Pular para o conteúdo principal

Idosos com as mãos para cima fazendo exercício
Foto: Avanilton de Aguilar /PBH

BH em Pauta: Usuário do CRAS, idoso é exemplo de autonomia

04/09/2017 | 15:15 | atualizado em 11/09/2017 | 08:13

Um senhor de 81 anos com a vitalidade digna de um jovem. Assim é Aristides Mendonça da Conceição, membro do colegiado da Escola Municipal Milton Campos, onde estuda à noite no programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA), além de conselheiro da Assistência Social e representante dos usuários do CRAS Mantiqueira no Conselho Municipal de Assistência Social (CMAS). 
 

No CRAS, o senhor Aristides participa dos encontros do Serviço de Fortalecimento de Vínculos para Idosos uma vez por semana, nas tardes de quinta-feira, e da oficina de fisioterapia promovida quinzenalmente pelo Centro de Saúde Mantiqueira nas instalações do equipamento
 

Além desses compromissos, Aristides Conceição ainda é voluntário na Escola Milton Campos. Responsável por cuidar da horta, ele prepara os canteiros, planta, produz adubo orgânico e ainda ajuda as professoras e os alunos ensinando este saber que foi aprendido na vida na roça. Aristides conta que, quando mudou para o bairro Mantiqueira, há 46 anos, no terreno da escola Municipal Milton Campos era um campo de futebol.
 

Depois que entrou para o EJA, há cerca de três anos, o idoso descobriu capacidades que nem sabia que tinha. O domínio da leitura foi a mais importante conquista que o EJA lhe trouxe e que o capacita a ir a qualquer lugar, sem depender da ajuda de ninguém. “Só escrevo a letra cursiva, mas já leio de tudo. Eu achava que cavalo velho não aprendia a marchar”, comemora o experiente aluno, que está concluindo o nível básico do EJA. 
 

 Viúvo há três anos, seu Aristides tem três filhos, quatro netos e um bisneto, e encontra na equipe e colegas do CRAS Mantiqueira a amizade que precisa. “Quando chego, as meninas querem saber se já almocei, se lanchei”, relata ele, referindo-se às técnicas que atendem aos usuários no equipamento. “Eu me sinto muito feliz em conviver com o pessoal da comunidade do CRAS Mantiqueira, lutando por sua melhoria. O Serviço de Convivência é meio caminho andado para quem quer saber da importância do equipamento para a comunidade, pois tem advogados, psicólogos e encaminhamentos para solução de todos os problemas da comunidade”, explica ele.

 

Idosos, crianças e adolescentes 

 

O Centro de Referência da Assistência Social (CRAS) Mantiqueira é um dos três equipamentos do tipo existentes na região de Venda Nova. Referência para cinco mil famílias do território, o CRAS é responsável pela organização e oferta dos serviços socioassistenciais da proteção social básica nas áreas de vulnerabilidade e risco social, conforme preconiza o Sistema Único de Assistência Social (SUAS). Representa, ainda, a principal estrutura física local para a proteção social básica, possuindo a função exclusiva da oferta pública do trabalho social com famílias, seus membros e indivíduos por meio do serviço de Proteção e Atendimento Integral a Famílias (PAIF). 
 

O Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Familiares e Comunitários desenvolvido no CRAS Mantiqueira se divide em grupos de idosos, crianças e Adolescentes. Nesse serviço são ofertadas atividades como passeios, palestras e oficinas diversas. O espaço do CRAS é disponibilizado ainda para uso dos grupos da saúde, reuniões regulares de fisioterapia e higiene bucal, além oficinas de alimentação. 
 

A gerente do CRAS Mantiqueira, Renata Aparecida Evangelista, avalia que o serviço permite a acolhida e o desenvolvimento da autonomia dos usuários. “Em inúmeros casos, é nítida a progressão do fortalecimento de vínculos familiares e comunitários. O grupo relaciona-se como uma família, dentro de um espaço de cuidado, troca de experiência e informação. O senhor Aristides, por exemplo, se tornou protagonista de sua própria história. Hoje ele é visto como referência dentre os demais participantes do grupo e na comunidade do bairro Mantiqueira”, completa ela. 
 

O CRAS Mantiqueira fica na rua Luzia Salomão, 300, bairro Mantiqueira, há cinco anos.