos atropelamentos.

 

 

Você sabia?

- Em média, 450 milhões de animais são atropelados anualmente nas rodovias brasileiras (15 atropelamentos a cada segundo!).       


- A maior parte dos animais atropelados é de pequeno porte (sapos, pererecas, cobras, roedores e aves diversas).   

 
- Do total de atropelados, cerca de 55 milhões são de porte médio, como gambás, furões, lebres, tatus, jabutis, macacos, corujas, gaviões, lebres e etc.


- Cerca de cinco milhões de animais vítimas de atropelamento integram o grupo de grandes animais, como onças, veados, tamanduás, antas, capivaras, cachorros-do-mato, entre outros.  

        
- Muitos desses acidentes, além de matarem a fauna silvestre, também machucam gravemente motoristas e passageiros, podendo levá-los até a óbito.

 

 

Dicas

A alta velocidade é a maior causadora dos acidentes com a fauna silvestre, juntamente com a baixa iluminação das rodovias e a falta de atenção dos motoristas.

 

- Dirija em uma velocidade mediana, que lhe permita manobrar em segurança caso seja necessário desviar de animais, buracos, carros parados/quebrados e outros imprevistos nas estradas.      

     
- À noite, há mais animais nas rodovias, pois boa parte deles sai em busca de alimento. Em paralelo, com menos carros, a tendência é que os motoristas aumentem a velocidade. Tenha atenção redobrada nesse período e mantenha-se em limites de velocidade seguros para manobras repentinas.  

      
- Atente para trechos de pista onde possa haver carga de alimentos derramada, seja por acidentes ou por carga mal acondicionada. Certamente haverá nesse local trânsito de animais atraídos pelo cheiro dos alimentos, especialmente grãos.


- Estradas que cortam o ambiente natural dos animais (e também que estejam próximas de parques e reservas ambientais) oferecem maior risco. Fique atento!


- As estradas de terra, em que as velocidades de trânsito são menores, não estão isentas do risco! Além de muitas cruzarem os ambientes naturais da fauna, os animais gostam de pisar na terra e não percebem os riscos. A poeira também diminui a visibilidade, tanto para os animais, quanto para os motoristas.


- Em dias quentes, redobre a atenção. Répteis costumam ir para as rodovias de asfalto para se aquecer.


- As rodovias com muitas pistas – com muros e cercas no meio – acabam isolando em área de risco os animais que, porventura, conseguiram chegar até lá, mas não terão facilidade em sair, graças a esses obstáculos.


- Ao parar ou reduzir a velocidade de seu veículo para a passagem de um animal, tenha paciência ao tempo de resposta e deslocamento dele. Buzinar, piscar farol, provocar barulhos com o acelerador e gritar pode atordoar e confundir o animal, provocando reações inesperadas e até acidentes mais graves.


Últimas Notícias

Casal segura papel digitado à mão. Contrato de aluguel social já é uma realidade em Belo Horizonte

A primeira família assinou o contrato de aluguel no dia 14/11, na Urbel. A atual etapa do projeto contempla 202 idosos.

06/12/2019 | 11:41
Técnica do posto de saúde oferece vidro a mãe com bebê Regional Noroeste inaugura Unidade Coletora de Leite Materno e incentiva doação

O Centro de Saúde Bom Jesus busca alertar a sociedade para a importância do aleitamento materno.

02/12/2019 | 12:45