Pular para o conteúdo principal

Rapaz com touca faz pães.
Foto: Zaíra/PBH

Cursos de gastronomia da PBH possibilitam a construção de projetos de vida

26/03/2019 | 19:18 | atualizado em 04/04/2019 | 08:20
Promover a qualificação profissional e gerar trabalho e renda para pessoas em situação de vulnerabilidade social. É com esse objetivo que a Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social, Segurança Alimentar e Cidadania, desenvolve o programa “Valorizar a Gastronomia Mineira e Belo-horizontina articulada às Bases Agroecológicas”. A ação oferece, em parceria com outras políticas sociais da PBH, gratuitamente, cursos de qualificação profissional em gastronomia no Centro de Referência em Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável Mercado Popular da Lagoinha.

 

O programa é dividido em quatro trilhas: panificação, confeitaria, gastronomia mineira e belo-horizontina e agroecologia. Das três primeiras, podem participar somente os integrantes das turmas de Educação de Jovens e Adultos da Prefeitura, pessoas trans e travestis, população de rua e os moradores da Pedreira Prado Lopes e da Vila Senhor dos Passos (bairros que ficam no entorno do Mercado da Lagoinha, onde os cursos são ofertados).

 

Esses alunos são encaminhados por escolas municipais, pelo Centro de Referência LGBT e pelos Centros de Referência de Assistência Social de Belo Horizonte.  Já o curso da trilha de agroecologia é aberto também à participação do público em geral.

 

 

Apoio para empreender

Cosme Damião Gonçalves, de 70 anos, chegou ao curso por indicação da Escola Municipal Caio Líbano. Aluno da Educação de Jovens e Adultos, ele está concluindo a trilha da Panificação, que teve início no segundo semestre de 2018 e está contribuindo para os seus planos de abrir uma padaria. “Estou terminando a reforma do espaço, já comprei alguns equipamentos e, com a conclusão do curso e da obra, pretendo abrir a loja antes do meio do ano. Participar deste curso foi muito importante para aprender as receitas dos pães, as exigências legais, as normas sanitárias e a administração. Depois de 70 anos, vou poder realizar o sonho de ter meu próprio negócio”, conta.

 

Já Thábatha Silva, 27 anos, está cursando a trilha gastronomia mineira e belo-horizontina e encontrou recolocação profissional temporária em diferentes restaurantes e eventos como ajudante de cozinha e de bar. Ela pretende fazer o curso completo e buscar uma vaga efetiva com a conclusão das quatro trilhas. “Quero trabalhar registrada na cozinha, ter um emprego seguro, alugar minha própria casa e crescer como pessoa. E quem sabe, no futuro, consigo abrir meu restaurante”, afirma.

 

A jovem estudante, que foi encaminhada pelo Centro de Referência LGBT, veio do estado do Pará, esteve em situação de rua e atualmente reside na República Maria Maria, unidade de acolhimento institucional para mulheres da Prefeitura de Belo Horizonte.

 

 

Inclusão produtiva

Gerente do Centro de Referência em Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável Mercado Popular da Lagoinha, Gladys Rodrigues destaca que a proposta do projeto é proporcionar a inclusão social produtiva com a geração de renda para os alunos, seja por meio da contratação por bares, restaurantes, padarias, confeitarias e buffets, entre outros, ou pela abertura do próprio negócio.

 

Nas salas de aula, além dos fundamentos básicos de nutrição e gastronomia, os alunos aprendem sobre agroecologia e empreendedorismo. “O programa apresenta as tradições culinárias de Minas e Belo Horizonte, trazendo para a sala de aula os ingredientes e modos típicos de fazer e servir que tornam a gastronomia regional tão atrativa, ao mesmo tempo em que dialoga com a contemporaneidade, formando profissionais aptos a atender as expectativas do mercado de trabalho de maneira competitiva”, destaca Gladys Andrade.

 

 

Parceria

O último módulo é desenvolvido em parceria com o Sebrae-MG e busca capacitar o pequeno empreendedor para criar e manter seu negócio. Com o tema Empreendedorismo, o módulo oferece capacitação para a abertura de negócios na área alimentícia, controle de compras e gerência de estoque.

 

“Criado exclusivamente para os alunos participantes do Programa, o eixo Empreendedorismo visa orientar e qualificar os empreendedores para as oportunidades de mercado, planejamento do seu negócio, controle financeiro e vendas. Orientamos também sobre as regras e critérios para ser um Microempreendedor Individual, bem como os benefícios e suas obrigações”, explica o analista do Sebrae MG, Renato Lana, que acompanha o trabalho.

 

Como o curso é composto por quatro trilhas independentes, os alunos podem fazer apenas uma ou todas elas, dependendo de seu interesse profissional. Caso opte por fazer a formação completa, o estudante leva um ano para concluir os módulos, com aulas quatro vezes por semana, pela manhã ou tarde. Com a conclusão dos cursos, os profissionais são orientados sobre a confecção de currículos e encaminhados para o mercado de trabalho.

 

A professora Marileide Lopes dos Santos, diretora da Escola Municipal Vila Fazendinha, destaca, ainda, que o curso promove a convivência de diferentes grupos sociais em sala de aula e os conecta por meio da educação. “Esse curso tem feito a diferença na vida dos nossos alunos, principalmente por oferecer novas oportunidades. A conclusão do curso traz a possibilidade de um emprego para eles”, relata.

 

 

Centro de Referência

O Mercado Popular da Lagoinha abriga o Centro Cultural Liberalino Alves de Oliveira, uma unidade da Academia da Cidade e, desde 2017, o Centro de Referência em Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável.

 

Equipamento da Política de Segurança Alimentar e Nutricional do Município, o Centro de Referência tem o objetivo de difundir práticas alimentares saudáveis, orientadas pelos conhecimentos da nutrição e da gastronomia, valorizando a agroecologia, as tradições culturais e o desenvolvimento de habilidades culinárias, por meio da qualificação profissional e de estratégias de educação alimentar e nutricional.

 

 

26/03/2019. Valorizar a gastronomia - Curso profissionalizante. Fotos: Zaíra Magalhaes/PBH