Pular para o conteúdo principal

Praça Sete, no Centro de Belo Horizonte
Foto: Adão de Souza

Economia criativa de BH é destaque em evento online promovido pela Unesco

22/07/2021 | 10:29 | atualizado em 22/07/2021 | 10:31

A Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, participou, nos dias 6 e 7, do evento online “Unesco Creative Cities and Covid-19: Build back better through culture and creativity” (Cidades criativas da Unesco e Covid-19: reconstruir melhor por meio da cultura e da criatividade). 

A secretária adjunta de Desenvolvimento Econômico, Cristiane Serpa, representou Belo Horizonte no evento promovido pela Rede de Cidades Criativas da Unesco, agência especializada da Organização das Nações Unidas (ONU) para a Educação, a Ciência e a Cultura. 

“As Cidades Criativas da Unesco vêm aplicando seus recursos culturais e criativos na construção de respostas eficazes ao impacto multifacetado da pandemia Covid-19 e na promoção de uma recuperação inclusiva e sustentável. O evento on-line serviu também para apoiar os esforços da Unesco na defesa de respostas baseadas no poder da cultura e da criatividade como medidas de recuperação à pandemia”, afirma Cristiane Serpa. 

Também participaram do evento o diretor geral adjunto de Cultura da Unesco, Ernesto Ottone; o prefeito de Santos, Rogério Santos; e autoridades de Cidades Criativas da Unesco de 21 países (Alemanha, Austrália, Bélgica, Canadá, China, Colômbia, Congo, Cuba, Dinamarca, Emirados Árabes, Espanha, Estados Unidos, Filipinas, França, Itália, Japão, México, Nova Zelândia, Portugal, Reino Unido e Turquia). 

Cristiane Serpa explica que, na condição de Cidade Criativa da Gastronomia, Belo Horizonte foi convidada para apresentar durante o evento da Unesco a experiência como promotora do Hackathon: Soluções para a Economia Criativa, ocorrido entre 17 e 24 de maio deste ano. 

A secretária adjunta apresentou o Hackathon como uma mobilização realizada para minimizar os impactos adversos da pandemia e reaquecer o ecossistema criativo da capital mineira. 

Além do Hackathon, também foram destacados o Programa Horizonte Criativo e os números da economia criativa em Belo Horizonte. 

“Belo Horizonte é berço do Modernismo Arquitetônico e Patrimônio Cultural da Humanidade, que possui o maior índice de acesso à cultura entre as capitais. É polo de moda, móveis e talentos, referência em design, além de abrigar uma das principais feiras de artesanato do Brasil e uma das maiores comunidades de startup do país”, diz Cristiane Serpa. 

Horizonte Criativo 

Apresentado durante o evento on-line da Unesco, o Horizonte Criativo é um programa intersetorial para pensar e incentivar o desenvolvimento e a prosperidade das atividades criativas em Belo Horizonte.

O programa atua em diferentes camadas, como segurança pública, inclusão socioprodutiva, melhoria do ambiente de negócios, dinamização cultural e turística e requalificação e intervenções urbanas.

Economia Criativa 

De acordo com os números da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, existem em Belo Horizonte 107 mil empregos relacionados à economia criativa. E 23% dos empregos no setor criativo de Minas Gerais estão na capital. 

“Belo Horizonte é o terceiro maior polo criativo do Brasil. Representamos 2,31% dos empregos nas atividades criativas das cidades brasileiras. Sendo que 20,7% das empresas de Belo Horizonte pertencem ao setor, que gerou uma renda mensal de R$ 277 milhões em 2019, ano do último levantamento”, explica Cristiane Serpa.